Vírus na campanha

auschwitz-concentration
O Paulo Rangel, em vez de ficar muito abespinhado com a referência feita por Manuel Alegre, devia ir estudar, já que as palavras do seu discurso que motivaram este confronto podem, de facto, ser lidas como uma séria provocação. Nas habilidades retóricas não cabe tudo. A ignorância em História ostentada por incontinentes verbais como Paulo Rangel leva-os a este tipo de situação.

Isto não é novo. Não esqueçamos a proclamação, há tempos, de Paulo Portas, segundo a qual “o trabalho liberta”, palavras, como se sabe, inscritas no portão de Auschwitz. É inteiramente legitimo, da parte de quem ouve, duvidar da inocência deste tipo de afirmações, sobretudo vindas de quem quer convencer o auditório de que é muito culto e inteligente, como acontece com estas duas personagens. Quem semeia palavras ao vento, arrisca-se a colher a tempestade das respostas.

Comments

  1. Fernando says:

    O Rangel o Alegre e o Assis nem para sandwiches servem. Sao indigestos…
    Mas se fosse obrigado a tragar algum escolheria o Assis desde que tivesse a’ mao pastilhas digestivas.
    Ja acredito um pouco mais no Marinho Pinto uma especie de “raposa dentro da capoeira”. E’ precso abate-lo.

  2. niko says:

    mas porque será que ainda existam portugueses com medo destes dois parvalhões.

Trackbacks


  1. […] Blogue Aventar 20/05/2014 por José Gabriel […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.