Paixões não se discutem

Daqui a pouco, numa televisão perto de si, o jogo do ano, eu estarei a torcer pelo:

 

Tratado de Semiótica da Imagem

O que vê nesta fotografia?

 

Barcelona: se os filhosdaputa voassem não se veria mais o sol

O futebol como desculpa: evitar confrontos se o Barcelona ganhar a final da Liga dos Campeões. À bastonada e a tiro tentam desalojar os acampados em Barcelona, que resistem de mãos no ar.

A seguir deve aparecer uma ordem de despejo noutras cidades baseada no facto de tanto tempo ao ar livre prejudicar a saúde e provocar cancro de pele.

Como cantou o catalão Pi de la Serra, se os filhosdaputa voassem não se veria mais o sol.

[vodpod id=Video.9666122&w=425&h=350&fv=]

veja mais vídeos e fotos:

[Read more…]

E agora que venha o Barcelona

O melhor jogo da temporada portuguesa foi, de muito longe, o FC Porto – Braga. Simpático da nossa parte oferecer uma réplica ao mundo. Claro que final é final, e réplica não é o original. Mas foi entretido, embora tenha faltado o golo do Braga, e os que se lhe seguiriam.

Coisas que orgulham a pátria: Helton diz ao árbitro que não sofreu falta (também é verdade que ia dar ao mesmo) e a saída de campo dos jogadores do Braga, passando por um respeitoso túnel formado pela equipa do Porto. Mais duas razões pelas quais o Braga mereceu eliminar os apóstolos da luz apagada.

Próxima etapa: a supertaça a disputar com o vencedor da Liga dos Campeões parece que é no Mónaco. Muito perto da Catalunha? Que venha o Barça. Eu sei que profecias só no final do jogo, mas esta já a fiz.

Real de Madrid roubado mais uma vez em Barcelona

O Real de Madrid não pode jogar contra o Barcelona sem ser roubado. Não está aqui em causa o valor de cada uma das equipas, mas o condicionamento do  jogo e do resultado por influência directa das arbitragens.

Uma falta inexistente na primeira falta assinalada a Di Maria em situação potencialmente perigosa para o Barcelona, um golo muitíssimo mal anulado a Higuain, cartões amarelos estrategicamente mostrados, faltas assinaladas -ou não- com critérios distintos, fizeram com que o campo se inclinasse em desfavor do Real.

Mourinho tem razão, o Real está proibido de ganhar ao Barcelona.

Futebol é outra coisa. Em Futebol, com uma bola redonda e um campo plano, até o Barcelona estaria sujeito a perder.

Saía um Porto-Barcelona, sff

Pesem as minhas simpatias pelo Barcelona, aquilo que se viu ontem foi uma vergonha:

Isto somado à expulsão palerma de dois portugueses mexe com a minha adormecida costela patrioteira.

Não sei se ainda há supertaça europeia, mas sei que lá para o verão os vencedores das ligas europeias se vão encontrar. Espero por isso que o Barça ganha a Liga dos Campeões. Um Porto – Barcelona permitirá aos jornais do dia seguinte titularem:

Villas-Boas vinga Mourinho

E já agora parabéns ao Braga, e a Domingos Paciência, a um golito de uma final europeia. Este verão, na falta de outra indústria competitiva, lá vamos exportar jogadores e treinadores. O costume.

Barcelona (FCP) 5 – A. Madrid (SLB) 0, sim são golos e não só

Há uma comunidade ibérica nestes resultados, toda uma península que diz no relvado: gastais mais, e perdeis ainda por mais.

Feliz e contente, lembro aos nacionalistas de trazer por casa que cada um ganha a vida onde melhor lhe pagam, mas antes disso há causas.

E não é por causa de quatro emigrantes portugueses que se muda um afecto.

Não mudei o meu. Tomai lá mais 5, falangistas madrilenos.

Ironias

Um milanês interpreta “Arde Tróia” na Praça do Rei em Barcelona. Tantas ironias.

(Para quem não conhece Vinicio Capossela aqui ficam dois outros registos, completamente diferentes, de um autor com mil registos)

[Read more…]

Agora jogo eu

Não bastavam as vergonhas que foram a recepção ao Inter de Milão em Barcelona com humanóides a tocar tachos e panelas à porta do hotel durante toda a madrugada, o fogo de artíficio e os foguetes barulhentos a impedirem o sono dos adversários, os apupos a Figo, o banho que cortou a festa aos italianos após o banho que levaram os donos da casa no resultado final da eliminatória. Agora, num grupo anti-Mourinho que uns neandertais cibernéticos (têm polegar opositor,  indicador para teclar e pouco mais) criaram no Facebook, hordas de hominídeos que mal sabem soletrar (e isso porque, enfim, estamos no sec. XXI) surgem das cavernas a gritar impropérios (palavra difícil) e insultos. Contra Mourinho? Também, mas com isso pode ele bem. Insultos, e em toda a linha, contra todos os portugueses, como se todos fossemos um e Mourinho fosse todos. Um proto-neandertal com o ibérico nome de Siarhey Ilich Uliánov vem mesmo dizer “Muerte a los gitanos portugueses” para alargar um pouco mais o preconceito étnico-nacionalista. Os comentários sucedem-se em catadupa e cada actualização de página dá um salto monstruoso no avolumar do racismo e da estupidez de casta.

Até podem ter uma das equipas que melhor joga futebol no mundo. Mas, e falo apenas destes “adeptos”, em imbecilidade, parvoíce e talento natural para a burrice são muito mais capazes do que a equipa que putativamente “suportam” e não há “Mourinho” que lhes ganhe. Levem a taça que eu, a partir daqui, já não jogo mais.

Discurso de Mourinho aos jogadores do Inter

O último treino do Inter em Milão foi mais ou menos assim:

-Quem quiser ir a Barcelona está proibido de jogar à bola. – disse José Mourinho.

-Desculpe lá, Mister, não estou a perceber.

-Para jogar à bola está lá o Barcelona. Nós vamos para ganhar a eliminatória.

-Ganhar sem jogar? Mas assim perdemos.

– Por isso é que o Special sou eu. Se queremos ganhar não podemos jogar.

-Então o que é que fazemos?

-Deixamos o Barcelona jogar, dar três ou quatro toques, e tiramos-lhes a bola.

-É aí que contra-atacamos.

-Não, entregamos a bola aos tipos.

-E depois?

-Depois deixamo-los dar três ou quatro toques e tiramos-lhes a bola.

-E não atacamos?

-Isso é jogar e nós vamos para não jogar.

-E se correr mal?

-Eu é sou o Special One, se corresse mal eu era só o Normal One. Perto do fim do jogo até podemos deixar os gajos marcarem um golo para dar um frisson à coisa e torná-la mais especial.

-E correr, podemos?

-Quanto menos melhor, eles que corram, nós não somos uma equipa de atletismo. Perceberam?

-Mais ou menos.

-E tu, Quaresma, percebeste?

-Percebi, Mister, a gente chega lá e parte aquela merda toda, nem os deixamos tocar na bola, mostramos aos gajos que quem sabe jogar somos nós.

-Bem me parecia que ias ver o jogo da bancada para aprenderes a não jogar demais. E tu, Balotelli, percebeste?

-Claro, Mister, se for preciso andar à porrada eu parto aquela merda toda e mando os adeptos dar uma volta.

-Bom, tu vens connosco e ficas no banco, pode ser que venhas a ser preciso. Mais alguém quer jogar à bola? Não? Então bora lá ganhar a eliminatória.

Inter, Barcelona: Messi? Milito, Mourinho!

-Vamos ver se o Barça é a melhor equipa do mundo – disse Mourinho antes da partida.

Hoje, em Milão, não foi. E Messi? Messi, contra o Inter, também não foi o melhor jogador do mundo, não foi quase jogador sequer, jogou o que o deixaram, ou seja, pouco mais que nada. Não teve espaço, nem arrancadas, nem dribles, nem iniciativas.

O Inter entregou a posse de bola ao Barcelona, mas não o deixou jogar. Posse consentida, mas só até certo ponto do terreno, depois “toma lá a bola outra vez e volta a fazer tudo de novo”, enquanto o Inter lançava contra ataques ( ataques rápidos é mais exacto ) venenosos. O Milão foi sempre mais perigoso e objectivo, nunca perdeu a noção posicional e anulou sempre o Barcelona onde mais lhe conveio, apesar de ter sido o Barça a inaugurar o marcador na única oportunidade clara da primeira parte.

No confronto de treinadores, ganhou Mourinho e por muitos. No campo ganhou o Inter, por 3-1.

Benquerença mostrou muitos cartões, como gosta e foi polémico. Como é habitual.

0-1
http://rd3.videos.sapo.pt/play?file=http://rd3.videos.sapo.pt/9nLGE7Y1zsF6VH432oOf/mov/1 [Read more…]

Lionel Messi do Barcelona, da Argentina, do Mundo… é o melhor do Universo

Lionel Messi nasceu no dia de S. João, pouco mais de um mês depois da vitória do Porto no Prater.
É um jogador de futebol, ou antes, é O melhor jogador de futebol do Planeta. Nasceu na Argentina, mas veio para Barcelona com 13 anos e aos 16 já jogava na primeira equipa.

Ontem marcou quatro golos a uma equipa de Londres, o Arsenal, cujo treinador o definiu assim: “Messi é um jogador de Play Station“.

Mas, de ontem chega mais um detalhe delicioso: Messi levou a bola de jogo para casa. Uma metáfora fantástica: ele é de facto o dono da bola! Ele, mais do que ninguém, consegue pegar na bola e ir, com ela bem coladinha, até ao destino, seja ele a baliza ou o passe para um colega.
No Universo planetário da bola no pé há um novo DEUS: Lionel Messi

Uma curta ausência

Estive num pequeno simposium em Barcelona e aproveitei para tirar uns dias de férias, revisitando algumas cidades onde já não ia há uns tempos: Valência, Tarragona e Barcelona, e mais junto de nós, Valladolid.

Continua bem aparente, apesar da crise, a qualidade de vida desta gente. A mesma esfusiante alegria, o mesmo convívio social contagiante e atraente que tornam este país, por assim dizer, único no mundo.

As cidades impecavelmente limpas e bem tratadas, os prédios em constante conservação, ausência de ruínas, as pessoas, velhas e novas, bem arranjadas, com muito gosto, vestindo com originalidade, fisicamente escorreitas, uma percentagem mínima de obesos, um comércio impressionantemente activo, sem lojas fechadas, uma quase ausência de grandes superfícies.

 

Como sempre, chegado ao meu Porto de que tanto gosto, invade-me a tristeza. O Porto podre, a cair, em ruínas, sujo como nunca esteve, infiltrado de “hipers”, lojas a fechar todos os dias, gente triste, mal arranjada, sem gosto, sem brio, desaparecendo das ruas mal o sol se põe, dizendo bom dia ou boa noite por entre dentes, com medo de falar. As próprias mulheres não têm um mínimo de originalidade no vestir, trajes massificados à base de jeans e botas à cavaleiro. E se têm, fazem-no sem estética, raiando por vezes o ridículo. A percentagem de obesos e obesas é alarmante.

Porquê? O que nos faz assim? Que gente somos nós? Qual a causa da nossa incultura e da nossa incivilidade? Que gente nos governa? Que indigentes autarcas nos calham na rifa? Que raio de “pool” genético nos coube?