Portugal e o rating da Fitch: dating with ratings

Na passada sexta-feira António Costa mostrou-se satisfeito com uma decisão da Fitch, ao mesmo tempo que Passos Coelho a desvalorizava, afirmando que não era a primeira vez que a agência dava uma visão positiva sobre a dívida portuguesa.

Com efeito, depois da derrocada de 2011, foi preciso esperar até Abril de 2014 para a Fitch atribuir-nos um “BB+; Outlook Positive”. Esta revisão manteve-se sem alteração até Março de 2016, altura em que foi revista em baixa para “BB+”, tendo assim ficado durante um ano, até ao passado dia 16.

Este relato é factual. Passemos agora à análise.

[Read more…]

Bandeira à meia-haste na sede do PSD

Os terroristas da Fitch decidiram que a perspectiva do rating da nação já não é tão má e as carpideiras já começaram a chegar à São Caeteno à Lapa.

Da Fitch, com amor

lixo

Mercenários norte-americanos mantêm rating da dívida portuguesa, naquele nível “lixo” a que já estávamos habituados no tempo do Passos. Nem nisto a Caranguejola conseguiu ser melhor que a Geringonça. É preciso ter azar!

Perigo iminente de atentado terrorista em Portugal

Elevem o risco de alerta! Os jihadistas da Fitch já começaram a enviar recados. Cedam à chantagem ou o corte do rating é já a seguir.

Rating eleitoral: lixo

Passos

A organização terrorista financeira Fitch anunciou ontem a manutenção da classificação da dívida pública da portuguesa em BB+ (“lixo”), reiterando assim as avaliações de Abril e Outubro passadas. A agência norte-americana aponta baterias ao Tribunal Constitucional, ao desaceleramento da consolidação orçamental e ao incumprimento das metas do défice a que o governo se propôs. Por muito que insista no milagre económico português, invisível para o português comum que continua a emigrar, a não encontrar emprego e a suportar uma carga fiscal brutal, o governo não consegue obter a benção das instituições que tanto venera e estima, apesar da clara articulação com as mesmas.

[Read more…]

Eles decidem por nós

Triple A

João Vieira Pereira, colunista-blogger do Expresso muito apreciado pela ala liberal nacional, brindou-nos ontem com aquilo que, na minha qualidade de leigo do economês, me parece ser uma verdade absoluta nos tempos que correm:

Os mercados e as agências de rating funcionam a velocidade diferentes, mas se tivesse de escolher em que indicador confiar, o rating continua a ser o mais fiável. Estas agências analisam tendências de longo prazo, olham para os fundamentais da economia e decidem sobre a capacidade de um país pagar as sua dívidas no futuro.

Não só é fiável como continua a sê-lo. As premissas que regem os ratings atribuídos pelas agências privadas norte-americanas, promiscuamente ligadas a especuladores diversos, continuam tão fiáveis como no dia em que atribuíram um triplo A ao Lehman Brothers, imediatamente antes deste falir. Mas o que é verdadeiramente interessante neste curto mas esclarecedor artigo, é perceber o entendimento que um opinion maker tão experiente na matéria tem sobre estas agências, tão servis aos interesses do costume como o político mais canalha e corrupto, considerando que estas “decidem sobre a capacidade de um país pagar as sua(s) dívidas no futuro“. O que o nosso país possa ou não fazer é irrelevante. São os marionetes das Goldmans desta vida que o decidem por nós, essa é a verdade absoluta. JVP limitou-se a constatá-la. E pensar que ainda anda por ai tanta gente que pensa que a nossa soberania financeira (e não só) foi transferida para as instituições europeias…

Em honra da Fitch

Governo propõe alteração do hino nacional para: “Levantai hoje de novo o outlook de Portugal”.