As dúvidas do Gaspar

Quem sou eu? –disse eu
só que ninguém respondeu, ninguém
mas o que foi que me deu
para estar hoje assim?

Estou aqui, se estou
mas para onde é que eu vou, quem sou?
Toda a gente sabe mais ou menos quem é

Passam carros, passa gente

vão para algum lugar é certo
vão para trás ou vão para a frente
vão para longe ou vão para perto
vão para algum lugar é certo, vão

O Povo

“Será que dá para eleger um novo?”

Parece-me que terá sido a pergunta que deu o mote ao tacho. Atendendo às duas presenças em causa, creio que se entende a ausência de mais comensais. Afinal de contas quem é que quer ir comer com quem nos lixa? Nem o Jotinha quer…

Admito também como certa  a ausência de preocupação do Governo, afinal o povo é uma chatice, insistem em consumir oxigénio e imaginem só, precisam de comer.

Tenho por isso muitas dificuldades em entender as razões que levam Professores a chamar mentiroso a Nuno Crato, quando todos sabemos que ele tem apenas um problema com a verdade.

Também não se entende que chamem gatuno ao Gaspar, aliás, algo que a curto prazo será impossível de acontecer porque ele não terá o que roubar.

A eleição de um novo povo poderá muito bem começar este Sábado, assim o povo queira ser eleito!

(+ info)

Tapar os olhos ao povo

Os números conhecidos não enganam ninguém – o Governo está a falhar em toda a linha e apesar da miséria imposta a quem vive do trabalho, o país está cada vez pior. Como sempre escrevi, este não podia ser o caminho.

Admiram-se agora que o IRS tenha baixado? Claro, sem os descontos dos subsídios de férias dos funcionários públicos estavam à espera de milagres? O IVA e o IRC estão como se sabe…

Mas, o governo do licenciado Relva, não satisfeito, ainda tenta lançar umas cortinas de fumo para tapar os olhos ao povo – por um lado Pedrinho e o RSI e por outro a magia da RTP, que afinal, quem sabe ainda vai encher os bolsos de alguém.

Este triunvirato que nos governa, entre o Pedro-Gaspar-Paulo poderia ter o mesmo destino do Romano, mas com uma solução tipo António alargada a todos – seria o milagre da TROIKA!

E a salvação do povo!

 

Gaspar abre porta a derrapagem do défice este ano

A preparar um segundo plano de resgate? – É evidente que as medidas deste governo têm funcionado perfeitamente. Tenho a certeza que vão curar mais este problema com mais austeridade.

Entendam-se pá

Caramba… Parvoíce, por parvoíce, a gente ficava só com uma!

Ou bem que é uma oportunidade ou bem que é uma tragédia pessoal?

Moedinha ao ar? Ou então, iam os dois experimentar para depois decidir, boa?

O preço da verdade na Alemanha

é diferente do preço da verdade em Espanha!

Vai trabalhar malandro

Está-lhe no sangue, a nossa direita vende Portugal por 10 reis de mel coado. Este Gaspar vende por menos, vende pelos mercados, e demonstra aqui que a crise não passa de uma oportunidade para arrasar com direitos laborais, privatizar tudo, regressar ao pior do capitalismo português. Se o deixarmos, é claro.

Esta “piolheira” de nome Portugal

Eça dizia que Portugal era “um sítio”, ligeiramente diferente da Lapónia que nem sítio era. O rei D. Carlos achava Portugal “uma piolheira”, “um país de bananas governado por sacanas”. Alexandre O’Neill referia-se-lhe como “três sílabas de plástico, que era mais barato”, “um país engravatado todo o ano / e a assoar-se na gravata por engano.” Um sítio, uma piolheira, três sílabas de plástico – a síntese perfeita do esplendor da pátria. “No sumapau seboso da terceira / contigo viajei, ó país por lavar / aturei-te o arroto, o pivete, a coceira / a conversa pancrácia e o jeito alvar” (O’Neill). Arroto, pivete, coceira, conversa pancrácia, jeito alvar. Assim continua a ser Portugal. Um país de juízes confessadamente incompetente. Exemplos? O processo dos CTT que envolve o ex-presidente Carlos Horta e Costa – um juiz de Lisboa declarou-se incompetente para o julgar e remeteu-o para Coimbra onde uma juíza se declarou igualmente incompetente! O processo TagusPark, nascido de uma certidão extraída do Face Oculta – um juiz da 8ª Vara Criminal de Lisboa declarou-se incompetente e vai mandar o processo para Aveiro onde, é suposto, se revele publicamente a auto-incompetência de qualquer outro “meritíssimo”, passe a ironia que o adjectivo explicita. Ainda em Lisboa, dois juízes de diferentes varas declararam-se incompetentes para apreciar o processo contra três administradores da empresa gestora dos bairros sociais, a Gebalis! O julgamento do processo-crime do BCP foi adiado sine die, provavelmente à espera de um juiz que, finalmente, se possa considerar competente. [Read more…]