Um prémio Nobel da Paz bem entregue

O Prémio Nobel da Paz deste ano foi entregue aos jornalistas Maria Ressa e Dmitry Muratov, pelo corajoso trabalho no ambiente hostil dos regime autoritários das Filipinas e da Federação Russa, respectivamente. Neles, presumo, o Comité Norueguês homenageia todos aqueles que lutam pela liberdade de expressão e de informação, que lutam pelo jornalismo livre, nesta era da fake news, de manipulação em massa da opinião pública, de normalização do discurso de ódio, da ignorância arrogante daqueles que atacam os jornalismo porque viram a verdade absoluta num qualquer vídeo no YouTube, postado por um chalupa qualquer, e de ditadores branqueados com epítetos como “iliberal”. O trabalho do jornalismo, mais do que nunca, é fundamental para combater o retrocesso democrático, em particular no Ocidente onde muitos achavam ter chegado ao “fim da História”. Não chegamos. E a luta continua! Viva o jornalismo, vivam as liberdades de imprensa e de expressão!

Ganhar o Nobel por estar em guerra contra o seu povo

925,000 euros que vêm a calhar

The Nobel Peace Prize to European Union © Martin Sutovec,Slovakia,The Nobel Peace Prize for 2012,European Union,peace, European Peace Prize

daqui

Nobel da Paz para a Europa?

Deve ser engano

O Nobel da Paz é tantas vezes tão mal atribuído que quando acertam parece engano. Liu Xiaobo tem dedicado a sua vida a ser preso pelo regime fascista chinês, símbolo do capitalismo em ascensão.

Os senhores do novo império dominante ficaram furiosos. Azar o deles. Na China terão de aprender mais tarde ou mais cedo que o imperialismo tem pés de barro e não passa de um tigre de papel, por muito que o poder esteja na ponta da espingarda.

As palavras de Obama na cerimónia do Nobel da Paz

obama-nobel-discurso

Transcrição do discurso (em inglês) no site do New York Times (implica registo gratuito).

O peru da compaixão ou como os EUA atiram areia para os olhos do mundo

foto MICHAEL REYNOLDS/EPA

 

O presidente Barack Obama, prémio Nobel da Paz em 2009, que foi há dias notícia por se ter recusado a assinar a convenção internacional que proíbe as minas terrestres, perdoou a vida ao peru escolhido pela Federação Nacional do Peru para a mesa presidencial no almoço do Dia de Acção de Graças.

 

Courage, o peru, vai agora terminar os seus dias no doce remanso da Disneilândia.

Nem outro gesto seria de esperar de um Nobel da Paz. 

Nobel da Paz para Berlusconi

Foi constituído o comité que irá preparar a candidatura de Sílvio Berlusconi ao prémio Nobel da Paz, pelo “seu empenho humanitário no campo nacional e internacional.” Não sei exactamente que medidas tomadas no plano interno têm em mente os patrocinadores desta candidatura, uma vez que a notícia que está a ser avançada apenas refere a actuação do Cavaliere na cena internacional, mas creio que bastaria citar a nova lei da imigração, aprovada há dias, e as suas humanitárias propostas, para justificar a atribuição do Nobel a Berlusconi: – Criminalização da imigração ilegal, com aplicação de uma multa de até dez mil euros a quem entrar ou permanecer no país sem visto; – Aumento do tempo máximo de permanência de imigrantes em situação irregular nos Centros de Identificação e Expulsão (o nome diz tudo); – Proibição às mulheres estrangeiras sem visto de permanência de registarem os filhos que tiverem em território italiano, o que, a ser cumprido, abrirá caminho a que percam a guarda das suas crianças quando forem expulsas do país; – Legalização das milícias populares formadas por cidadãos que pretendem garantir a segurança pública (as “guardias padanas”) e que até aqui se têm dedicado a vigiar os imigrantes em situação irregular; – Proibição do arrendamento de imóveis (casas ou quartos) a imigrantes em situação irregular, com aplicação de multa e detenção até três anos para os senhorios infractores. Bem vistas as coisas, porquê parar por aqui? Por que não reclamar o Nobel que a Cosa Nostra há tanto merece? Ou exigir a Oslo que, ainda que a título póstumo (bem diz o povo que mais vale tarde do que nunca), distinga o pacifista Benito, e assim redima Il Duce daquela morte patética, de pernas para o ar, exposto à multidão desrespeitosa naquela praça de Milão?