O meu texto nem sequer é sobre homossexualidade

Coloquei um poste na sequência da discussão entre médicos sobre o tratamento da homossexualidade. Há médicos que afirmam que têm doentes homossexuais que frequentam a sua clínica no intuito de “reorientar” a sua sexualidade! Outros médicos há que dizem que não é possível “reorientar” a sexualidade.
Comecei por um título a perguntar se a homossexualidade se cura, um tanto perplexo. Mas do que eu não tenho dúvida nenhuma é que um homossexual “de mal” com a sua orientação sexual tem todo o direito de procurar ajuda. Se não é feliz na sua condição de homossexual deve pedir ajuda. Isto é completamente pacífico! É, antes de mais, um direito de uma pessoa.
Ninguém pode negar esse direito decretando do alto da sua felicidade que a única opção que tem é continuar a ser homossexual e infeliz! Ninguém tem esse direito, mesmo que tenha que engolir que há gente que não gosta de ser homossexual. Ninguém discutiu o cerne do texto que, obviamente, só colateralmente se pode considerar sobre homossexualidade… Desde homofóbico até à ameaça de que “vou namorar com o meu gajo e amanhã respondo”, como quem diz “vou discutir isto com os bardos da homossexualidade e amanhã arraso-te!”
Só que eu posso bem com a homossexualidade dos outros, é-me indiferente se uma pessoa é ou não homossexual, podem juntar-se, casarem-se (se, como diz a lei, for com uma pessoa do sexo oposto), adoptarem crianças (se, como se exige para os heteros, forem gente de bem), terem um equilibrado quadro jurídico que defenda “os casais de facto”.
Posso com tudo menos que, à conta da sua suposta vítimização social, tirem o direito às outras pessoas de não quererem ser homossexuais! E aos médicos, o dever de os tratar o melhor que saibam e possam!
As reacções, quase sem excepção, são do mais básico possível, tentando levar a discussão para o homofóbico, o intolerante, nós é que somos modernaços… enfim, preconceitos vindos de quem tanto se queixa deles!Mas, já agora, gostava de colocar uma provocaçãozinha.E se algumas destas pessoas conseguirem “reorientar” a sua sexualidade quantos lhe seguirão o exemplo?
Quanto ao Paulo Jorge Vieira, não sei se se sente mal ou não com a sua sexualidade. Mas por via das dúvidas, se calhar seria melhor consultar um médico.

Comments


  1. Meu caro,fui um dos que se incomodou por ver o texto anterior. Continuo a achar que a questão que colocas é quase tão óbvia, que nem percebo onde queres chegar – se há gente que se quer tratar, seja lá porque motivo, deve ter o direito de o fazer. Claro. Eu, por exemplo, gostaria que o Sr. “Inginheiro” se fosse tratar.Tu podes considerar o que tu quiseres uma doença, mas a Organização Mundial de Saúde deixou de o considerar como tal – aliás, uma das primeiras medidas de Obama foi subscrever tal ideia.E por isso é que os teus argumentos deixam de fazer sentido – não estamos na presença de uma doença e eu, se fosse médico, teria dificuldade em tratar alguém que não está doente. Mas, se um doente quer ser tratado porque não vive bem com a sua sexualidade, então sim deve procurar tratamento e deve ter o direito de ser tratado. Portanto, a tua questão tem que ser alargada a todos os que não conseguem ter erecção, a todos os que sofrem de ejaculação precoce, a todas que… Percebes a ideia?JP


  2. […] pensei muito antes de responder. Achava que o não deveria fazer porque o Luis tem razão: o seu post não é sobre “homossexualidade”. O seu post é sobre prácticas médicas – de […]

  3. Luis Moreira says:

    Eu percebo a ideia que os homossexuais confundem a “doença” hossexualidade que pelos vistos não existe, e a doença de um tipo se sentir mal por ser homossexual. Ora se um tipo se sente mal na sua pele por ser homossexual deve procurar ajuda.Foi daqui que nasceu a polémica.Há médicos que ajudam os homossexuais que os procuram a “reorientar” a sua sexualidade.É um direito do doente e um dever dos médicos.

  4. Luis Moreira says:

    “…não estamos em presença de uma doença…e eu teria dificuldade em tratar alguem que não está doente.” joão Paulo tu resumes na perfeição a grande contradição que me levou a escrever o poste.É que a homossexualidade, não sendo uma doença patológica,pode ser uma doença social,psicológica,psiquiátrica….Não há doenças,há doentes, e o que para ti não constitui problema nenhum pode ser causa de outras pessoas se sentiram gravemente doentes. E é por estarem doentes que procuram o médicos


  5. Meu caro Luís, um velho professor de Psicologia na Esc. Secundária do Cerco (a minha real Universidade) dizia-me que o modo como se diz, também diz!

  6. Luis Moreira says:

    Sim, a polémica antes de trazer a luz trás a confusão mas aqui no aventar não há tabus.Fala-se de tudo sem faltar ao respeito a ninguem.O que não quer dizer que não se possa ser contundente!

  7. Carla Romualdo says:

    A mim parece-me que o Luís não pretendeu dizer que a homossexualidade é uma doença, embora se tenha expressado de forma um tanto dúbia. Interpreto que o que o Luís pretendia dizer é que o que os psiquiatras deverão tentar tratar nesse conjunto de pessoas que ele refere é o sofrimento, a depressão, a incapacidade de olhar de forma positiva para si mesmo, etc, etc, e não a homossexualidade, porque esta, parece que estamos de acordo, não é uma patologia. Aliás, isto de estarmos a discutir se a homossexualidade é ou não uma doença tem qualquer coisa de medieval.

  8. Luis Moreira says:

    Carla, o que é dificil de aceitar para alguns, é que há pessoas que se dão mal por serem homossexuais.Essas pessoas precisam de ajuda. Tenho um amigo que é hipocondríaco, já fez exames que, felizmente, nenhum de nós fará!No outro dia fez um exame que é a última etapa antes de se entrar para o bloco operatório para se ser operado ao coração. Não tinha nada e gastou 400 contos numa clínica privada.Digo-lhe eu: Pá, não tens nada no coração, está tudo bem.E ele:mas eu sinto-me mal!


  9. Se eu fosse médico e me aparecesse um paciente a pedir para o ajudar porque era homossexual e sentia-se mal com isso, eu teria que lhe responder: “Mas isto é para os apanhados?”


  10. Lol, esse teu amigo hipocondríaco, segundo as tuas teorias, qualquer dia também vai pensar que é gay.

  11. Luis Moreira says:

    Isac, mas porquê? Quem vai ao médico dizer que se sente mal,pode não ter uma doença mas é, de certeza, um doente. Não, este meu amigo tem uma irmã médica e deve ter ficado assim por ouvir as estórias da irmã. Olha que este gajo (acabou de me telefonar,está nas massagens por causa de uma hérnias discais que nunca ninguem comprovou) vai todas as semanas ao médico.E fazer exames caríssimos…

  12. Adalberto Mar says:

    PRONTO! BASTA! CHEGA! EU VOU RESOLVER TUDO E JÁ! VOU ACABAR COM TODO «ESTE SOFRIMENTO» E DEBATE SEM SOLUÇÃO! E VOU FAZER O SEGUINTE: VOU PARA A PRAIA DE MACEDA-OVAR, VOU BAIXAR AS CALÇAS, VOU LEVAR FORTE E FEIO NELE, FAZER A 2, 3 OU 4 E DEPOIS ESPERO UNS MINUTOS OU MESMO DIAS. VOU VER SE ME SINTO MAL PELA SENSAÇÃO DE TER SIDO HOMOSSEXUAL, SE QUERO MUDAR SE QUERO VOLTAR A SER O MACHÃO, O URSO DEVORADOR QUE SOU. SE SIM DOU RAZÃO AO LUÍS, E AOS MÉDICOS QUE ME PODEM CURAR DE TODO O MAL E DOENÇA, MESMO DA GRIPE ASIÁTICA DAS AVES E DOS PORCOS,SE NÃO… AS VOSSAS TEORIAS VÃO TODAS ABAIXO! SÓ TENHO É MEDO, E ISSO É QUE É GRAVE, É SE ..APÓS A EXPERIÊNCIA TRAUMÁTICA… SE NÃO VOLTO AO MÉDICO DIZER «OH DOUTOR CURE-ME POR FAVOR!!» E , EM VEZ DISSO…VOLTE É AO LOCAL DO CRIME NUMA DE REPRISE E BIS TODA A SEMANA! ISSSO SIM, NÃO VOS DEIXARÁ A ALMA EM PAZ NEM À HORA DA MORTE! PREPARA-TE LUÍS, TU SERÁS O CULPADO! MY SOUL IS IN YOUR HAND MAN!!!

  13. isac says:

    Luís, porquê? Porque acho altamente improvável que no fechado círculo íntimo, alguém recorra a um médico por um problema relacionado com a sexualidade. A minha lógica é esta: uma pessoa que tenha problemas com a sua sexualidade primeiro consulta amigos e familiares próximos. Acho que não me engano quando acho que o assunto não passa deste círculo. Não quer dizer que não passe. Eu apenas acho que altamente improvável.Mas eu compreendo o que quer dizer com “pode não ter uma doença mas é, de certeza, um doente.” E essa é outra questão muito mais abrangente, que não tem nada a ver com sexualidades.

  14. Luis Moreira says:

    Acho que não, que numa primeira fase será assim como dizes, mas quando as coisas se tornam mesmo dificeis há muita gente que procura um médico.Nem que sejam os pais a agarrarem-se a essa última esperança.Na adolescência é muito frequente!

  15. Adalberto Mar says:

    Se as pessoas que recorrem ao médico por quererem mudar se tendência sexual (ISTO SIM É PATOLÓGICO, IRRITANTE, TONTO , IRRESPONSÁVEL E NEURÓTICO) for tão complicado como a prisão de ventre, então deixem ir o tipo ou a tipa ao médico.MAS PARA CONCLUIR, É VERDADE, HÁ GENTE QUE SOFRE MUITO PELO FACTO DE SER HOMOSSEXUAL. O MÉDICO NADA PODE FAZER. O HITLER NÃO TEVE HIPÓTESE NENHUMA.

Deixar uma resposta