Manifestação de Professores – as reacções

Estamos a um dia da 4ª MEGA – manifestação de Professores.
Sim, a QUARTA: Outubro de 2007 com 30 mil pessoas; 8 de Março de 2008 com 100 mil e 8 de Novembro com 120 mil.

O Aventar está em condições, em função da experiência adquirida, de avançar em primeira mão com as reacções do dia seguinte.

Da parte do PS vamos ter Vital Moreira a defender a revolução na Educação, algo igualmente defendido por todos os docentes que não foram a Lisboa. Segundo o candidato, a criação de um novo imposto europeu é a prova da eficácia da revolução educativa. No entanto, terminou dizendo que explica como apenas e só depois de ser eleito.

Por sua vez o Porta-Voz do PS, Vitalino Canas, veio dizer que a presença de 100 mil professores na rua, ontem em Lisboa, prova que a FENPROF está longe da realidade das escolas porque há 50 mil professores que ficaram em causa em total sintonia com o Governo. Sugeriu que cem mil pessoas na rua em plena campanha eleitoral é uma clara tentativa de manipulação da opinião pública, cujo aproveitamento por parte do PSD é totalmente ilegítimo.

Paulo Rangel vem sugerir a razão da classe docente, nomeadamente na necessidade de acabar com a divisão da carreira e terminar com o modelo de avaliação. Quando confrontado com a divisão que Manuela Ferreira Leite e Cavaco Silva introduziram na carreira, sugeriu que eram outros os tempos e são agora outros os protagonistas. Os jornalistas tentaram ainda ouvir MFL, mas este fim-de-semana não a conseguiram apanhar no supermercado. Segundo a LUX, MFL terá aderido às compras online.

Paulo Portas e Nuno Melo aproveitaram os 100 mil na rua para relembrar a necessidade de mais disciplina e mais rigor na escola – à semelhança de todos os países europeus, Portugal deve ter exames nos diferentes graus de ensino, nomeadamente à saída do Pré-Escolar.

Terminadas as declarações dos Partidos de direita (PS, PSD e CDS), o aventar dá por concluída a reportagem sobre mais esta manifestação de professores.
Sim, a que vai ocorrer amanhã, em Lisboa!

Deixar uma resposta