Marcha Mundial pela Paz e a Não-Violência

Imaginem um evento planetário, no qual participem, lado a lado, cidadãos anónimos e figuras públicas, representantes de quadrantes tão diversos como a arte, o desporto, a política, a ciência. Cada um deles movido pela mesma inquietação pela situação mundial actual, carregada de tensões explosivas e com a ameaça do armamento nuclear a crescer a cada dia. Todos nutridos pela mesma fé de que a humanidade está pronta para a mudança e este é o momento. Imaginem uma Marcha, um enorme caudal humano, que cubra todo o planeta, derrubando fronteiras, unindo países, idiomas, religiões, regimes políticos. Esta Marcha, feita de todos os seres humanos que pedem a paz, o fim da corrida armamentista, o desaparecimento das armas nucleares, a renúncia ao uso da guerra como forma de resolução de conflitos, a retirada dos territórios ocupados… esta Marcha sonhada por tantos, está agora a ponto de concretizar-se.

A 2 de Outubro de 2009 começará a Marcha Mundial pela Paz e a Não-Violência. O ponto de partida será a Nova Zelândia, no dia do aniversário de Gandhi, dia que a ONU consagrou como Dia Internacional da Não-Violência. Ao longo de 90 dias atravessará todos os continentes, passará por 90 países até chegar ao seu destino final, a 2 de Janeiro de 2010, na cordilheira dos Andes, aos pés do monte Aconcágua, na Argentina. A Portugal a Marcha chegará a 1 de Novembro, quando os portugueses receberem, em Tuy, o testemunho das mãos dos vizinhos galegos com quem partilham a Rota Galiza-Portugal, um dos afluentes da Marcha Mundial. A partir daí, a Marcha passará por doze cidades portuguesas, até concluir em Lisboa, a 12 de Novembro. O primeiro passo para quem em Portugal pretende associar-se à Marcha poderá ser a adesão virtual, aqui. Esta será a primeira Marcha a percorrer todo o planeta. Um momento histórico no qual se estima que participará mais de um milhão de pessoas. Um acontecimento que poderá marcar simbolicamente o início de uma nova etapa para a humanidade. A semente de uma força que irá transformar o mundo.

Comments

  1. Dgibi says:

    Eu, aquela das abstenções, nesta estarei de corpo e alma porque tenho uma fé grande nesta ideia que vocês aqui escrevem: “Todos nutridos pela mesma fé de que a humanidade está pronta para a mudança e este é o momento.”Saudações de mudança

  2. Carla Romualdo says:

    Acho que já somos muitos a partilhar essa fé (embora às vezes não pareça). Temos agora de lhe dar corpo!

  3. maria monteiro says:

    A intenção é boa mas quanto aos resultados já acreditei mais do que acredito hojePor curiosidade estive num encontro inter-religioso em 2002 onde ouvi pela primeira vez a oração de São FranciscoEu, virgem nessas andanças, achei que estava perante a receita que ia mudar o mundo. Pois é verdade, a receita existe… nós é que mudamos muito pouco.Nós passamos o ano em corridas, marchas, procissões…. Nós corremos, marchamos, andamos… exactamente porquê? Pela nossa saúde, pelas colectividades, por instituições, por causas e também porque fica bem, porque os outros também vão e nós acompanhamos. Por incrível que pareça mas fazem-se sempre desvios de conveniência (e lá vão evitando bairros degradados, gente problemática,…)Oração de São Francisco de Assis Senhor, fazei-me instrumento de vossa paz. Onde houver ódio, que eu leve o amor; Onde houver ofensa, que eu leve o perdão; Onde houver discórdia, que eu leve a união; Onde houver dúvida, que eu leve a fé; Onde houver erro, que eu leve a verdade; Onde houver desespero, que eu leve a esperança; Onde houver tristeza, que eu leve a alegria; Onde houver trevas, que eu leve a luz. Ó Mestre, Fazei que eu procure mais Consolar, que ser consolado; compreender, que ser compreendido; amar, que ser amado. Pois, é dando que se recebe, é perdoando que se é perdoado, e é morrendo que se vive para a vida eterna.

  4. Carla Romualdo says:

    Maria, talvez não consigamos mudar o mundo de imediato mas o que estamos a dizer já está no coração de muitas pessoas pelo mundo fora. É preciso criar as condições para que possa expressar-se.

Deixar uma resposta