Mr. Pescanova

O Zezinho há tempos participara num ‘casting’, realizado por agência de publicidade de projecção internacional. Mais tarde, foi informado que tinha sido o candidato seleccionado, assim como do objectivo do filme: inaugurar uma unidade de aquicultura da Pescanova em Mira.
Ontem, chegou o ambicionado dia da inauguração. O Zezinho lá se apresentou com vários companheiros de brincadeira, entre os quais o inigualável Manel, personagem que não dispensa uma oportunidade que seja de lançar a bronca da ordem: – os economistas fazem sempre confusão, quando falam de investimento – asseverou. O Manel, também economista em acumulação com o papel de comediante, largou ‘tal bernarda’ e disse para si próprio: – é preciso que o povo saiba que aqueles 28 gajos sofrem todos de insanidade e só produzem confusão. Loucos e ignorantes!
Mas regressemos ao Zezinho. Ele vestiu-se a rigor e com estilo à altura da elevada responsabilidade do acto publicitário. Camisinha branca muito, muito, leve, metáfora da espuma marinha, e gravatinha do vermelho igual ao do logótipo da Pescanova. Alegoria perfeita. Entre os amigos, houve logo quem afirmasse: – O nosso Zé está um autêntico Mr. Pescanova. E quando ele extraiu da água o pregado, com mãozinhas delicadas para não magoar o peixinho e evitar molhar os punhos da camisa, foi o delírio. Toda aquela gente tributou ao herói entusiástica salva de palmas, sorrindo de felicidade. O Manel e o Jaime foram dos mais satisfeitos, no meio dos presentes, rodeados de tanques e pregados por todos os lados.
Agora até ao final do Verão, o Zezinho tem a carteira de compromissos preenchida. De inauguração em inauguração, lá vai estar ele, vestido a preceito e em estrito respeito pelos ‘briefings’ dos criativos publicitários. Não é despicienda, antes pelo contrário, a vontade de vencer, de vencer folgadamente. Com grande foguetório, se ganhar absolutamente, porque significará ganhar por muitos e também derrotar muitos mais, de hoje e de amanhã. É a vida de um artista do género dele.

Comments

  1. maria monteiro says:

    Resta aos espectadores perceberem o tipo de artista que ele é…

  2. carlos graça says:

    Continuo sem entender a figura da “pena suspensa”… Porque é que esta malta, políticos e etc, fica quase sempre com pena suspensa? Para que serve a decisão da condenação então? Um destes dias apanho com uma multa de estacionamento indevido e pedirei também o pagamento suspenso da mesma… é claro que não terei hipótese… mas quem seria a alma iluminada que se lembrou de criar esta figura jurídica?

  3. Carlos Fonseca says:

    Maria, tenho dúvidas de que parte significativa dos espectadores perceba.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.