A vê-los voar

A maioria dos funcionários da TAP é bem paga. Têm vencimentos bem acima da média nacional. Têm ainda um conjunto de regalias importante. Algumas justas, outras resultam apenas dos famosos “direitos adquiridos”. Mesmo assim, durante muitos anos, os conflitos laborais foram o pão-nosso de cada dia na transportadora. Até que, durante alguns anos, a administração de Fernando Pinto conseguiu repor alguma paz social na empresa. As coisas mudaram, entretanto.

Há alguns dias, o Correio da Manhã dizia que o presidente do conselho de administração da TAP recebeu mais de 816 mil euros em 2008. O salário passou, de 2006 para 2008, para o dobro do estipulado pelo estatuto remuneratório. Foram pagos prémios em atraso, disse a TAP.

Hoje, os sindicatos do sector vieram denunciar, em comunicado, a compra de 42 novos automóveis para directores da TAP. Uma compra que ocorreu alguns dias depois da administração da companhia aérea ter informado que não estão reunidas as condições para fazer revisões salariais.

A TAP diz que foram compradas 30 viaturas, que vieram substituir automóveis que já tinham muitos anos”. A substituição foi feita com “ganhos para a empresa”.

Claro que aqui a bota não bate com a perdigota. Se não há meios para aumentar vencimentos, pelo menos até ao último trimestre, também não deveria haver mudanças na frota. O bom senso assim recomenda.

A TAP encerrou o primeiro semestre do ano com prejuízos de 72,4 milhões de euros. Convém lembrar que são os impostos de todos nós que pagam a TAP.

Comments

  1. Luis Moreira says:

    Pois é… e este gestor merece o que ganha porque antes dele era um fartar vilanagem. Mas não deixas de ter razão.

Deixar uma resposta