DESABAFO AO FIM DA TARDE

Nesta barbárie, em que os verdadeiros terroristas são impostos aos olhos mais ou menos cegos, como agentes da paz, neste mundo em que a escroqueria do poder pôs a humanidade a comer excrementos com sabor a caviar, eu tento aquecer o pensamento com o abraço frio do nascer do sol.
Sempre tive um especial fascínio pela linha do horizonte, não tanto pela luz como pela sombra que a antecede e me dá aquela diária esperança de que a luz virá, um dia, até nós.
Com meia dúzia de pincéis e um cesto de palavras vou à procura da sombra, mas a sombra está sempre, desgraçadamente, para lá da sombra, a sombra sobra sempre onde tudo falta quando não há luz. A humanidade foi reduzida a um buraco sem janelas e eu não sei viver assim, sem a fresca luz da linha do horizonte.

                         (adão cruz)

(adão cruz)

Comments

  1. Luis Moreira says:

    Caro Adão, comungo de muito do seu desencanto mas há que porfiar. Há milhões de pessoas a viverem bem, o que pode ser preverso. Não estão interessadas em mudar porque têm muito a perder. Mas por outro lado é bom saber que há milhões a viver bem.O grande problema é não haver iguais oportunidades para todos, ricos e pobres haverá sempre. Oxalá que ser pobre não seja sinal de miséria, aí é que não há saída.Os seus quadros são uma maravilha. Compõem-os à medida que escreve?

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.