Ali em Cuba, bem no Alentejo

cuba-estação de comboios...cuba-2009
Fui a Cuba, à nossa Cuba ali bem no Alentejo e, como palavra puxa palavra,…. em bom português posso dizer que há todo um Portugal onde é bem visível o embargo à criação de projectos que originem emprego, desenvolvimento, riqueza, …. enfim … tudo jogos de interesses ao mais alto nível.
Nesta altura do campeonato, o Alentejo deveria ser uma das regiões mais prósperas e povoadas do país e afinal… só por lá estão os que ainda não morreram.

Maria Monteiro

Comments

  1. Belina Moura says:

    Ah, o meu Alentejo! Se há lugar neste país onde eu vivi em paz, foi no Alentejo…Em Grândola, 2 anos, em Vila Nova de Milfontes, um ano, em Montemor-O.-Novo outro ano… Mas a minha paixão foi Grândola, nunca hei-de esquecer.O povo alentejano, considero eu, é o mais parecido com o portuense: humildes e orgulhosos ao mesmo tempo!

  2. Belina Moura says:

    Em Odemira, uma vez, estava eu com o meu marido (agora ex), a comer caracóis no meio dos agricultores alentejanos, em pausa após a sesta, e ouço-os dizer: Ai vem o Bernard! E eu a pensar que ia chegar um belga ou holandês, e que os alentejanos iriam começar a falar inglês como ele… mas não, que ideia a minha! O Bernard chegou e sentou-se na mesa deles, na tasca deles, no mundo deles, e falou português! E foi se quis! Aprendeu num instante, porque o alentejano não mexe uma palha para se entender com estrangeiros. Se eles querem viver naquelas terras, têm de aprender a língua que os nossos falam! Os alentejanos não têm nada a ver com os algarvios que se “vendem” aos turistas por tuta-e-meia! E o Bernard já era um deles. Pois se comprou um monte alentejano!Ah, grande Alentejo!