Ando mesmo preocupado

Inacreditável! A Sociedade Ponto Verde, para evitar falência, vai abandonar a reciclagem de um dos tipos de plástico. E mais grave ainda, deixa no ar, que “na crise que vivemos não há sectores protegidos e alerta para “a gravidade da situação financeira da Sociedade Ponto Verde“. Neste caso específico, e por falta de fundos, a reciclagem de plásticos mistos será interrompida, e todos os resíduos deste tipo irão para aterros ou para incineração. Os efeitos desta acção já são bastante conhecidos e são nefastos. Os ministérios do Ambiente e da Economia vão-se encontrar com responsáveis da SPV para resolver este problema. É e mesmo um problema. É o problema da economia a interferir directamente e prejudicar o equilíbrio ecológico, e por consequência a todos. É o problema duma questão económica se sobrepor a uma questão de saúde pública. Sinceramente, espero que esta decisão seja anulada e que os responsáveis governamentais usem da mesma força com que têm presenteado o país e apoiem financeiramente esta iniciativa da SPV. Mas fico preocupado porque existe também a possibilidade de esta decisão se manter e o plástico não ser reciclado. Tudo porque “está já garantida a meta de reciclagem dos plásticos“. Tudo se resume a números. Apenas e só a números. Isto é mesmo estar a olhar para o saco de plástico do supermercado como o anti-Cristo ecológico e não olhar para tudo o que lá vai dentro. E é tudo de plástico. Numa autêntica “sociedade de plástico” como esta em que vivemos, interromper a reciclagem por questões financeiras deixa-me mesmo preocupado.

Comments

  1. Belina Moura says:

    Essa questão também me deixa muito preocupada. Então eles não se lembram das décadas que o plástico demora a ser absorvido pela Terra, quando não é reciclado????? É que é de bradar aos céus!


  2. Preocupante, efectivamente..até pode ser. Mas mais preocupante é quantidade de gente para a qual a palavra reciclagem não representa nada, pois antes de reciclar é preciso comer.

  3. isac says:

    toda a razão. mas uma coisa não invalida a outra. até influencia. para tornar os “plásticos” biodegradáveis é bom que se saiba que contêm uma grande percentagem de polímeros feitos com base em amidos de milho. basicamente, para não ter que se reciclar está-se a cultivar milho para fazer embalagens que se podem deitar fora! isto é verdade e basta procurar na net.

  4. maria monteiro says:

    logo agora que as crianças aprederam a reciclar vem a SPV e estraga tudo…

  5. Belina Moura says:

    Ainda me lembro do tempo em que havia muito poucos papelões, plasticões e vidrões (ou até só haviam vidrões) porque – diziam – o número de habitantes que reciclava não era elevado e não compensava a quantidade de gastos necessários…Sempre os números e as quantidades com mais força do que tudo!

  6. isac says:

    eu também me lembro desse tempo. a diferença é que nessa altura não existia a quantidade de embalagens que existe hoje em dia. Há uma paranóia qualquer para que tudo esteja embalado. Eu peço um palito num restaurante e… vem 1 palito embalado. tudo bem embalado e é quase sempre em plástico. Ainda estou para perceber como isto aconteceu. Ainda há pouco tempo notei que no supermercado que havia fruta embalada isoladamente em película aderente! Qual é a paranóia aqui?

  7. Belina Moura says:

    Deve ser a paranóia da gripe A. Anda tudo louco de medo de a apanhar, vê-se nos Centros de Saúde, nos hospitais, anda tudo de máscara na boca, mesmo quando nem estão doentes, só com o medo da gripe A.Até faz impressão!Poupem-me!

  8. isac says:

    Isso não é nada. um amigo meu foi aqui em gaia a um centro de saúde porque pensava que tinha gripe A (afinal era só uma laringite) e a mulher que o atendeu no centro quando ouviu a palavra “Gripe” desatou aos berros e fugiu a correr do guichet. Mandou-o ir a outro centro de saúde e não lhe deu uma máscara porque disse que estavam esgotadas. Verdade, verdadinha! É a paranóia total neste país!

  9. Belina Moura says:

    ahahahahahE é isso que acontece! Anda tudo com a paranóia!

Deixar uma resposta