A máquina do tempo: O fenómeno explosivo dos blogues

 

Segundo informação que colhi na Wikipédia, em 2007 foi rastreada a existência de mais de 112 milhões de blogues. Dois anos depois este número deve ter sido em muito ultrapassado. Caracterizados como uma fonte dinâmica de informação e de entretenimento, são um fenómeno típico dos últimos anos. Para além desta função de informar, de entreter, de permitir o contacto com outras pessoas, já aqui, noutra das minhas crónicas, salientei o carácter catártico deste meio.

 

 Através dele, dizem-se coisas que doutro modo ficariam sepultadas e, quem sabe, a remoer dúvidas e a adensar angústias dentro das cabeças dos bloggers. Com eles faz-se uma catarse que alivia tensões e evita dispendiosas idas ao psicanalista. Provavelmente, ao aliviar essas tensões, os blogues já terão salvo vidas, evitado suicídios (pensando melhor e lendo alguns comentários, talvez tenham provocado outros suicídios, digo eu com o meu feitio pessimista). Porque é preciso alguma contenção e cuidado com as pulsões que se libertam em posts e comentários. Algumas, transformam-se em rottweilers à solta e sem açaimo…

 

A propósito desta nova maneira de comunicar, Clara Ferreira Alves escreveu, estas linhas no Diário Digital, aqui já citadas pelo Arrebenta: “A blogosfera é um saco de gatos que mistura o óptimo com o rasca e acabou por tornar-se um prolongamento do magistério da opinião nos jornais. Num qualquer blogger existe e vegeta um colunista ambicioso ou desempregado ou um mero espírito ocioso e rancoroso. Dantes, a pior desta gente praticava o onanismo literário e escrevia maus versos para a gaveta, agora publicam-se as ejaculações. Mas, sem querer estar aqui a analisar a blogosfera e as suas implicações, nem a evidente vantagem dessa existência e da qualidade e liberdade que revela por vezes, destituindo do seu posto informativo os jornais e televisões aprisionados em formatos e vícios, o resíduo principal de tudo isto é que os jornais mudaram, e muito, e mudaram muito rapidamente. Parafraseando Pessoa na hora da morte, We know not what tomorrow will bring.

 

Reconhece-se alguma razão ao que Clara Ferreira Alves diz – os blogues transformaram-se em receptáculos de prosas absolutamente impensáveis – a iliteracia, a ignorância, o facciosismo desbragado (político, futebolístico e não só), tudo é acolhido nos blogues com o mesmo estatuto que peças interessantes e culturalmente válidas. Qualquer anormal se sente no direito de dar vazão aos sentimentos mais primários, à obscenidade sem limites, à mais ordinária incontinência verbal.

 

Tudo cabe nos blogues. Na blogosfera, liberdade é igual a impunidade. Nestas condições, de facto, separar o óptimo do rasca, não é fácil (mesmo dentro de um texto, seja ele da Clara Ferreira Alves ou do Arrebenta). Embora esse seja um problema que não afecta somente os colaboradores dos blogues, reconhece-se que neste meio ele assume uma maior acuidade.

 

Há diversos tipos de bloggers – serão muitos os tais colunistas desempregados – e aproveito para perguntar à Clara que usa o termo num estranho sentido pejorativo – É crime estar desempregado? Quantos jornalistas ou colunistas desempregados não são mais dignos do que aqueles que mantêm os empregos à custa de sabujice, de amigos bem colocados junto das administrações, de favores sexuais, de se apostar nas teses mais convenientes, de se manter o silêncio sobre temas importantes, e fazer berraria por irrelevâncias  e por aí fora – esses «colunistas desempregados» escrevem muita vez com um sentido de responsabilidade que nem todos os colaboradores dos jornais demonstram. Porque, sobretudo no jornalismo, estar empregado, nem sempre é um mérito. Fechar parêntesis.

 

Há também os bloggers ignorantes, estúpidos e analfabetos que aproveitam a blogosfera para vomitar insultos e obscenidades que, ditas em qualquer recinto público, dariam direito a prisão imediata. A questão é – não podemos exterminá-los – como impedi-los de aparecer com os seus comentários piratas? A blogosfera é livre e isso é bom enquanto todos os bloggers se comportarem de forma civilizada. Oxalá a irresponsabilidade de imbecis, que só com muito boa vontade podem ser considerados gente, não obrigue a criar regras sem as quais até agora se tem vivido perfeitamente.

 

O blogger não tem de respeitar as ideias dos outros (as ideias fizeram-se para ser desrespeitadas, debatidas, rebatidas e, se necessário, abatidas); mas deve respeitar sempre quem expende essas ideias com que não concorda. A isto se de deve resumir o código deontológico de quem colabora em blogues. É lícito desrespeitar ideias com que se não concorda, por mais sagradas que sejam para outros. Todavia, tem de se respeitar os outros, mesmo que sejam os defensores de ideias que nos parecem absurdas.

 

 É tão simples, não é?

 

 

Comments


  1. Maravilha. Essa dos empregados na CS, por fazerem fretes, é de primeira.E é verdade!

  2. isac says:

    à internet e aos blogues especificamente está destinado o mesmo que à televisão com o telelixo. o que não quer dizer que, tanto num caso como noutro, a sua validade e utilidade não se mantenha. tal como na televisão, no meio de tanto lixo, há sempre pérolas de grande valor. o importante é saber procurar e mais importante ainda é saber escolher.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.