Não gosto destas coisas, mas lá tem que ser…

Em primeiro lugar, não nomeio porque, simplesmente, não quero nomear. O que se deve discutir, pelo menos a este nível, são ideias e não pessoas. Aliás, sempre me fez uma enorme confusão esta perspectiva umbilical dos “Bloggers”. No entanto, não me é impossível reconhecer que esta vontade de exposição pessoal ajuda a conferir à “blogosfera” o seu carácter único. Mas, e há sempre um mas, o problema é que este tipo de discussões, demasiadamente pessoalizadas, levam a exageros (aquela da lealdade é completamente despropositada, desajustada e excessivamente paternalista para o meu gosto).

Quanto às ideias, repito que:

1.- Uma boa ideia é sempre de louvar. O facto de ser populista, o que ainda está por demonstrar, não lhe retira qualquer mérito, até porque não reconheço no populismo essa vertente diabólica. Não vem qualquer mal ao mundo por se conseguir um bom resultado (ouvir mais as pessoas) através de um meio pouco rebuscado e de fácil aceitação pelo público. Mais, existem reais possibilidades de redução da despesa do Estado em situações cujos contornos não são do conhecimento público e que precisam de ser divulgadas e apontadas.

2.- As pessoas que, através do mencionado site, apresentam as suas sugestões, merecem o respeito de toda a gente. É indiferente que as suas opiniões sejam ou não determinadas pela raiva ou por desforço. Por dinâmica de grupo ou de massas (como uma turba)  não é certamente porque se trata de um acto individual e realizado, maioritariamente, de forma desacompanhada. Já agora, acrescente-se que a raiva e o desforço são, muitas vezes, os fundamentos do voto eleitoral e aí ninguém se lembra de vir criticar os resultados por tal razão.

3.- Se o partido em causa, PSD, em outras situações não seguiu os mesmos princípios, elogie-se o progresso. Mas não é fácil, nem correcto,  acusar este novo PSD de ser culpado por algo que ocorreu muito antes da sua entrada em cena. Quanto muito, aplauda-se a alteração que, evidentemente, é para melhor.

Obrigado.

Comments

  1. Burgês Descompensado says:

    Pensamento desnecessário, desperdiçado, despejado… assim, pifiamente castigado em pequenas masturbações umbilicais, conventuais, blogais.

  2. graça dias says:

    caro dr ainda verificou o gosto desta gente populista

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.