Académica-Porto, dramas existenciais à beira do paradoxo

À 7ª jornada a Académica tem um complicado drama existencial: se ganha, arrisca-se a perder o treinador. E não me parece que ficar com o Vítor Pereira em troca seja boa ideia. O FCP tem outro: se ganha arrisca-se a continuar com o mesmo treinador, o que se demonstra jogo após jogo ser uma péssima ideia.

Isto não me facilita nada a vida, que sou da Académica desde pequenino e do Porto depois de grandinho, e pese embora normalmente duas vezes por ano a força do primeiro amor, hoje, está decidido, nem o relato ouço, lá perde a minha RUC dos mais facciosos e brilhantes relatos da rádio portuguesa* um ouvinte.

* e onde não é habito escutar-se aquele pleonasmo tantas vezes repetido de “Académica de Coimbra”. Entre outras coisas, em Viseu há, ou houve, um Académico, o que não é bem a mesma coisa.

Comments

  1. pedro says:

    Tenho pena

    azares temos todos
    quase sempre desde pequeninos
    é a má sorte

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.