Sermão de António aos pseudo-governantes

Talvez Deus perdoe a Agostinho Caridade ter-se feito passar por padre, talvez até o seja aos Seus olhos benignos, porque, em última análise, é dEle que desce o sacerdócio. Veja-se como do nome ao apelido o arguido dos homens tinha já tudo para ser um homem de Deus, como tudo nela pressagiava já a natureza levítica. Note-se como era belo o seu verbo, característica eventualmente transmitida por via sanguínea, já que o progenitor havia estudado para padre. Mas, enfim, se o próprio Messias sofreu às mãos dos homens, é justo que Agostinho se dirija, agora, ao calvário.

Pergunto-me, entretanto, se um homem que parece um padre e fala como um padre e é condenado por, afinal, não o ser, o que deveria acontecer a alguém que fala como um governante e que parece um governante e, todavia, desgoverna? Qual deveria ser o destino de quem, subindo ao púlpito da governação, gastou dinheiro alheio, tal como fez Agostinho Caridade? O que deveria acontecer a quem prometeu que não aumentaria impostos, comprando, assim, votos, para em seguida faltar ao prometido, uma vez investido de poder?

Dir-me-ão que se chega ao governo graças à escolha do povo, mas em lado nenhum está escrito que o voto popular é prova de honestidade passada ou garantia de seriedade futura, como já defendeu o Presidente da República ou como deseja Alberto João Jardim. Pergunto-vos, então, irmãos: vale mais um verdadeiro sermão de um falso padre ou a  palavra ignóbil de um governante verdadeiro? Em verdade vos digo que são insondáveis os caminhos da justiça humana. Amém.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.