A Prevaricadora Maria de Lurdes Rodrigues


Ao contrário do Pedro, não tenho qualquer problema em comentar casos que estão a decorrer nos Tribunais.
Neste caso concreto, a verdade é que Maria de Lurdes Rodrigues foi constituída arguida há alguns meses pela sua actuação enquanto Ministra da Educação e agora vai mesmo ser julgada por Prevaricação.
O caso deu muito que falar à época e é de fácil explicação. Em 2005, Maria de Lurdes Rodrigues, através de um Ajuste Directo, assinou com João Pedroso, irmão do deputado do PS Paulo Pedroso, um contrato pelo qual o Minsitério pagou quase 300 mil euros. O objecto do contrato era a compilação e sistematização das leis relativas à Educação. Dado que esse contrato não foi cumprido, o Ministério celebrou um segundo contrato com João Pedroso, também milionário, para que pudesse terminar o trabalho. Voltou a não cumprir e desta vez o Ministério exigiu-lhe a devolução de metade do valor pago. Afinal, o trabalho milionário não passa de um conjunto de fotocópias de Diários da República, armazenadas em caixotões de uma cave da 5 de Outubro e nunca utilizadas.
O facto de Maria de Lurdes Rodrigues ter reconhecido, em 2009, que João Pedroso foi uma surpresa lamentável, só poderá servir como agravante e nunca como atenuante. Porque não é só a péssima qualidade do trabalho que está em causa mas sim a sua utilidade. Tudo o que João Pedroso fez já constava das Bases de Dados do Ministério da Educação, daí ser totalmente necessário.
E por saber disso, Maria de Lurdes Rodrigues agiu conscientemente e de má-fé de forma a «prejudicar o Erário Público e a beneficar patrimonialmente João Pedroso», seu amigo pessoal e camarada do PS, já que as adjudicações «não tinham qualquer fundamento». As palavras não são minhas, mas do Ministério Público.
Quem via em Maria de Lurdes Rodrigues um exemplo de seriedade e de verticalidade, só porque quis afrontar os professores, tem aqui uma boa demonstração da peça. Verticalidade? Usou-a, sim, mas para entregar mais depressa o dinheiro aos amigos. Seriedade? Não se perde o que nunca se teve.
Se a Justiça funcionasse em Portugal, Maria de Lurdes Rodrigues recolheria a uns quaisquer calabouços em breve e aí ficaria nos próximos 8 anos. Como sabemos que não funciona, embora o facto de ser obrigada a sentar-se na barra do Tribunal seja um bom indício, já estou a ver a sentença futura: Condenada a prisão com pena suspensa.
Oxalá me engane.

Comments


  1. Que seja então a primeira de muitas a serem condenadas!

  2. Observador says:

    Na primeira vez não cumpriu. Na segunda também não. Então!…a que se deve o pagamento de 50% do contrato?

    Todos para a choça, já! talvez aí, tenham tempo de reflectir o mal que fizeram ao povo.


  3. É por estas e por outras que a dívida deve ser auditada… Tudo «isto» cointribuiu para o défice orçamental, ano após ano… E como dizia um gestor norte-americano – desculpem lá o Inglês «beware of small expenses; small holes sink big ships».
    Ou então como diria o povo e com razão, «grão a grão enchem os credores o papo… »

  4. Pelintra says:

    Haviam era de investigar acerca do homem que aparece na fotografia com ela! Um tal de João Alvarenga, director do “Colégio Didálvi”

Trackbacks


  1. […] com as suas medidas. Mas nunca fui tão insultado e humilhado, directamente, como no tempo da Prevaricadora Maria de Lurdes Rodrigues. Estou completamente à vontade para escrever isto, até porque tenho batido em Pedro Passos […]


  2. […] Portuguesa, pareceu-me um exame acessível, embora, comparando com a vergonha que era nos tempos da Prevaricadora Maria de Lurdes Rodrigues, quase se pudesse classificar como sendo de dificuldade média. Definitivamente, atendendo ao […]


  3. […] em 2008, no dia em que a Fenprof assinou o Memorando da Traição com a Ministra da Educação, a prevaricadora Maria de Lurdes Rodrigues. Estava disposto a dar uma segunda oportunidade aos sindicatos, mas […]


  4. […] deixei de ser sindicalizado no dia em que os sindicatos assinaram o Memorando de Entendimento com a Prevaricadora Maria de Lurdes Rodrigues. É que, como dizia um dos professores presentes, para já ainda não coseguimos […]


  5. […] deixei de ser sindicalizado no dia em que os sindicatos assinaram o Memorando de Entendimento com a Prevaricadora Maria de Lurdes Rodrigues. É que, como dizia um dos professores presentes, para já ainda não coseguimos […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.