A grande família socialista

José António Vieira da Silva, ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, é casado com Sónia Fertuzinhos, deputada do PS, e pai de Mariana Vieira da Silva, recentemente nomeada ministra por António Costa.

Ana Paula Vitorino, ministra do Mar, é casada com o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita.

Carlos César, líder parlamentar da bancada socialista, tem a mulher, o filho, a nora e o irmão em cargos de nomeação política.

Qualquer semelhança com uma monarquia, ou com um regime onde o nepotismo impera, é mera coincidência.

Uma brisa de ética

Paulino Ascenção é um dos sete deputados eleitos pelos círculos eleitorais da Madeira e dos Açores que, de acordo com a investigação do Expresso, são reembolsados por viagens que não pagam.

Pelo PS, estão envolvidos o líder da bancada socialista, Carlos César e os deputados Lara Martinho, João Azevedo Castro, Luís Vilhena e Carlos Pereira, enquanto pelo PSD o parlamentar Paulo Neves. [TVI24]

O deputado do BE deu o exemplo e só tenho a agradecer por ainda haver quem não assobie para o lado perante um escândalo. Só falta os senhores do PS e do PSD saírem pela porta da frente perante a falta de ética com que, por vezes, enchem o seu discurso.

Se é familiar de Carlos César, vai ser nomeado

Os amantes da Geringonça bem podem continuar a bradar contra Pedro Passos Coelho e a sua desastrosa governação. Têm toda a razão. Mas quando assobiam para o lado sempre que o assunto é o PS, perdem toda a credibilidade. Passam a ser apenas uma espécie de Insurgente ou de Observador em versão pseudo-Esquerda.
Ontem ficou a saber-se que Carlos César conseguiu a nomeação de mais um familiar para a Câmara de Lisboa. Já vai no quinto e outros mais se seguirão. Enquanto tiver familiares para nomear, ele não vai parar.
Dirão os geringonços que o PSD e o CDS andaram anos a fazer o mesmo. É verdade, andaram. Fizeram coisas destas e ainda piores. Mas por que é que agora fingem que não é nada com eles quando no passado não largavam o osso? Alguma coisa mudou?
Sim, mudou o nome do Partido.
A única coisa que não muda é Carlos César, que continua sem ter qualquer pingo de vergonha.

– Luísa César: Mulher de Carlos César, foi nomeada Coordenadora dos Palácios da Presidência ainda quando o marido liderava o Arquipélago. Mais tarde, foi nomeada, sem concurso público, Coordenadora da estrutura de missão para a criação da Casa da Autonomia, com um vencimento de 2.591 euros brutos mensais. Antes ainda da nomeação para estes cargos, liderou uma visita oficial ao Canadá, como cônjuge do Presidente do Governo Regional, onde gastou mais de 27 mil euros em 5 dias e onde se fez deslocar, durante esse tempo, numa limousine contratada localmente; [Read more…]

Política: Cá se fazem

Uma candidatura a Presidente em cima de uma candidatura a Primeiro-Ministro. Ora, são os dois iguais, mas há um mais igual que outro.

Um governo do PS

com o apoio da esquerda é SEMPRE melhor que um da direita com o apoio do PS. Subscrevo, as palavras de Carlos César.

Paulo Portas e a fome de poder

Portas

Paulo Portas acusou hoje Carlos César de ter “fome de poder” devido à insistência do socialista na demora de Pedro Passos Coelho em apresentar o novo governo e respectivo programa de governo. Eu não sei se Carlos César tem ou não “fome de poder“, é possível que tenha. Mas tenho sérias dúvidas que a sua “fome de poderresulte em perdas de 2,3 mil milhões de euros na bolsa de valores e na subida dos juros da dívida para a casa dos 8%. Independentemente das palermices que se digam em tempo de campanha. Haja bazófia!

Foto: Tiago Miranda@Expresso

Quo vadis, Caesar?

carlos cesar
Carlos César deixou que lhe subissem à cabeça as expectativas que se vão gerando em torno da sua figura. E, num inesperado brinde à direita, promete nada menos que ressarcir todos – todos! – os que investiram em papel do GES. Diz ele:“Penso que esse mesmo Estado que os estimulou, é o Estado que nesta fase deve garantir o ressarcimento de todos esses cidadãos e de todas essas empresas”.
Ora, que eu saiba, não foi o “Estado”, mas o BES, com o apoio publicitário de alguns governantes importantes, sim, mas irresponsáveis, quem o fez, ao serviço dos seus patronos. E César nem finge discriminar as vítimas incautas ou, pelo menos, analisar situações determinadas. Todos, e na íntegra. “Esse ressarcimento deve procurar ser um ressarcimento na íntegra das aplicações que eles fizeram. Mesmo que não o possa fazer numa única tranche ou numa única ocasião, o Estado deve assumir as suas responsabilidades neste domínio, porque não pode ser inocentado face à forma como estimulou a aplicação dessas poupanças”. Quer dizer, incluindo – ou sobretudo? – a malta da jogatana, os próprios culpados pela situação. Repare-se que não estamos a falar na garantia dos depósitos, mas das aplicações, sejam elas quais forem.
Não faltam queixas pela ausência de propostas por parte de António Costa. Nervoso, Carlos César chega-se à frente e, à falta de propostas, faz, sem análise de situação, sem fundamentos e limites objectivos, promessas redondas à moda antiga; a pagar pelos do costume. E, como de costume, lucros privados, prejuízos públicos. Carlos César cai assim bem no meio da teia que a direita tem para o seu partido: insistir com o eleitorado que, com o PS, regressará a despesa sem controlo. O promitente César tem, segundo muitas e excelentes pessoas, margem de manobra para voos mais altos, quiçá até Belém. Mas vai mostrando que não tem asas para tanto.

A memória é f*lixada

«Carlos César acusa Cavaco Silva de ser o Presidente “mais partidário” desde o 25 de Abril». E no entanto, «Jorge Sampaio vai dissolver [dissolveu] Assembleia da República». Enfim, cada qual tem a coerência que escolhe.