Ai, se o PPC e o Gaspar descobrem esta fonte de rendimentos…

abutres2

A história é simples e resume-se em poucas palavras. É um novo passatempo que está a fazer furor em Taiwan, mais concretamente, na cidade de Taichung. Quando um idoso está com cancro em estado terminal, aceitam-se apostas que tentam acertar em que momento a pessoa morrerá. Os apostadores são, muitas vezes, familiares e até médicos! Trata-se de uma nova moda de apostas por aqueles lados e consta que já abriram mais de 10 casas de jogo à custa desta actividade. Quem são os grandes impulsionadores da expansão deste nicho de mercado? Clubes de idosos (tipo casa de repouso, estão a ver?) disfarçados de instituições de solidariedade, que assim lucram e muito (vejam os números referidos em ambas as notícias) à custa de idosos doentes, provenientes sobretudo de famílias empobrecidas.

Tá chunga apostar assim na morte de outros…

Taiwan e China Imperiais

A globalização, brutal e desregulada, vem causando às economias ocidentais graves crises económico-sociais. A Europa, continente pioneiro na criação e manutenção do Estado Social, é das regiões mais afectadas. Taiwan e China, e o estatuto imperial adquirido, constituem-se como adversários imbatíveis; sobretudo se mantida a conivência de organismos como a OMC e a OIT – atente-se, a propósito, no artigo publicado há dias pela insuspeita The Economist.

De facto, enfrentando a concorrência de países sem princípios e regras sociais, ou seja, de economias onde prevalece o chamado “dumping” social, é difícil, para não dizer impossível, aos governos europeus manter políticas de maior equidade na distribuição de rendimentos e manutenção de empregos e serviços de interesse público; em particular serviços das áreas da Justiça, da Educação e da Saúde; todos sob ameaça de desmantelamento, pelo menos parcial. Por exemplo, a subsistência do nosso SNS e da fonte inspiradora, o NHS do Reino Unido, está posta em causa. As medidas do actual governo e as intenções do candidato à alternância governativa em Portugal, assim como os propósitos anunciados pelo recém-eleito PM do Reino Unido, David Cameron, não suscitam dúvidas quanto ao esperado desfecho.

Ainda por cima, não é incomum ouvir declarações do género: “O Estado tem de retirar-se do papel de prestador, mesmo na Saúde e na Educação, limitando-se, isso sim, a exercer funções de regulação”. Quero crer que muitos dos defensores desta ideia o fazem porque acreditam nela. Eu estou entre os cépticos e questiono: “O que pode fazer isoladamente um Estado, ainda para mais reduzido de poderes como nosso, para através da regulação nacional controlar os efeitos económico-sociais adversos e enormes de um mundo globalizado e desregulado?”. E respondo: “Muito pouco” – para não dizer “Nada!”. [Read more…]