O que eu penso deste Governo: do primeiro-ministro, dos 15 ministros e ainda do senhor que deambula pelo Ministério da Cultura (II)

«Ministro» da Cultura, José António Pinto Ribeiro – Quem? Hesitei em colocar aqui este nome e em classificá-lo, segundo as leis da física, como vácuo, vazio ou nada. O vácuo é um espaço não preenchido por qualquer matéria, mas pode conter campos e energia, que pode dar origem a partículas. O vazio é um espaço em que não há matéria, campos ou radiação. Mas ainda assim, contém o espaço no qual se pode vir a criar algo. O nada nada contém. É um não-lugar, porque nem sequer contém um espaço vazio onde se possa criar algo. Nada é nada. E o «Ministro» da Cultura, que só foi nomeado porque o confundiram com António José Pinto Ribeiro, esse sim ligado às questões da cultura, é nada. A sua antecessora, ao menos, sempre se ia entretendo a fazer umas guerrinhas à cidade do Porto em vésperas de eleições autárquicas. José António Pinto Ribeiro não devia, pois, estar aqui a ocupar espaço, senão seria vácuo ou vazio. E ele vácuo ou vazio não é. É nada. Mas se até o Seinfeld fez um programa sobre nada, eu também posso escrever sobre nada.
E era só.