Alegre consequente

Afinal, ao contrário de algumas opiniões (como a do nosso r), Manuel Alegre decidiu ser consequente e partir. Não partir do PS, coisa que já tinha afirmado há mais de uma semana que não faria, mas deixar de ser candidato pelo partido nas eleições legislativas.

É o que dizem os jornalistas que se encontram a acompanhar a reunião de Alegre com os elementos que fazem parte do núcleo duro do seu movimento. Ansiosos, os jornalistas contam-nos tudo ao minuto, como uma grande família desbocada à espera do momento do nascimento do rebento.

Não percebi esta ansiedade, admito. Mas percebo Alegre. Um percurso político como o dele merecia esta resposta. O seu afastamento do PS de Sócrates tinha criado um fosso de tal dimensão que seria ridículo aceitar participar de novo nas listas para as legislativas debaixo de um projecto político que não era o seu.

Comments


  1. Se for assim, fico contente por me ter enganado. Vamos ver.

  2. Luis Moreira says:

    E tirar a pedra do sapato a Sócrates e ficar com as mãos livres para ganhar indepedência face ao PS e concorrer à Presidência da República!


  3. Ora nem mais. Ganha espaço para uma candidatura que surge como quase certa. É só dar tempo.

Deixar uma resposta