O alívio do BPN

vitor_constancio

A tarde de hoje permitiu-me um suspiro de alívio. Preocupado que ando com as contas da economia nacional, saiu-me um peso das costas. Não todo o peso, mas algum. Nos tempos que passam, já não é mau.

O Governador do Banco de Portugal fez as contas e informou-nos, via Assembleia da República, que “as fraudes no BPN são inferiores a mil milhões de euros, uma verba bastante afastada dos 2550 milhões de euros dos empréstimos que a CGD fez ao BPN”.

Bastou esta frase para ganhar o dia e atirar-me, com um sorriso de orelha a orelha, para o sofá, de braços abertos e a exclamar um potente “Ufa!”. Estou mais descansado. Confesso que ignorava esta boa nova.

Afinal as fraudes não são assim tão graves. Devem rondar apenas uns mil milhões de euros. Assim sendo nem percebo tanto espalhafato. Para quê comissões de inquérito, investigações financeiras, nacionalização de um banco, detenção de um ex-presidente da administração? Como diria William Shakespeare, tanto barulho para nada.

Confesso que nesta audição parlamentar nem tudo foram boas notícias. Quanto Vítor Constâncio garantiu que o valorzito insignificante em causa vai parar a um “banco mau”, tremi. Já não bastava ter o BPN, o BPP e outros, de que não conhecemos a real situação, e ainda vamos ter um banco mau, com activos tóxicos.

Comments

  1. Luis Moreira says:

    Calma, se calhar estás a descansar antes do tempo, é que se os activos do banco não valerem o que está registado (o mais certo) aquele valor salta cá para cima.Cuidado que estes senhores têm sempre alguma coisa na manga. O melhor mesmo é não dares cabo da cabeça.


  2. Caro Luís, como dizia Victor Hugo, “é pela ironia que começa a liberdade”.

  3. carlos graça says:

    Ena!!! Que excelente notícia! Vou já cortar nos anti-depressivos….

Deixar uma resposta