Dos surdos

O mais recente romance do hilariante David Lodge, "A Vida em Surdina", tem como personagem principal um surdo. Não se tratando a sua de uma surdez absoluta, é suficientemente incapacitante para dificultar qualquer tipo de relacionamento com outros seres humanos. Lodge descreve com a minúcia e graça habituais as dificuldades com que se depara um surdo nos nossos dias, e destaca a estranha comicidade que tendemos a encontrar na surdez (e basta pensar no pitoresco das inúmeras personagens surdas de que a ficção se tem valido), em contraponto com a cegueira, que é sempre trágica. Não imaginamos, diz Lodge a certo passo, Édipo, acabado de escutar a terrível verdade sobre Jocasta pela boca do oráculo, a furar os tímpanos. Um Édipo surdo não produziria o mesmo horror que esse cego de olhos brancos, abandonando Tebas para o exílio. Mas afinal, o que há de jocoso na surdez? Já estiveram na casa de um ancião surdo? Eu estive recentemente e não pude deixar de sentir que a surdez traz já a morte em pequenas doses. O telefone adaptado pisca quando toca, mas basta que se esteja a olhar para outro lado para perder todas as chamadas. De resto, as conversas telefónicas estabelecem-se num volume tão elevado que os interlocutores, incomodados com a gritaria, começam a ligar de forma cada vez mais espaçada. Grande parte das conversas perde-se em fragmentos ininteligíveis e lentamente o surdo começa a desistir de entender. Ensimesmado, despede-se pouco a pouco das relações mundanas, do alvoroço das discussões, da música e do riso. E na algaraviada em que se transformaram as nossas vidas, não estaremos todos nós a ensurdecer? Com quantas pessoas nos cruzamos no dia-a-dia com quem não conseguimos estabelecer nenhuma espécie de diálogo, porque tudo acaba por se resumir a uma sobreposição de dois monólogos? Dizia Shakespeare que a vida é um conto cheio “de som e de fúria” e talvez tudo o resto seja o grande silêncio que reverbera em cada um…

Comments

  1. Luis Moreira says:

    Carla, em relação aos “moucos” nós temos uma aproximação menos dramática do que em relação aos cegos, aos mudos etc mas a verdade é que a sua análise é bem perspiscaz.

  2. dalby says:

    Douglas Coupland Jpod já a comprar jáaaaaaaaaaaaaaaa…da Teorema 2o euros

  3. maria monteiro says:

    «Devo viver como um exilado. Se me acerco de um grupo, sinto-me preso de uma pungente angústia, pelo receio que descubram meu triste estado. E assim vivi este meio ano em que passei no campo. Mas que humilhação quando ao meu lado alguém percebia o som longínquo de uma flauta e eu nada ouvia! Ou escutava o canto de um pastor e eu nada escutava! Esses incidentes levaram-me quase ao desespero e pouco faltou para que, por minhas próprias mãos, eu pusesse fim à minha existência. Só a arte me amparou!» (Beethoven, Testamento de Heilingenstadt – 6 Outubro 1802) Carla, o "A" já me mandou comprar o jPod…. até já aprendi que qualquer número par pode ser obtido adicionando dois números primos….

  4. Carla Romualdo says:

    Maria, o Testamento de Heilingenstadt é também citado neste livro do Lodge. Por que é que não compra também "A vida em surdina"? 😉 Dalby, eu sei que este comentário pode despertar um dilúvio, mas tenho de confessar: eu não gosto do Coupland

  5. maria monteiro says:

    Carla, pois vou anotar aqui na minha lista

  6. Carla Romualdo says:

    melhor ainda, assim que o acabar (já não falta muito), tenho todo o gosto em emprestar-lhe o meu exemplar

  7. maria monteiro says:

    Carla, eu sou de Lisboa. É também destas bandas?

  8. Carla Romualdo says:

    não, sou do Porto, mas não é nada que não se possa combinar (correio, alguma alma caridosa que queira fazer de pombo-correio, etc…)

  9. maria monteiro says:

    então quando acabar de ler depois combinamos…


  10. SERÁ QUE EU OUV I BEM???????????????????????????????????? SERÁ QUE EU OUVI ALGUÉM DIZER QU ENÃO GOSTAVA DE…DE…..de…. D O UUUUUUUUUUUUU G LASSSSSSSSSSSSSSSSS COUPLAND???????????????????? SERÁ QUE EU OUVI BEMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMM????????????????????????????????????????????????????????

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.