O melhor amigo da mulher…

…é o Photoshop. Tenho noção que poucas pessoas conhecem o Photoshop. Menos ainda as que sabem utilizar o programa. No entanto, ele “anda” por aí. Pelo que conheço, posso garantir que mais 90% das imagens impressas em publicações, passam pelo Photoshop. Como conhecedor e utilizador regular, vejo com um profundo sentido de “deformação profissional” tudo o que é impresso. E fico sempre na dúvida: isto será verdadeiro? Eu bem sei a quantidade de postes, fios de electricidade e gruas que “retirei” de fotografias, apenas porque eram ruído visual. Perdi a conta ao número de manipulações que tive de executar, desde colorações, apagar objectos indesejados e “colar” elementos novos para tornar aquela imagem, numa imagem melhor. Atenção! O Photoshop não é uma arma terrorista! Mas se for preciso, consigo “sentar” o Bin Laden ao meu lado numa bela fotografia tirada em Madagáscar em 1936. O limite é praticamente a minha imaginação. Já o programa em si, desde há anos que o venho confirmando, não tem mesmo limites. Não conheço ninguém que o domine totalmente e acredito que nem sequer os seus brilhantes programadores o conheçam totalmente, tal é a sua complexidade e variedade de ferramentas. E nesta altura, eu pergunto-me quanto tempo continuarei a ter capacidade de reaprendizagem para trabalhar com ele. Se a minha imaginação não terá limites, já a minha capacidade de aprendizagem terá certamente…
Tenho de lidar com coisas tão estranhas como layers, masks, saturation, image size, resample, cmyk, profiles, sharpens, blurs, histogram, clipping masks, hue, crop, etc, etc, etc… e isto apenas no Photoshop. Ainda faltam o Freehand, o Illustrator, o Acrobat, o Quark, o InDesign e o Corel Draw, já para não falar numa parafernália de programas complementares. Tanta tralha!
Como é que terei algum tempo para, como alguns homens, desfolhar a FHM, a Playboy e afins e apreciar aquelas esbeltas mulheres, quando estou tão ocupado a manter-me actualizado informaticamente? Pior ainda! Como é que poderei apreciar aquelas belas imagens de belas mulheres quando sei que provavelmente foram manipuladas, muito provavelmente por um outro geek como eu, alterando aqui e acolá, tapando aquele mamilo destemido que salta fora do soutien, ou retirando aquelas gordurinhas extra?
Como exemplo, apresento aqui algumas imagens. Tudo pode ser manipulado e na maior parte das vezes é mesmo manipulado. É muito mais fácil, retocar, alterar, cortar ou tirar um pouco de luz no Photoshop, do que estar a fazê-lo em set. Não se pode dizer: “Olhe, encolha um pouco mais a barriguinha!” ou “Não pode esconder essas rugas?”. Com o rubber stamp e o healing brush tira-se a barriguinha, a flacidez e a celulite e faz-se uma cura milagrosa anti-rugas mais rápida que a Corporacion Dermoestetica e nem sequer se abre a boca!

amigo1

amigo2

amigo3

Comments

  1. maria monteiro says:

    Isac, “O melhor amigo da mulher…” isso é ser mauzinho…vamos lá a corrigir com o PhotoshopTítulo do post: Passatempo “encontre as diferenças”

  2. isac says:

    ok. corrijo. o melhor amigo da mulher que aparece em revistas.

  3. maria monteiro says:

    infelizmente é +/- isso


  4. É uma realidade, essa falsidade permitida pelo fantástico Photoshop. Não há maquilhadora tão eficiente como a aplicação da Adobe. E é utilizada em tudo.


  5. […] alguém no estrangeiro andou a ler umas coisas aqui no Aventar sobre a manipulação de imagem. Vai daí, querem estabelecer regras sobre o uso de imagens […]

Trackbacks


  1. […] aprovada, é esta a frase que vai aparecer junto das imagens retocadas digitalmente.Provavelmente, alguém no estrangeiro andou a ler umas coisas aqui no Aventar sobre a manipulação de imagem. Vai daí, querem estabelecer regras sobre o uso de imagens […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.