Vamos invadir

Aqui há tempos um derby dos mais pequenos acabou à paulada e da da grande.
Agora vem a decisão e um dos maus fica com a taça.
Moral da história: se quiseres ser campeão invade o campo.

Nota de roda-foot: sou sócio do SLB

Músicas que não me canso de ouvir…

A propósito…

O Milagre segundo S. Rogério

Antes de ter assistido ao milagre do sol:

Sejamos claros, abomino a política do PS para a Justiça e acho que José Sócrates é o principal responsável pelo descalabro (…). Entraram a matar, e de forma demagógica, com a questão das férias judiciais. O processo executivo continua uma lástima e as sentenças continuam a servir para emoldurar e colar na parede. A “nova lei do divórcio” é uma história da carochinha – um belo escape para encontros de contas conjugais com o único fito de fugir aos credores (…). O novo Código dos Contratos Públicos é um labirinto normativo, com rasgos de iliteracia, sem ponta por onde se lhe pegue. O sucessivo adiamento da entrada em vigor de novas leis (o regulamento das custas judiciais é um bom exemplo) é uma vergonha em qualquer Estado que se quer de Direito (…). Trabalho com três Códigos de Processo Civil ao mesmo tempo. Estive há dias numa conferência onde a oradora principal começou a prelecção com a frase: “até ontem à noite isto era assim, não cuidei de confirmar pela manhã”. Chega para ilustrar a diarreia legislativa. Em suma, tenho razões de sobra para abominar, sequer pensar, em votar PS nas legislativas que se aproximam – sendo a alternativa a que é, resta-me ir à praia nesse dia. Ou então votar PS, que do mal o menos (eu e o centrão, que não somos poucos).

Rogério da Costa Pereira, 11 de Abril de 2009

milagre-do-sol

Depois do milagre:

Em suma, este Governo mexeu mais na justiça, que ninguém elogiava, em quatro anos do que os anteriores Governos desde o fim da ditadura. Mexeu muito e onde era preciso mexer muito. Aqui e ali bem, acolá mal. Há que continuar a dar-lhe tempo para emendar o que fez mal.

Rogério da Costa Pereira versão SIMplex

Oh! mãe, não quero estar no BPP

Assim não quero, eu nasci para ganhar uma fortuna ao fim do mês, ter um gabinete catita, carro de última gama e motorista. Na CGD evidentemente, ali ninguem nos chateia, porra !Em primeiro aquilo é tão grande que ninguem nos conhece, dinheiro é tanto que não sabemos o que lhe fazer, se há negócios mais puxados é só dizer que sim com a cabeça ao Ministro!

Então e agora põe-me a trabalhar no BPP? Os accionistas e os grandes clientes não levantam problemas. Afinal, vamos dizer o quê, que a massa que não se sabe de onde veio desapareceu numa off-shore? Isto levanta problemas que nem pensar, o melhor mesmo é o governo pagar e andou a marinha, que ninguem nota nada. A seguir depois de intenso labor, e com estudos pagos a peso de ouro às empresas assessoras e consultoras que nunca viram nada, vem o governo e diz que não há dinheiro ! Mas se não há dinheiro estou a fazer aqui o quê ?

E pior, é que há aqui gajos que meteram cá o dinheiro de uma vida, todo, não têm mais, contavam com isto para viver. Como é que eu vou dizer a estes gajos que o dinheiro deles ganho com o suor do rosto desapareceu?

Começo a desconfiar que o governo e esse ministro ( aqui para nós o pior da UE) me meteu aqui para eu servir de biombo. Os gajos não se vão calar. Já estão aí à porta, com cartazes e alguns deles estão mesmo zangados. Como é, faço teletrabalho a partir de casa? Entro e saio disfarçado de mulher a dias?

E o cabrão do ministro ( o pior da UE) vem agora dizer que além de não haver dinheiro eu tenho de arranjar uma solução! Mas qual solução se não há dinheiro? Que não posso dizer que ando cansado ( é pá, e ando mesmo, já não vou ao Holmes Place há tres dias) que isso é a minha função! Mas não é ele o ministro ( o gajo é mesmo mau ) e o Sócrates não meteu milhões no BCP e no BPN ? Mas essas funções são para os amigos, para mim sobram estes gajos ali à porta, de gabardine inchada, mão no bolso!

Já pus os vogais a dizerem em surdina que isto vai dar uma guerra civil, que um dia o gajo da gabardine saca da caçadeira e mata o primeiro que lhe aparecer.

Vou enviar mais um estudo para o ministro ( o gajo nem os lê) e se a resposta for a mesma, que não há dinheiro, vou-lhe dizer alto e bom som.

Vai ao TOTTA!

Texto recebido

PANDEMIA DE LUCRO

Que interesses económicos se movem por detrás da gripe porcina???

No mundo, a cada ano morrem milhões de pessoas vitimas da Malária que se
podia prevenir com um simples mosquiteiro.

Os noticiários, disto nada falam!

No mundo, por ano morrem 2 milhões de crianças com diarreia que se poderia
evitar com um simples soro que custa 25 centimos.

Os noticiários disto nada falam!

Sarampo, pneumonia e enfermidades curáveis com vacinas baratas, provocam a
morte de 10 milhões de pessoas a cada ano.

Os noticiários disto nada falam!

Mas há cerca de 10 anos, quando apareceu a famosa gripe das aves…

…os noticiários mundiais inundaram-se de noticias…

Uma epidemia, a mais perigosa de todas…Uma Pandemia!

Só se falava da terrífica enfermidade das aves.

Não obstante, a gripe das aves apenas causou a morte de 250 pessoas, em 10
anos…25 mortos por ano.

A gripe comum, mata por ano meio milhão de pessoas no mundo. Meio milhão
contra 25.

Um momento, um momento. Então, porque se armou tanto escândalo com a gripe
das aves?

Porque atrás desses frangos havia um “galo”, um galo de crista grande.

A farmacêutica transnacional Roche com o seu famoso Tamiflú vendeu milhões
de doses aos países asiáticos.

Ainda que o Tamiflú seja de duvidosa eficácia, o governo britânico comprou
14 milhões de doses para prevenir a sua população.

Com a gripe das aves, a Roche e a Relenza, as duas maiores empresas
farmacêuticas que vendem os antivirais, obtiveram milhões de dólares de
lucro.

-Antes com os frangos e agora com os porcos.

-Sim, agora começou a psicose da gripe porcina. E todos os noticiários do
mundo só falam disso…

-Já não se fala da crise económica nem dos torturados em Guantánamo…

-Só a gripe porcina, a gripe dos porcos…

-E eu pergunto-me: se atrás dos frangos havia um “galo”… ¿ atrás dos
porcos… não haverá um “grande porco”?

A empresa norte-americana Gilead Sciences tem a patente do Tamiflú. O
principal accionista desta empresa é nada menos que um personagem sinistro,
Donald Rumsfeld, secretario da defesa de George Bush, artífice da guerra
contra Iraque…

Os accionistas das farmacêuticas Roche e Relenza estão esfregando as mãos,
estão felizes pelas suas vendas novamente milionárias com o duvidoso
Tamiflú.

A verdadeira pandemia é de lucro, os enormes lucros destes mercenários da
saúde.

Não nego as necessárias medidas de precaução que estão a ser tomadas pelos
países.

Mas se a gripe porcina é uma pandemia tão terrível como anunciam os meios
de comunicação.

Se a Organização Mundial de Saúde se preocupa tanto com esta enfermidade,
porque não a declara como um problema de saúde pública mundial e autoriza o
fabrico de medicamentos genéricos para combatê-la?

Prescindir das patentes da Roche e Relenza e distribuir medicamentos
genéricos gratuitos a todos os países, especialmente os pobres. Essa seria
a melhor solução.

PASSEM ESTA MENSAGEM POR TODOS LADOS, COMO SE TRATASSE DE UMA VACINA, PARA
QUE TODOS CONHEÇAM A REALIDADE DESTA “PANDEMIA”.

Virgindade em leilão

Conta-nos o Diário de Notícias na edição de hoje que Evelyn, uma equatoriana de 28 anos a residir em Espanha, está a leiloar a sua virgindade pela internet e que a quantia que venha a obter se destinará a suportar os custos dos cuidados de saúde de que a sua mãe precisa e os estudos de Medicina que Evelyn pretende efectuar. Conta ela que a última proposta recebida foi de 2,3 milhões de euros, mas que a recusou porque o proponente, não contente com essa noite inaugural, pretendia continuar a vê-la, condição que Evelyn não aceita. Da mesma forma que não aceitará carícias ou beijos, e que exigirá o uso de preservativo, pagamento adiantado, um certificado médico que garanta que o comprador está livre de doenças, e a presença de um acompanhante, supõe-se que numa sala de espera e não no quarto. Chegar virgem aos 28 anos já pode ser considerado invulgar, não tanto seguramente como leiloar a virgindade na internet, embora essa relação possa vir a inverter-se em breve, já que, ao que parece, um leilão desta natureza não é inédito. A notícia é contada, como seria de esperar, centrando a história nela, quais as suas motivações, será de facto uma filha extremosa, disposta a sacrificar-se pela sua mãe, ou uma prostituta (porque, como sabem, as mulheres tendem a cair numa destas duas características:a virgem/mãe de família e a puta) que encontrou um esquema publicitário prometedor. Mas eu fico a pensar neles. Quem são estes homens dispostos a pagar uma soma tão avultada para passar uma noite com uma mulher a quem não poderão beijar ou sequer acariciar e com quem não poderão estabelecer uma relação futura que vá além da prestação do serviço adquirido? Desejarão publicidade ou pedirão anonimato? O que os excita: a virgindade ou o desespero? Suponho que não será o espírito filantrópico a movê-los porque esse levá-los-ia a entregar o dinheiro à moça sem o sacrifício da sua bem guardada virgindade. Quanto a Evelyn, diz que “agora só quer que tudo acabe rápido”.

“Agravamento da promiscuidade entre a política e o mundo empresarial”? Nãaaaaa

O governo de José Sócrates prepara-se para cessar funções sem conseguir melhorar o desempenho em relação aos anteriores Executivos, de acordo com a avaliação que será hoje divulgada pelo "Compromisso Portugal" (CP), que culpabiliza a maior intervenção do Governo pelo agravamento da promiscuidade entre a política e o mundo empresarial.

O Compromisso Portugal, vá lá saber-se porquê, assinala a existência de um “agravamento da promiscuidade entre a política e o mundo empresarial”. O que o movimento nos diz é que essa promiscuidade já existia, existiu sempre, mas nos últimos anos foi crescendo.

Eles devem saber do que falam. O Compromisso Portugal, que costuma aparecer em alturas estratégicas, como eleições, é constituído por uma enormidade de gente ligada, muito ligada, às empresas. As empresas do tal mundo empresarial. Daquele que estará em acentuada e crescente promiscuidade com a política e o Governo.

Há qualquer coisa de estranho nisto, não há?

O equilibrio do terror à portuguesa

Cinco arguidos no caso Freeport, cinco arguidos no caso BPN.

Isto está a melhorar a olhos vistos. Agora temos aí o caso “contentores de Alcântara” há muito conhecido como um indecente favor feito a amigos. Que se prolongue um contrato por vinte e sete anos sem concurso público e que, no caso de não se atingir o nível de actividade esperada, é o Estado a pagar, só lembraria ao governo PS.

Vou dizer aqui ao merceeiro do bairro que reinvindique esta clausula revolucionária. Não lhe compram os melões que esperava? E os tomates ? Não tem ? Então não culpe ninguem porque a clausula é prática corrente e é só pedir.

Mas na Vasco da Gama tambem é assim. Se não houver carros suficientes o Estado cá está. Para pagar. Palpita-me que é por isso que se fazem lá corridas de madrugada com uns aceleras, sempre contam para o tráfego.

E na ponte da Lezíria ? Como não passam lá carros não seria boa ideia aproveitar aquilo para as escolas de condução? Desimpediam o trânsito na cidade.

Agora atrás da linha que se puxa, vem o IPE e o seu universo de empresas. Se escavarem vai ser bonito.

Não há nada como quando as comadres se zangam, vem aí a verdade, ou pelo menos parte dela. Se “amandas” uma bojarda já sabes, levas com uma de volta, só que cá no burgo, o que “amandamos” são escândalos de favorecimento, negócios sujos e enriquecimento rápido e sem razões que se vejam.

Entretanto apareceu, novamente, o caso CTT  o que é “meio caminhao andado” para contrabalançar o caso do aterro da Cova da Beira.

Bem fazem o PCP e o BE em não quererem entrar no combate. O PS e o PSD vão deixar o campo cheio de despojos, depois é só fazer a limpeza. Quem não pia é o Portas, convencido que vai passar por entre os pingos de sangue. Deve ser por andar de submarino.

Isto é tudo muito triste mas a gente diverte-se à brava.

Mau sinal – Simplex de encomenda

Há rapazes empreendedores que deitam mão à obra e não se perdem em discussões inúteis. Temos aí um exemplo que vale por todos, tal é a transparência dos propósitos e a clareza dos objectivos.

É preciso dizer coisas que de tal forma escandalosas não atinam com o registo do blogue onde escrevem? Nada de preocupações. Cria-se um com o registo adequado.

E não são de modas, o PS nunca esteve no poder, nunca teve maioria absoluta, não tem nada a ver com os problemas do país, rigorosamente nada! Tem a ver, sim, com as profundas reformas levadas a efeito, nas Educação, na Saúde, na Justiça, nas Finanças Públicas e quem não percebe isto tem que ser ajudado, porque não recebeu a luz do Senhor.

Só por razões de burocracia é que se vai a eleições, porque o Simplex resolvia isto de uma penada. A Sócrates o que é de Sócrates. Não há alternativas, nem cenários diferentes, é tudo para perder tempo.

Deixem o Homem salvar-nos, tirar-nos do inferno em que nos meteram, esses ignaros que estiveram dois anos e meio no governo e conseguiram estragar o que o PS construiu em onze anos. Desde 1995 que lutamos para colocar o país nos eixos mas não somos capazes, perdão, somos capazes mas precisamos de mais tempo, porque isto está muito dificil e até nos atiraram com questões pessoais do nosso Primeiro que não tem nada a ver com a “coisa pública”, tudo obstáculos, que ultrapassamos com uma perna às costas.

Por isso, quem não quer ver não veja, mas é obrigação do Simplex, simplificar, e deixamos tudo simplificado desde o ínicio. Estamos aqui por amor à Pátria, nada nos liga ao largo do Rato ou e a Sócrates! Nada!

Simplexamente, estamos no Simplex porque sim! E não coramos de vergonha porque já somos rosa…pálido!

E tambem ninguem nos pode culpar de nos ter calhado este país e este povo. Tambem é culpa nossa?

Ainda em Fátima, agora a 15 de Outubro de 1917

Milagre do Sol, Fátima. 13/10/1917

Milagre do Sol, Fátima. 13/10/1917

As visões continuam. Agora em versão colectiva e alargada a assessores, avençados, etc. É o SIMplex.

“(…) E, a seguir, perguntam uns aos outros se viram e o que viram. O maior numero confessa que viu a tremura, o bailado do sol; outros, porém, declaram ter visto o rosto risonho do proprio Sócrates, juram que o sol girou sobre si mesmo como uma roda de fogo de artificio, que ele baixou quasi a ponto de queimar a terra com os seus raios… Ha quem diga que o viu mudar sucessivamente de côr…

Avelino de Almeida
“O Século”,15 Out. 1917
, colado a partir da fontenova

Um Hotel Califórnia para todos vós

À margem da polémica sobre Pedro Abrunhosa…

Admito que algumas das suas músicas podem rondar o ‘foleiro’. Enfim, não se pode ser bom o tempo todo. Não interessa, só por uma canção, uma única canção, os Eagles merecem entrar no restrito círculo do deuses da música.

“Hotel Califónia” é um hino. A tudo. Àquilo que se quiser. O mistério que rodeia a canção não precisa de ser explicado. Nunca o será. Os autores não abrem a boca sobre o assunto e fazem eles muito bem. Aliás, eventualmente eles próprios não terão qualquer resposta.

Os Eagles estreiam-se hoje, quarta, em palcos portugueses, no palco do Pavilhão Atlântico, pelas 21h00, para um concerto que será um regresso a algumas das mais emblemáticas canções das últimas quatro décadas.

eagles2

O espectáculo terá cerca de três horas de duração. Este será o último concerto da digressão do grupo e coincide ainda com a celebração do 62º aniversário de Don Henley, o carismático baterista e fundador do grupo.

Os Eagles trazem uma formação de peso, a saber, os fundadores Glenn Frey, 60 anos, (voz, guitarra, teclas, harmónica) e Don Henley (voz, bateria, guitarra), a que se juntam Joe Walsh, 61 anos (guitarras, teclas, voz), que está no grupo desde 1975, e Timothy B. Schmit, de 61 anos (viola-baixo, guitarra acústica, voz), que entrou para a banda em 1977.

Em não vou lá estar mas gostaria. Para ouvir todas as músicas, mas sobretudo “Hotel Califórnia”, uma daquelas que levaria para uma ilha deserta.