Bobby Robson não me deixa saudades

O Fernando Moreira de Sá fez o elogio fúnebre do antigo treinador inglês do FC do Porto, Bobby Robson.
Lamento não partilhar dessa tristeza e, em relação ao agradecimento de todos os portistas, podes excluir-me pelo menos a mim.
Como treinador, nunca passou da mediania. Nunca ganhou nada de realmente importante. Como seleccionador inglês, foi um longo fiasco de 8 anos.
Como treinador do FC do Porto, retenho sobretudo a perseguição que moveu ao Domingos, o melhor jogador do plantel, durante uma época inteira. E retenho ainda mais a forma como, depois de o FC do Porto lhe ter dado a mão no pós-despedimento do Sporting e no cancro que o atormentou, moveu um processo em tribunal ao clube, mesmo sabendo que tinha sido libertado sem custos para ir treinar o Barcelona. Alegou depois que não tinha percebido os termos do acordo.
Dele, retenho ainda que, em quatro anos de Portugal, não se dignou a aprender uma única palavra portuguesa. Dir-me-ão que os ingleses não têm jeito para línguas. Depois de ter vivido este ano com um rapaz inglês que cá estava ao abrigo do Comenius, e que em meia dúzia de meses aprendeu a falar um português perfeito, esse argumento não me convence.
Bicampeão nacional? Até o Carlos Alberto Silva o foi…
Nunca tive jeito para elogios fúnebres. Respeito os mortos, mas as verdades são para se dizer.

P. S. – A propósito, morreu nos últimos dias alguém que também não me deixa saudades: Rui Cartaxana, um dos mais encarniçados anti-portistas que conheci. Que alcance agora a paz que não conseguiu ter nos últimos 30 anos de vitórias do FC do Porto.

Comments


  1. Este “PS” É FABULOSO, EHEHEHEHEHE

  2. Luis Moreira says:

    O R como administrador tem que ser neutro não pode estar sempre a favor do Fernando, que não deixa escapar uma .Parece o Lizandro na área…

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.