UGT – Os programas eleitorais. Como? Repitam, please…

Estamos a um mês e pouco das eleições. O PS e o Bloco publicitaram os respectivos programas. Sobre os outros ainda nada sabemos.
O avançar Portugal do PS tem 120 páginas e tudo se resumiu aos trocos para os putos que vierem a nascer.
O do BE – A política Socialista para Portugal – tem menos 10 e nada se ouviu de substantivo, o que de algum modo vem confirmar a forma como a comunicação social tem vindo a silenciar o Bloco.
Dos outros, nada: o PSD tem as linhas gerais, o PCP vai nascer no dia 11 e o CDS ainda nos está a pedir a palavra.
Mas, o que tem feito a abertura dos telejornais, além das pernas do Ronaldo ou da boca da Manuela Moura Guedes, tem sido a opção que cada partido tem feito no que aos candidatos diz respeito. Ideias, zero. Tachos, muitos!
No caso do PS duas ou três notas interessantes – por um lado o folhetim do Alegre, tipo agarrem-me, que eu vou-me a eles, para um tão amigos que nós somos até ao fui enganado, eu e os meus amigos, estamos fora. Depois a história da Joana. Esta foi uma história de Dias – num não, não sei quem é, nunca ouvi falar dela. Sim, mas, não foi bem um convite. Não, não foi um convite – foi um talvez.
Estranho que o PS se tenha interessado pela Joana – não percebo o que poderia trazer de novo à bancada do PS – eles já lá têm loiras, ou não?
Agora no PSD também se deu grande destaque à ausência do Passos Coelho – parece que alguém lhe trocou as voltas. Pergunto: o que ficaria tal personagem a fazer no parlamento? Isso, o que sempre tem feito: nada! Obviamente, a questão é saber se o PSD de Ferreira Leite deve ou não ter lugar para o Pedro Coelho? Eu, por acaso, acho que ele não cabe num Partido Social Democrata. Mas, devo ser eu que estou a ver mal…

E chegamos ao que se resume o nosso país partidário: os tachos para o grupo unitário PS/PSD, algo do tipo UGT – União Geral dos tachos.

Comments


  1. “a comunicação social tem vindo a silenciar o Bloco”? Consta, há muito, João Paulo que o BE é o partido com “melhor imprensa” em Portugal. E é capaz de ser verdade.


  2. O BE teve, sim concordo, uma enorme vida na comunicação social. Hoje, parece-me, que não o será tanto. Obviamente, o PC tem ainda mais razão de queixa – “não há dia” em que o PC não organize qualquer coisa neste país, mas na CS, às vezes passam-se semanas sem novidades.Ao contrário, o CDS, pelo que vale eleitoralmente, tem espaço de sobra…

Deixar uma resposta