Santarém, Capital do Gótico (XIII)

(primeira parte e explicação do «bodo aos pobres» aqui)

NOTA: As minhas desculpas aos nossos leitores, e em especial ao nosso leitor Balby, grande apreciador desta coluna, pela não publicação deste «post» ontem, mas a actualidade política «falou» mais alto.


Santarém, Capital do Gótico

Resultando da evolução da arte românica, a arte gótica foi essencialmente uma arte de cidade, que permitiu uma posterior evolução para a arte Renascentista. Iniciada na Europa do século XIII, contribuiu para uma nova forma de ver o mundo, para uma nova relação entre o divino e o humano.
Partindo de uma arquitectura renovadora que fora iniciada pela ordem de Cister como contraponto à de Cluny, a arte gótica elegeu como figura de proa o arquitecto. Um sábio, um estudioso da geometria, muito mais do que o simples artesão de formas simples dos tempos do românico.
Toda a arquitectura gótica acabou por representar uma oposição total em relação à arquitectura românica. Se esta se caracterizava pela espessura das paredes, pela quase ausência de janelas ou aberturas para o exterior, pela escuridão e sobriedade, a arte gótica destacou-se pela claridade e abundância de grandes vãos.
Para conseguir aliviar o peso das estruturas, bastou ao arquitecto gótico rasgar um grande número de janelas para o exterior e utilizar a abóbada de cruzaria de ogivas como forma de aliviar o peso que dantes tinham de suportar. Ao mesmo tempo que os edifícios se tornavam mais altos, a fachada era enriquecida com grandes janelas e rosáceas de pedras decoradas, que exponenciavam a iluminação do interior.
Ou seja, apesar de ter partido da tradição românica, o arquitecto gótico soube transformar completamente os principais elementos construtivos e a relação entre esses mesmos elementos. «O reconhecimento social do arquitecto, do «magister operis», talvez por causa dos conhecimentos que se lhes exigiam para realizar essas construções, aumentou de tal maneira que alguns deles eram conhecidos por «doctor lathomorum», título reservado aos mestres universitários, e outros foram chamados «architector et mirificus aedificator»». (História da Arte)
Na arquitectura religiosa, o gótico veio valorizar determinadas zonas do edifício, como os portais. O alargamento das portas permitiu a profusão de arquivoltas e de pequenas figuras esculpidas. Em relação às diferenças regionais, a arte gótica tinha um carácter um pouco arbitrário, pois estava condicionada por particularismos diversos, ou seja, em cada zona da Europa acabou por absorver as influências locais. Alguns autores dizem mesmo que, na Península Ibérica, não há dois monumentos góticos iguais.
No caso de Santarém, foi um gótico primário e funcional aquele que foi aplicado às construções religiosas, sobretudo no século XIII. Era ainda um gótico de expressão mendicante, dado que os seus principais promotores eram precisamente essas ordens. Nos séculos XIV e XV, a renovação dos ideais religiosos e o patrocínio régio foram responsáveis pela evolução do gótico, embora as influências dos arquitectos e dos mestres do mosteiro da Batalha tenham sido decisivas.

Património medieval: O românico e o gótico

A igreja de Santo Agostinho da Graça, do antigo convento dos Agostinhos de Santarém, no largo Pedro Álvares Cabral, é monumento nacional desde 16 de Junho de 1910. É o último grande monumento gótico de Santarém, mas ao mesmo tempo o mais representativo. Uma «obra-prima da corrente gótica nacional», no dizer de Mário Tavares Chicó. Foi construída a partir de 1380 por iniciativa dos Agostinhos de Lisboa, que se tinham fixado na cidade quatro anos antes, e sob o patrocínio de João Afonso Telo, conde de Ourém. Devido à morte do fundador, a dificuldades económicas e a outras causas, as obras foram concluídas apenas no segundo quartel do século XV, facto que provocou uma conjugação de estilos diferentes e soluções arquitectónicas diversas.
É por esse facto que, apesar de a sua construção ter começado antes do mosteiro da Batalha, muitos dos seus elementos são influenciados pelo monumento da vila «em que mais pátria há», nomeadamente os elementos de tradição inglesa.
Do gótico mendicante, é a cabeceira tripartida, o transepto e as naves. Do gótico flamejante, o mesmo que foi aplicado na Batalha, é a fachada principal, com o seu portal cenográfico, e a grande rosácea que o sobrepuja, de fino lavor. O próprio túmulo do fundador da igreja e da sua esposa é muito semelhante ao de D. João I e D. Filipa de Lencastre em Santa Maria da Vitória. Aliás, terão sido os próprios mestres da Batalha a trabalhar nesta igreja de Santarém.
Em 1531, D. Mécia Mendes de Aguiar, mulher do navegador Gonçalo Gil Barbosa, mandou edificar a capela do Senhor Jesus dos Passos. Em finais do mesmo século, foi construído um novo claustro, sob a direcção do arquitecto António Dias.
Depois da extinção das ordens religiosas, o espaço funcionou como o lar de Santo António, sofrendo profundas obras de restauro a partir da década de 40 do século XX.
A sua planta obedece às regras de simplicidade das construções mendicantes. A fachada principal é em três panos definidos por contrafortes. Pórtico de cinco arquivoltas em arco quebrado, com as suas colunas e capitéis de motivos vegetalistas. Em cima, a rosácea, que segundo Jorge Custódio talvez seja uma das mais originais do gótico europeu. Ainda na frontaria, dois brasões da família de Ourém.
Interior constituído por três naves de cinco tramos cada, sendo que a nave central é mais alta do que as outras. Separam as naves seis colunas de pilares cruciformes, ornadas até aos capitéis. O transepto é de dimensões próximas às da nave central. A cobertura é em madeira nas naves e transepto e em abóbada de cruzaria de ogivas na cabeceira, onde se encontram três capelas poligonais. A capela-mor é de maior dimensão e volumetria.
Panteão dos Meneses, esta igreja conserva importantes mausoléus, que enriquecem a tumulária artística de Santarém. É o caso do fundador e sua mulher, Guiomar de Vilalobos, é também o caso de D. Pedro de Meneses e D. Beatriz Coutinho. Salientam-se ainda os de D. Leonor de Meneses; D. Afonso de Vasconcelos e Meneses, conde de Penela; D. João, filho de D. Pedro I; D. Luís de Meneses; Pero Rodrigues Portocarrero; os Sás; e muitos outros nobres de igual importância.
Na antiga capela de S. João Evangelista, no absidíolo direito, encontra-se o túmulo em campa rasa de Pedro Álvares Cabral, o descobridor do Brasil, e sua mulher, D. Isabel de Castro. É uma laje rectangular simples, gravada com uma inscrição em caracteres góticos: «Aqui jaz Pedralvarez Cabral e dona Isabel de Castro dua mulher cuja é esta capela é de todos seus herdeiros a qual depois da morte de seu marido foi camareira mor da infanta Dona Maria filha del-rei Dõ Juan Nosso Sñor o Terceiro deste nome».
Anexo à igreja, o claustro e os vestígios do antigo convento da Graça. Depois da extinção das ordens religiosas, o espaço foi abandonado e acabou por ser comprado em 1847 por Silvério Alves Cunha, que ali fundou o Lar Distrital de Santarém, instituição de assistência a idosos. A partir de 1992, ali funciona também um instituto politécnico, numa adaptação feita com o maior cuidado e que mereceu, inclusivamente, o prémio «Santarém – Cidade a Defender».
O claustro e os vestígios existentes datam dos finais do século XVI e das duas centúrias que se seguiram. Composto por cinco arcadas em cantaria de cada lado, de abóbadas artesoadas, trata-se de um conjunto quadrangular, que ter-se-á iniciado em finais de Quinhentos, embora as obras se tenham prolongado pelo tempo fora. As po
rt
as que davam acesso ao claustro, por exemplo, são maneiristas.
A igreja de Santo Estevão, ou do Santíssimo Milagre, é monumento nacional desde 1917. Encontra-se no largo do Milagre, na freguesia de Marvila, e deve o seu nome «alternativo» ao milagre da hóstia que, roubada do templo no ano de 1266, começou a sangrar no bolso da mulher que a roubara e, depois de escondida, iluminou toda a casa.
É o mais primoroso templo gótico de Santarém. Da primitiva igreja, provavelmente sagrada em 1241, restam apenas dois arcos do transepto. O actual edifício foi construído em meados do século XVI, por causa do terramoto de 1531 e ainda porque as suas dimensões não comportavam todas as pessoas que acorriam a visitar o Santíssimo Milagre. Artistas e mestres formados em Tomar terão participado nestas obras. Da primeira metade do século XVIII, por sua vez, datam praticamente todos os trabalhos de talha, nitidamente barrocos, alguns dos quais desvirtuaram as características iniciais. Os retábulos desse período vieram substituir os anteriores, que deveriam ser em madeira.
A fachada da igreja é formada por três corpos delimitados por pilastras. As exteriores são rematadas por pequenas mísulas encimadas por pináculos. Porta principal encimada por frontão triangular, um friso separa-o da janela. Torre sineira, em pedra, adossada ao lado da Epístola e coroada também por pináculos.
O interior é extremamente equilibrado e harmonioso. A distribuição entre os diferentes espaços – corpo da igreja/transepto, nave central/naves laterais – assim o comprovam. Esta característica, bem como a leveza de todo o traço arquitectónico, é claramente renascentista.
De planta longitudinal, é composto por três naves de igual altura mas de comprimento diferente – a nave central é mais comprida. Separam as naves três colunas toscanas, ligadas por arcos simples de volta inteira. A capela-mor é quadrangular e antecedida por um pouco comum tramo perpendicular às naves, constando de três arcos redondos. Esta estrutura é decorada com pilares lavrados de grotescos e imagens representando S. Pedro e S. Paulo, assentes em mísulas e coroados por baldaquinos. Adossadas às pilastras centrais, pequenas cabeças de anjos e de demónios. Na base, representações em relevo dos quatro Evangelistas. As paredes apresentam silhares de azulejos de padrão azul e amarelo e de axadrezado azul e branco. Do espólio existente, destaquem-se várias tábuas quinhentistas tardias, as imagens estofadas e policromadas de Santo Estevão e de Santo Agostinho e a pia baptismal.
Também em Marvila, no largo Zeferino Sarmento, é a igreja de S. João de Alporão, monumento nacional desde 16 de Junho de 1910 e hoje transformada em museu. Nela coexistem soluções românicas e góticas, numa tão curiosa quão invulgar ligação e experimentalismo dos dois estilos. A elegância austera que a caracteriza é bem o resultado da conjugação daqueles estilos.
O românico está presente na estrutura maciça da nave, no portal principal com arquivoltas em arco de volta perfeita ou no carácter fortificado de todo o conjunto. Quanto ao gótico, com claras influências da ilha de França, revela-se na cabeceira, de planta poligonal e com amplas janelas ogivais, na cobertura original dos três tramos da nave, de abóbada nervurada de cruzaria de ogivas e sobretudo na galeria que se desenvolve para lá da capela-mor. A própria nave é um exemplo da conjugação dos dois estilos, seguindo um modelo de transição definido como a goticização de modelos românicos tardios.
Ao longo dos anos, fantasiou-se muito sobre a sua origem. Chegou a dizer-se que, da sua varanda principal, foi lido à população o édito de Octávio César Augusto «Ut Describertur Universus Orbis».
Foi fundada pela ordem de S. João do Hospital, que se instalou em Santarém entre 1159 e 1185. Datará desse período, que prolongaremos até ao primeiro quartel do século XIII, a sua construção. Em 1207, pelo menos o presbitério já estava concluído, pois serviu de sepultura a D. Afonso de Portugal, filho ilegítimo de D. Afonso Henriques e grão-mestre dos Hospitalários.
Nos séculos XIII e XIV, fazia parte do complexo monacal de S. João do Hospital. A sua localização, junto à porta do Alporão, tinha como principal finalidade proteger o acesso militar à cidade e controlar a entrada de judeus.
Depois de 1834, a igreja passou para a posse do Estado. Foi utilizada como teatro entre 1849 e 1876 e, a partir de 1877, recebeu obras de adaptação para a instalação de um museu, o que viria a acontecer em 1889.
É um templo de planta longitudinal, composta pela nave e cabeceira poligonal mais baixa, de volume paralelepipédico. A fachada principal é em empena triangular de pano único. O pórtico é formado por cinco arquivoltas de volta perfeita. Mais acima, uma grande rosácea de colunelos radiantes. A cabeceira da igreja é de forma poligonal e contrafortada. Interior de nave única de três tramos. A cobertura é em abóbada de cruzaria com arcos de volta perfeita.
Destaque-se, na parede lateral esquerda, o cenotáfio de D. Duarte de Meneses, fronteiro de Alcácer-Seguer falecido em 1464 na serra de Benacofur. Um túmulo onde se realça a estátua do guerreiro, em posição horizontal, segurando na mão direita a espada de combate. Os coruchéus, os baldaquinos e os fogaréus são notáveis trabalhos de pedra. Para Gustavo Matos Sequeira, foram os mestres canteiros da Batalha os seus autores, dadas as semelhanças com alguns dos túmulos do mosteiro de Nossa Senhora da Vitória.
Outros dos túmulos que merecem referência são os de Martim e João de Ocem, que estiveram anteriormente no convento de S. Domingos. Martim Ocem foi embaixador de Portugal em Castela na altura em que, em 1411, se assinou o tratado de paz entre os dois países. João de Ocem, sobrinho daquele, pertenceu ao conselho de D. Duarte e de D. Afonso V. São dois túmulos muito semelhantes, até porque entre a morte do primeiro (1431) e a morte do segundo (1442), mediaram apenas onze anos. A figuração dos sepultados, os peitáfios e as divisas seguem todos na mesma direcção artística.
Da época romana, ali se guardam uma ânfora, três sepulturas, uma estatueta de criança, um marco dedicado ao imperador Marco Aurélio e duas aras funerárias. Do período árabe, apenas dois capitéis.
Anexo à igreja, encontram-se os vestígios da crasta do antigo mosteiro hospitalário, no qual o templo se integrava. Nas traseiras da igreja, pode ver-se ainda a casa dos comendadores da ordem do Hospital, que conserva ainda restos de estruturas antigas, como portas chanfradas em tijoleira e velhas lojas ao nível do piso térreo.
A fonte das Figueiras, ou fonte Mourisca, é um exemplo da arquitectura civil gótica. Está classificada como monumento nacional desde 16 de Junho de 1910. Localiza-se na freguesia de Marvila, junto a uma calçada que liga a cidade ao vale da Atamarma. Terá sido construída nos últimos anos do reinado de D. Dinis, embora Jorge Custódio levante a hipótese de ter sido edificada ainda no reinado anterior, o de D. Afonso IV. Com um ou com outro, simboliza de qualquer das formas a protecção régia às obras municipais, daí a grande qualidade dos materiais utilizados e do mestre canteiro que executou a obra, provavelmente um tal de Ioannis. Deve ter pertencido ao convento de Santa Clara.
Inicialmente, foi construída só com os alpendres góticos, mas no século XIII foi-lhe acrescentada a coroa de merlões pontiagudos. De planta quadrangular, consta de uma estrutura em alpendre, ameada de merlões, com abóbada de cruzaria, que protege uma bica. Os capitéis são profusamente decorados com elementos vegetalistas, sendo um dos mais que mais chama a atenção o «capitel dos três florões». Note-se neste chafariz a grande variedade decorativa em apenas quatro metros quadrados.
«O turista que desce o vale de Mont’Irás ou que toma a estrada que conduz à ponte D. Luis encontra, escondida na vege

tação, a fonte das Figueiras que é uma das mais preciosas jóias que o estilo gótico deixou em Santarém. Fazendo parte das terras que pertenciam ao convento das Clarrissas, em local que a natureza fadou, quantos cantares de amor não se teriam entoado à sombra dessas musgosas pedras, quando os troveiros medievais dirigiam galanteios às donas dos seus encantos! Certo é que, durante séculos, esse curioso monumento esteve desprezado, não se lhe referindo mesmo qualquer dos cronistas do burgo.» (Joaquim Veríssimo Serrão)
A igreja do antigo convento de Santa Clara, na freguesia de Salvador, está classificada como monumento nacional por decreto de 14 de Março de 1917. É o maior templo gótico da cidade. A sua dimensão justifica-se pelos apoios que sempre aquela instituição monacal recebeu da parte da família real.
Uma construção que se integrou, no dizer de Jorge Custódio, «num movimento ascético de feição franciscana e clarissa em Portugal, o qual se organizou tendo como referência a Regra seráfica.» As freiras clarissas começaram por se fixar em Lamego em 1258, passando para Santarém em 1265, por autorização do papa Alexandre IV.
As obras decorreram entre 1259, ainda antes, como se vê, do estabelecimento das clarissas, e ter-se-ão prolongado, sempre com donativos régios, pelo menos até 1327. D. Afonso III, D. Dinis e a sua esposa, a Rainha Santa Isabel, apadrinharam sempre a edificação. Especialmente importante nesta situação foi D. Leonor Afonso, filha de D. Afonso III que foi freira neste convento. O seu túmulo, de influência coimbrã, segundo Reynaldo dos Santos, é muito semelhante ao de D. Dinis no mosteiro de Odivelas. Anterior na sua execução aos túmulos de Alcobaça, a sua autoria deve ser endereçada, muito provavelmente, a pedreiros santarenos.
Era um complexo monacal de grandes dimensões, um dos maiores do país, com capacidade para oitenta freiras. No período de maior esplendor, tinha dois claustros e inúmeras dependências. Ao longo dos anos, foi sofrendo profundas remodelações, em parte pelos acidentes que o atingiram, dos quais se destacam o terramoto de 1531 e os incêndios de 1668 e 1669. As obras então realizadas transformaram a fisionomia do edifício, que passou a assemelhar-se a um imóvel setecentista.
Encerrado em 1902, depois da morte da última freira, o convento e a igreja entraram em ruína até 1934, ano em que a Direcção-Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais iniciou a sua recuperação e o retorno à sua pureza original. Nessas obras de restauro, perdeu-se o retábulo quinhentista de Diogo de Contreiras (1554), o cadeiral do coro (1600), os azulejos, os elementos barrocos e o claustro quinhentista.
É um dos templos do ciclo mendicante da cidade. Muito semelhante à igreja do convento de S. Francisco, também em Santarém. A cabeceira composta por cinco capelas escalonadas, a feição geral das arcadas e dos suportes e a contemporaneidade das duas construções comprovam as similitudes entre os dois templos.
Templo de planta longitudinal, composta por nave, torre e cabeceira. Na fachada principal, ressalta de imediato a grande rosácea, sobrepujada pelas armas reais. Uma rosácea octogonal sobrepujada pelas armas reais que, coadjuvada pelas janelas maineladas rasgadas nas paredes, inunda o interior de uma luz homogénea. De colunelos radiantes, que seguram um centro de arcaria trilobada, é um elemento de grandes dimensões.
Outros elementos a registar no exterior são a torre sineira, semelhante a algumas igrejas italianas de finais do século XIV; e a fachada principal, sem pórtico, típica dos edifícios de clausura.
O interior é de três naves, iluminadas por janelas geminadas e pela já referida rosácea. As naves são extremamente compridas, de oito tramos cada, marcados por colunas muito altas revestidas de colunelos e capitéis lavrados. O comprimento é de cerca de oitenta metros, quase tantos como os da igreja do mosteiro da Batalha. As naves laterais são mais baixas, permitindo dessa forma clerestório. Naves e transepto de grande volumetria apresentam cobertura em madeira, a abside abóbada de nervuras, os absidíolos abóbada de nervura. A cabeceira tem cinco capelas. A capela-mor, encimada por abóbada gótica de nervuras cruzadas, é poligonal e as restantes, ladeadas por absidíolos, são rectangulares. Em nichos renascentistas, algumas pinturas a fresco de personalidades franciscanas.
A igreja e o claustro do extinto convento de S. Francisco, freguesia de Salvador, encontra-se na rua 31 de Janeiro. É monumento nacional desde 17 de Março de 1917. A construção do edifício monacal iniciou-se em 1242, no mesmo ano em que os franciscanos se instalaram em Santarém (Frei Manuel da Esperança). Quanto à igreja, de grandes dimensões, terá sido concluída em 1260 ou 1282, consoante as teorias chegadas até nós. É o mais antigo exemplar da arquitectura franciscana em Portugal, a par da igreja de Estremoz, e o mais antigo testemunho do gótico em Santarém.
Tipologia construtiva muito semelhante ao ciclo mendicante do resto da Europa no mesmo período, nomeadamente no que diz respeito à severidade dos volumes, à preponderância das dominantes horizontais e rectas em detrimento da verticalidade, aos elementos vegetalistas dos capitéis e à ausência de qualquer tipo de decoração. Aliás, terão sido os próprios franciscanos a trazer a planta do edifício e as regras de medição do centro do «velho continente», pois a unidade de medida aplicada foi a de «pied de roi».
Ao longo dos séculos, igreja e convento foram sendo engrandecidos, caso do claustro, construído em duas ou três fases. O complexo chegou a dispor, para além dos dois claustros, de três dormitórios, um refeitório e uma biblioteca. À primitiva fase do gótico mendicante do século XIII, sucedeu-se uma fase de acrescentos da primeira metade do século XIV, uma outra gótica nos reinados de D. Fernando e D. João I, uma fase manuelina, uma renascentista e, por último, uma campanha setecentista. Assim, o gótico do templo foi mesclado com a arte renascentista e barroca.
Nos primeiros séculos da sua existência, muitos foram aqueles que quiseram ser aqui enterrados. Algo de normal, afinal, se tivermos em conta o quadro de costumes e de mentalidades da sociedade europeia da Baixa Idade Média. O exemplo mais paradigmático foi o do rei D. Fernando, que decidiu ser aqui sepultado e para tal patrocinou a construção de um coro-alto, nos três tramos médios da nave central. Em 1447, D. João II foi aqui aclamado. No século XVI, aqui discursou Gil Vicente, fazendo um apelo para que os cristãos-novos não fossem perseguidos. Em 1579-1580, reuniu-se aqui o povo para impedir que o poder fosse entregue a D. Filipe II, que acabaria por ser coroado nas cortes de Tomar.
No século XVIII, a quantidade e qualidade dos túmulos e das inscrições existentes ainda era notável. No entanto, o terramoto de 1755, as Invasões Francesas, as guerras civis, a extinção das ordens religiosas e um grande incêndio, em 1940, levaram à destruição de quase toda a parte conventual. O estado de ruína do claustro mantém-se ainda hoje. A recuperação de todo o complexo, para a instalação de um espaço museológico, é um projecto a ser desenvolvido a curto prazo.
Templo de planta longitudinal. A fachada principal é de dois registos, definidos pelo pórtico de arquivoltas decoradas com motivos geométricos, ladeado por quatro colunelos, e pelo grande vão quadrangular destinado a receber a rosácea. É muito semelhante ao pórtico do mosteiro da Batalha. À fachada nascente, está adossada a casa do Capítulo; à parte norte, está adossado o claustro e os corpos do antigo convento. O claustro, gótico, é composto por colunas duplas, com capitéis foliáceos e abóbada de nervuras com fecho heráldico. Foi mandado construir por D. Duarte de Meneses e pelos condes de Vila Real.
O interior é composto por três naves de cinco tramos, com cobertura de madeira, um cruzeiro alto e cabeceir

a com cinco capelas. Vários escudos, entre os quais o do rei D. Fernando, fecham as nervuras das abóbadas. As naves laterais são mais baixas do que a central. Colunas poligonais sustentam os arcos góticos, que terminam em capitéis de ornatos vegetalistas, embora alguns desses capitéis tenham perdido a decoração por causa das obras do coro-alto. Na cabeceira, as cinco capelas estão escalonadas em relação à capela-mor.
Ainda em relação ao coro-alto, Mário Tavares Chicó considera-o «a mais bela manifestação de arte gótica do país, antes da construção do mosteiro da Batalha». O construtor seguiu todas as regras do estilo então vigente, como se percebe pela decoração, pelos curtos pilares cruciformes, pelas nervuras que sobre eles assentam, pelos capitéis lavrados ou pelos fechos heráldicos das abóbadas e das frontarias. Para além de albergar o túmulo de D. Constança, mãe de D. Fernando, este tinha ainda a intenção de se tumular a si, como se viu antes, e à sua mulher, D. Leonor Telles.
A igreja de Almoster, juntamente com as ruínas do claustro do antigo mosteiro de freiras bernardas, é monumento nacional por decreto de 1920. Situada no largo do Convento, foi fundado por D. Berengária Aires, aia da Rainha Santa Isabel e mulher de D. Rodrigo Garcia.
É um templo de planta longitudinal, constituído por três naves de cinco tramos cada. A capela-mor é de dois tramos, com coberturas em ábobada de ogivas com pinturas de grotescos. As capelas absidais são de tramo único, com cobertura em abóbada de berço quebrado, abrindo para as naves colaterais por arcos quebrados em ressalto de moldura facetada.
Quanto ao claustro do antigo convento, dele restam dois lanços e a fonte da castra. As alas maiores possuíam quatro tramos, tendo os dois primeiros quatro vãos e os restantes cinco, de arcos quebrados geminados sobre colunas emparelhadas. A Sala do Capítulo é revestida de azulejos azuis e brancos e várias lajes sepulcrais.
A torre das Cabaças, no largo Zeferino Sarmento, é monumento nacional desde 3 de Fevereiro de 1928. Foi construída no local onde antes existia uma torre de recinto muralhado do antigo complexo defensivo de Alporão, que tinha o seu centro na porta do mesmo nome. Servia como torre do relógio do senado da Câmara, numa época em que a «medição» do tempo começava a ser objecto de interesse por parte da sociedade.
Assim, em meados do século XV Santarém foi uma das primeiras localidades a receber uma importante inovação: o relógio mecânico. Accionado por pesos e com mostrador das horas, surgiu em Itália entre 1277 e 1300 e começou a ser instalado nas torres das principais cidades. Era um invento fundamental, porque media o tempo e servia de instrumento para diversas profissões, como os mercadores. No dizer de J. Gimpel, foi o primeiro invento «decididamente moderno». E moderno foi Santarém, que recebeu o relógio pouco tempo depois do Porto e Lisboa.
Terá sido construída em meados do século XV – o primeiro documento conhecido que lhe diz respeito data de 1462. Foi alterado sucessivamente ao longo dos séculos, como no reinado de D. Manuel I, D. João III ou D. Filipe II. Este facto acabou por desequilibrar esteticamente todo o monumento. As obras realizadas no século XVII colocaram-lhe uma cimalha maneirista. A partir dos anos 30 do século XX, a Direcção-Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais levou a cabo obras de reabilitação do monumento, como foi o caso da demolição do edifício anexo, conhecido como a casa do Relojoeiro. Essas obras prolongaram-se no tempo até à actualidade, embora nos últimos anos tenha sido a Câmara Municipal de Santarém a responsável pelas mesmas.
A tradição popular refere que o nome de Cabaças foi dado em «homenagem» às «cabeças ocas» dos vereadores que decidiram a sua construção, de tão feio que o edifício era considerado. Na verdade, o nome deve-se a oito cabaças de barro colocadas na estrutura de ferro que suporta o sino e que têm como função ampliar o som emitido.
«Quando de uma visita de D. Manuel a Santarém, os edis solicitaram do monarca um subsídio para se erguer a torre do relógio e do sino de correr, necessidade quotidiana da população, sobretudo dos trabalhadores rurais que desejavam conhecer a hora de começo e fim dos seus trabalhos. Concedida a desejada quantia, os membros camarários, em número de oito, teriam mandado colocar no alto da torre um sino assente em quatro varões de ferro. Voltou o Venturoso a Santarém, poucos anos mais tarde, e ao contemplar a fealdade do conjunto arquitectónico da torre do Relógio, esbajada que fora a dádiva régia em obra tão desprovida de elegância, ordenou que, a rodear o sino, fossem colocados oito púcaros de barro – a que chamam cabaças – que passariam a representar as oito cabeças ocas dos senadores locais. Umas e outras, desprovidas de inteligência. E ao senado santareno caberia o epíteto de senado cabaceiro.» (Joaquim Veríssimo Serrão)
Segundo Vítor Serrão, o edifício apresenta características tardo-góticas. É uma estrutura com a forma de um paralelepípedo de vinte e dois metros, coroada por uma armação de barras de ferro, para apoio das vasilhas de barro, ou cabaças, que lhe dão o nome. Torre de secção quadrangular, em cujo topo se rasgam, nos quatro lados, oito janelões em arco de volta perfeita. Acima, os oito púcaros de barro que já referimos e que servem como caixa de ressonância do sino do relógio. No interior, entre o primeiro e o segundo piso, todo o seu volume, exceptuando o volume da escada em caracol, encontra-se atulhado.
Um dos projectos existentes para o aproveitamento desta estrutura, que lembra, «mais do que nenhuma inventada pelos arquitectos, a origem árabe, a vida nómada, a tradição pastoril da região onde surgiu» (Ramalho Ortigão), é a sua transformação no Núcleo Museológico do Tempo – um verdadeiro museu vivo da relojoaria.
Aliás, são muito elogiosas as palavras que Ramalho Ortigão lhe dedicou em «A Arte em Portugal»: «A torre das Cabaças não será talvez o mais monumental, o mais nobre, o mais rico, mas é decerto o mais sugestivo, o mais anedótico, o mais interessante, o mais carinhoso, o mais familiar, o mais lindo campanário de toda essa formosa campina ribatejana, o mais aberto sorriso agrário da terra portuguesa. Tudo envolve de penetrante poesia local essa velha torre. O seu mesmo nome de relógio das cabaças ou de cabaceiro se alia harmonicamente no ouvido à lembrança das lezírias, das hortas, dos pauis, das courelas e dos olivedos, que o circundam, e fazem dele como que uma parte integrante da paisagem, um natural rebento da terra… A torre das Cabaças fez-se para ser olhada do vasto campo da Golegã ou do campo de Almeirim, vindo do Vale, vindo de Coruche, de Benavente ou da Barquinha, através dos olivais, das terras de semeadura e das eiras do termo de Santarém, de jaqueta e sapatos de prateleira, mostrando uma égua de maioral, de cabeçada de esparto, almatrixa de peles e estribos chapeados.»
As muralhas do antigo castelo, em Marvila, estão classificadas como imóvel de interesse público desde 14 de Março de 1917. Foi edificado em 1147 no local onde anteriormente se situou um castro proto-histórico, sucessivamente ocupado por fenícios, gregos, romanos, visigodos e árabes. Originalmente, era constituído pelo recinto da Alcáçova, com quatro hectares, e pelo perímetro muralhado da vila, de trinta e três hectares. Era parcialmente defendido por uma barbaça e pela cerca dos bairros da Ribeira e de Alfange.
Das diversas intervenções que sofreram ao longo dos anos, destaque-se a ampliação fernandina, a adaptação da Torre de Alpram no século XV e o reforço de toda a estrutura muralhada no século XVII. O século XIX, por sua vez, assistiu à destruição de grande parte das muralhas e das portas de acesso. Várias razões estiveram na base desta sanha demolidora, desde razões urbanísticas à construção do caminho-de-ferro. Entre 1936 e 1954, a Di

recção-Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais procedeu a obras de consolidação de vários troços de muralhas, como tem vindo a acontecer, de resto, até hoje.
«Em qualquer das dominantes alturas de Santarém captam-se imagens visuais de rica tonalidade. Do alto panorama das Portas do Sol pode-se admirar um magnífico espectáculo no quadro que se nos apresenta. Disse-o Afrânio Peixoto: «um dos mais belos panoramas do mundo». Em baixo, o rio no seu curso pela terra portuguesa dá a nota de frescura com os seus areais e ilhotas, os verdes mouchões que o limitam, beijando na sua margem direita a povoação da Ribeira (antiga Seserigo) e o bairro piscatório do Alfange. Quase a pique, dominando uma encosta cavada, o roqueiro castelo é como acrópole que senhoreia os horizontes, e dele pode o forasteiro admirar o curso sinuoso do rio, o acidentado das colinas do norte e as férteis planícies da Borda d’Água. Encanto profundo que leva o visitante a recolher-se, admirando a obra da natureza em belas imagens que a retina passa a guardar.» (Joaquim Veríssimo Serrão)
Ainda sobre as Portas do Sol, mais das paisagens que dali se alcançam do que do banal jardim existente, referia João Barreira, na primeira metade do século, no «Guia de Portugal»: «É o mais belo varandim de Santarém (ajardinado em 1895), com um miradouro feito na porta que olhava o sol levante e dá sobre os vastíssimos e planturosos campos ribatejanos com o rio derivando em preguiçosos meandros laivados de ilhotas de areia fulva, as quadrículas da cultura ubérrima em que o verde esmeraldino é pintalgado de preto pela silhueta nervosa dos touros e a linha esbelta dos campinos, vendo-se no limite das pastagens branquejarem as vilas da Chamusca, Almeirim e Alpiarça. Ao norte Alcanhões e no extremo do horizonte Monte de Trigo. À direita, para o sul, o Outeiro da Forca, plantado de oliveiras. É indubitavelmente, diz F. F. Palgrave, que acompanhou o grande poeta inglês Tennyson na sua viagem a Portugal, «one of the great panoramic landscapes of Europe.»
Castelo de montanha, de planta irregular, era rasgado por várias portas e postigos. As antigas muralhas cobriam o perímetro da povoação. Na época muçulmana, as muralhas iam das Portas do Sol à Porta de Atamarma e daí ao «colar muralhado» que vinha do vale de Alfange. Nessa altura, existiam as portas de Atamarma, de Alcáçovas e do Alporão. Depois da conquista aos mouros, D. Afonso Henriques mandou alargar o perímetro da zona ameada. Fê-lo porque o burgo estava a crescer mas também porque era necessário prevenir futuros ataques. Com as guerras fernandinas, grande parte das muralhas ficou destruída. Cerca de 1380, D. Fernando restaurou-as e ampliou a periferia defensiva de Santarém.
Assim, havia três zonas dentro das muralhas: a zona da Alcáçova, fechada pelas portas da Atamarma, do Alporão e da Alcáçova; o perímetro muralhado da época de D. Afonso Henriques, que ocupava o planalto de Marvila; e a zona muralhada de D. Fernando, com a sua dupla linha defensiva. As muralhas originais, as da Alcáçova, ainda existiam em parte no século XVI, segundo relato de Erich Lassota de Steblovo. Actualmente, restam apenas alguns trechos.
Das antigas portas e postigos da cidade, também resta pouco hoje em dia. As portas de Santiago e do Sol estavam no perímetro da cidadela principal. A porta de Santiago estava ligada à calçada de Santiago, que a punha em contacto com a Ribeira de Santarém. Na porta, pode ver-se um brasão real do reinado de D. Fernando e a data de 1375. A porta de Alcáçova ficava junto da estrada que vai para Alfange. A porta do Alporão, demolida no século XVI, estava ligada à igreja de S. João de Alporão. A porta de Atamarma localizava-se no alto da calçada do mesmo nome. Foi por aí que D. Afonso Henriques entrou em Santarém. Destruída em 1865. A porta de Leiria encontrava-se no local da actual capela de Nossa Senhora da Piedade. A porta de Manços, que devia o seu nome a S. Manços, primeiro bispo de Évora, encontrava-se perto da antiga casa da Relação. A porta de Palhais, localizada à entrada da Ribeira de Santarém, desapareceu entre 1838 e 1840. A porta de Valada, por fim, encontrava-se no extremo do lugar de Pereiro. Desapareceu em 1838.
Quanto aos postigos, o de D. Margarida, como era conhecido no século XVIII, na rua Pedro Canavarro. Era também conhecido como postigo de S. Domingos, por dar acesso ao convento desse nome. O postigo das Figueiras ficava do lado da porta de Leiria e devia o seu nome ao chafariz do mesmo nome. O postigo de S. Gens ficava encravado na muralha, em frente da igreja do Milagre. Segundo a tradição, S. Gens andou por ali a pregar o Evangelho. Um outro postigo encontrava-se no bairro de Alfange, entre duas torres fronteiras à igreja de S. João. O postigo do Pão existiu até ao século XVIII, na Ribeira, perto do penedo de Santa Iria. O postigo da Carreira foi destruído algures entre o século XIX e o século XX.
Actualmente, subsistem panos de muralhas da época românica e gótica e, sobretudo, do momento do restauro da Alcáçova levado a cabo durante o reinado de D. Dinis. As portas de acesso de vão em arco quebrado são típicas desse período, enquanto que da época maneirista é o revelim triangular constituído por panos em talude e a guarita cupulada localizada no seu vértice. Em 1896, chegou a pensar-se na demolição do monumento, mas a forte oposição por parte da população evitou que a medida se consumasse.
As ruínas do castelo de Alcanede são imóvel de interesse público desde 1943. Terá sido fundado, muito provavelmente, pelos romanos, sobre um antigo castro, e reconstruído já durante a Idade Média, devido às guerras da Reconquista Cristã. Depois de estar definitivamente na posse dos portugueses, foi completamente reedificado e actualizado.
Durante o reinado de D. Dinis, altura em que passou a ser propriedade da ordem de Avis, fizeram-se as obras mais importantes, das quais avulta a construção da torre de menagem. O terramoto de 1531 provocou a sua destruição e só uma campanha de obras liderada pela Direcção-Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais, entre 1941 e 1950, permitiu dar novo alento à estrutura, com o levantamento de alguns panos de muralhas derruídos e a reconstrução de torres e alguns espaços interiores.
Em alguns pontos, ainda se podem ver os muros exteriores que antecediam as muralhas. Cubelo de planta elíptica adossado à fachada exterior da torre de menagem, de planta quadrangular, pela qual se tem acesso ao monumento através de porta em arco de volta perfeita. Acima deste, uma cartela heráldica. Na torre de menagem, cubelo e em alguns dos panos de muralhas que ainda restam, podem ver-se merlões rectangulares. Possui ainda adarve e uma cisterna.
Localizadas na encosta de S. Mateus, freguesia de Marvila, atrás do Cine-Teatro Rosa Damasceno, as ruínas da Albergaria de S. Martinho são imóvel de interesse público, por despacho de 6 de Novembro de 1978. Poderão ser ainda, segundo alguns autores, as ruínas de uma capela, provavelmente do século XII. Não se sabe quando foi fundada inicialmente, mas Maria Ângela Beirante vai até ao século II d. C. e ao culto esotérico dedicado a Mitra, ou ao culto de Cibele, que de resto estava associado àquele, para localizar a origem das ruínas.
A sua existência está documentada desde a primeira metade do século XV. Era então um dos hospitais de Santarém que, desde 1426, passaram a estar sob a alçada do Hospital de Jesus Cristo. Um terramoto, em 1531, veio destruir grande parte do edifício original. A reconstrução, por sua vez, alterou completamente a feição quatrocentista que possuía.
As mudanças verificadas nos últimos séculos alteraram completamente a geomorfologia do local. Assim, só é possível ter uma visão mínima de conjunto a partir da Ribeira de Santarém – uma parede, que parece muralha, uns contrafortes, uma porta e uma janela.
Hoje, apresenta no interior um carácter maneirista. A sua planta compre

ende um compartimento circular arruinado, bem como um outro compartimento ao qual se tem acesso a partir da porta de entrada, um corredor e uma sala coberta por uma cúpula. O interior é todo abobadado em tijoleira. Na primeira sala, a abóbada é de caixotões e faz a ligação à sala seguinte. O local onde está a cúpula parece ter sido o centro do edifício. Na frontaria, um portal de ombreiras rusticadas e frontão triangular.
A igreja de Santa Maria de Alcáçova, imóvel de interesse público desde 25 de Junho de 1984, encontra-se no largo fronteiro ao jardim das Portas do Sol, no local em que, segundo alguns autores, terá existido um templo romano. A invocação de Santa Maria, que recebeu desde o início, significou a santificação imediata de um lugar que era pagão.
Foi fundada nos primeiros anos da segunda metade do século XII, provavelmente 1154, depois da conquista da cidade aos mouros. A sua construção deveu-se à iniciativa de D. Anjo Martins, mestre da ordem dos Templários, a crer na inscrição sob a porta principal, e decorreu sob a orientação de D. Frei Pedro Arnaldo, membro daquela ordem e comendador de Santarém. Entre 1157 e 1159, aqui esteve Gualdim Pais, mestre dos Templários, antes de se fixar definitivamente em Tomar. Após a extinção dos Templários, tanto na Europa como em Portugal, foi entregue aos cónegos regrantes de Santo Agostinho.
Em 1192 a igreja da Alcáçova já era uma colegiada composta por vinte cónegos, pelos quais o rei D. Sancho I distribuiu as suas rendas. Entre meados do século XIII e 1834, funcionou como capela real. Foi ainda sede de uma escola que se prolongou até Setecentos e de uma comunidade de clérigos pobres. Os seus priores e cónegos atingiram grande notoriedade nas áreas da teologia, direito, música e letras. Foi, no fim de contas, uma ubérrima colegiada, porque os bens de que foi proprietária atingiram valores altíssimos e chegaram a incluir, entre outras, as igrejas de Santa Cruz, Santa Iria e S. João de Alfange. Os seus privilégios equivaliam aos de uma sé catedral e os do prior ao de um bispo.
Sofreu muitas alterações ao longo dos anos, sobretudo nos séculos XVI, XVII e XVIII, facto que descaracterizou completamente a traça primitiva. A reconstrução do século XVIII foi devida a D. Rodrigo Teles de Menezes, conde de Unhão. A reforma de 1724 foi a mais devastadora. Depois dessa data, da primitiva feição gótica ficaram apenas vestígios nas lápides e nalguns túmulos. Os retábulos laterais de cunho maneirista são os elementos arquitectónicos mais antigos. Tudo o resto insere-se já na reforma setecentista realizada dentro do espírito neoclássico.
Assim, se é verdade que o actual edifício tem uma aparência romântico-oitocentista, também é verdade que os elementos de outras eras que chegaram até nós dão ao conjunto uma unidade espacial de grande valor estético e artístico.
O seu plano de construção obedeceu a uma orientação nascente-poente, embora o tempo e o Homem, mais este do que aquele, se tenha encarregado de colocar a frontaria a sudoeste. Na fachada principal, a já referida lápide em mármore, em caracteres carolinos, recorda a edificação da igreja.
Templo de planta longitudinal, em cruz latina, com três naves separadas por dez colunas revestidas a estuque e com transepto. A nave central é mais alta do que as laterais. Todas elas têm cobertura em madeira apainelada. Arcos de volta perfeita sob colunas toscanas dividem os tramos. Junto ao arco triunfal, as paredes são revestidas por azulejos do século XVIII. Para além do lambril de azulejos setecentistas, com temas marianos alusivos às ladainhas da Virgem, o revestimento interior é em estuque. De resto, a cabeceira tem três capelas, sendo que a do meio é mais profunda e corresponde à capela-mor. Rectangular, é coberta por abóbada de caixotões de cantaria e está ladeada pelos absidíolos. No altar-mor, uma tela de excelente qualidade, da autoria do pintor e escritor Cyrillo Volkmar Machado. Representa o rei D. Afonso Henriques a entregar o eclesiástico de Santarém à ordem dos Templários.
Segundo a tradição, o túmulo adossado à entrada da igreja alberga o corpo de um cristão e de uma moura que se apaixonou por ele. A este propósito, dir-se-á que o património epigráfico do templo é muito valioso. É composto por quarenta lápides, essenciais para reconstituir a história da colegiada, da capela real e da escola. Da sua tumularia, salienta-se o cofre que guarda os restos mortais de Rodrigo Afonso, filho bastardo do rei D. Afonso III.
A igreja de Santa Cruz, em Santa Iria da Ribeira de Santarém, é imóvel de interesse público desde 2 de Maio de1950. Implantada numa plataforma rasgada na encosta, em posição de destaque sobre a Ribeira, estaria concluída em 1280, data em que D. Dinis concedeu o padroado da igreja à colegiada de Santa Maria de Alcáçova. No entanto, a sua fundação deve datar do reinado anterior, o de D. Afonso III, ou até do de D. Sancho II. De acordo com a documentação, já existia em 1261, pois nesse ano já fazia parte do plano anual da pregação dos dominicanos e franciscanos de Santarém.
Foi construída por iniciativa de Lourenço Domingues Minatos, conde estrangeiro radicado em Portugal, e sua nulher, Eiria Afonso Caeira. Terá substituído um outro templo, mais modesto, construído após a Reconquista da cidade, em meados do século XII. Funcionou como sede paroquial até 1851, data em que a paróquia de Santa Cruz foi extinta. Ao longo dos anos, foi objecto de várias remodelações, a maior das quais ocorreu em 1681, com a construção de um novo portal barroco na frontaria, o acrescento de uma torre sineira quadrangular e o alargamento do corpo do edifício para o lado da sacristia.
É a única igreja gótica trecentista da cidade que não está ligada ao patrocínio das ordens religiosas. Segue o modelo das igrejas paroquiais da época, ao mesmo tempo que conserva algumas características do gótico mendicante de Santarém.
O portal gótico, anterior ao da época barroca, é composto por quatro arquivoltas e capitéis florais, de reentrância em gablete e com arcos de ponto subido. A elegância deste elemento é pouco habitual em monumentos do gótico inicial, de carácter tão utilitário como é este.
O interior, plenamente barroco devido às reconstruções de vários séculos, é dividido em três naves relativamente altas, divididas por arcos ogivias, sendo que a nave central é maior do que as laterais. Os tramos dividem-se por arcos quebrados em cantaria. A cobertura é em madeira. Os capitéis das colunas que as dividem têm uma feição arcaizante e aproximam-se daquela que terá sido uma evolução natural das oficinas românticas santarenas.
A capela-mor, com dois tramos, é poligonal, com altas janelas abertas em panos delimitados por contrafortes. É iluminada por cinco janelas góticas. Virada a nascente e com um volume que se salienta do corpo da igreja, é abobadada. O presbitério é amplo e marcado por sinais de modernidade. Junto a uma coluna do lado do Evangelho, um púlpito renascentista em pedra.
A ponte de Alcourse, imóvel de interesse público desde 29 de Setembro de 1977, cruza a vala de Alcourse, no sentido norte/sul, à saída da povoação da Ribeira, no alinhamento com a fonte de Palhais, servindo a estrada para Vale de Figueira. Construída no século XIV, segundo o escudo da vila nela localizado, fez parte da estrada real que ligava Santarém a Coimbra, pela Golegã, Tomar e Pombal. Provavelmente, terá substituído a velha ponte romana que ligava Scallabis a Sellium (Tomar). Ainda hoje faz parte do percurso entre Santarém e Vale de Figueira.
É uma ponte de feição gótica, constituída por um tabuleiro rampeado de um dos seus lados e ladeado por guardas em pedra. Está assente em quatro arcos redondos de volta inteira. No centro da ponte, entre o segundo e o terceiro vão, encontra-se o brasão de D. Afonso III, que contém as armas do concelho e de Portugal, facto que parece
indiciar a divisão das despesas da construção.

Comments

  1. dalby-o-calmo says:

    Atirem-lhe com o estilo rócócó já!

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.