A falta de educação

Curioso no artigo do Público sobre pais que não querem educação sexual para os seus filhos na escola pública é o facto de os progenitores citados terem uma média de procriação muito acima da média nacional.

Não sei porquê mas cheira-me a que não praticam planeamento familiar. É uma opção de vida, respeitável, mas tentar impô-la aos seus filhos, e é disso que se trata, é no mínimo repugnante. E fazer-lhes o favor de avisar quando se vai falar de sexualidade nas aulas é, por parte das escolas, no mínimo absurdo, e de resto impraticável. Ou vão fazer o mesmo em relação a outras matérias com as quais a família do petiz não concorde? Tipo:

– olhe que amanhã começa a educação ambiental senhor suinicultor, fica avisado que a criança pode chegar aí a casa com comentários críticos sobre as suas descargas poluentes.

Não dá.

Comments

  1. MARGARIDO TEIXEIRA says:

    É com atitutes como essas que não se pode progredir nos rácios de gravidezes indejadas na adolescência! Parece-me que o papel das Associações de Pais deveria ser mais pro-activa nessas matérias, pois só com esclarecimento se conseguem atingir outros e melhores parâmetros. Também os Sindicatos (ou os sindicalistas!) deveria pugnar por entrar nessa discussão (e noutras, igualmente importantes no Ensino), que não seja só no “bota-abaixo” (acabar a avaliação, p.ex.; insultar a Ministra, fazer manifs por tudo e por nada, etc, etc.), ou no mero desígnio do aumento do seu salário. Bastaram não sei quantos anos de obscurantismo, em que nem se podiam aproximar as crianças de ambos os sexos para que as mentalidades se abram.


  2. Em prol da modernidade e inovação, deviam ser sempre os alunos e encarregados de educação a escolher o conteúdo das aulas.Eu, por exemplo, discordo que 2+2 sejam 4 porque não reconheço (é uma liberdade pessoal) que o algarismo 4 represente a noção aceite pela maioria do numeral “quatro”. Já solicitei ao director de turma do meu filho para o dispensar das aulas de Matemática e também de Inglês (acho que os americanos são imperialistas).http://osonoluso.org/sociedade/educacao-por-medida-cheia


  3. Esta associações de pais têm como activistas, as mesmas pessoas  que são contra  o aborto,  o casamento dos gays ( eu tambem sou, neste caso)a eutanásia, e que apresentam como argumento, para evitar o aborto, o planeamento familiar.Mas ísso é quando se discute o aborto…