a morte que abandona e a morte em vida

 

 

As vezes, a vida pare-nos cumprida e entediante. Cumprida e entediante, para os que acreditamos apenas em ela. Amamos aos nossos. Esses nossos por serem parte da vida em família ou por ter partilhado os nossos dias e, um dia, por motivos importantes para eles, já não estão perto de nós. Partem para outros sítios ou não lhes apetece estar mais com nós. É denominada a morte em vida. Ou, porque apenas não nos entendemos e as nossas ideias são tão diferentes, que morar juntos no mesmo sítio, mata o amor, ou pior ainda, a paixão que, antecede ao amor. Essa morte é a separação. Morte que todos tememos ou receamos. A morte em vida é esse evitar cruzar pelas vias da vida com pessoas das que receamos, é dizer, temos medo o suspeitamos. Ao pensar na morte, nem sei se a que nos separa definitivamente porque alguém que amamos já não está; o se a separação em vida é mais pesada pelo temor a econtrar um dia esse ser humano de quem queremos evitar ver outra vez. A morte fisica e não esperada de quem amamos, é uma dor que acaba em grande depressão ou em tristeza tão profunda, que nem sair de casa desejamos. Até sermos empurrados por uma pessoa forte que nos confronta com a realidade: quem detestamos, já não pode fazer mal se entendemos e sentimos essa distância dentro de nós a ganhamos vantagem: é o triunfo sobre o nosso fabricado sofrimento e o temor de quem fazia de nós, seres entediados ou aborrecidos, epecialmente se vemos duas pessoas que se amam e a uma terceira só, na primavera da vida.

Por existir o sentimento de entediados, talvez a morte em vida seja a mais aborrecida. Ficamos sem alternativas ou sem opções. Fixamos a nossa vida em nós próprios sem saber para donde a encaminhar, sem saber qual a alternativa para o nosso ego. A morte que abandona, tira de nós os nossos sentimentos que passam a se fixar na pessoa querida que, sem saber como e porque, entra na eternidade. É o que acontece ao perdermos um ser amado. Na morte em vida, nada se perde, excepto os nossos próprios sentimentos, a maior ameaça para continuar em frente o caminho que nos traçamos. A morte que nos arrebata ao ser mais querido, como Luís Miguel, define um permanente desasosego que, enquanto andamos na burocracia para preparar o seu descanso, parece que está ainda vivo: a burocracia faz esquecer a dor e leva-nos imaginar a pessoa amadacomo um pedestal lavrado pelo melhor escultor do mundo que, na escultura que mostro de Luís Miguel, deveria ser Michelángelo, apesar de ter sido Marcus Aureliuis, na Roma de 115 da nossa era. Luís Miguel, como a imagem de Marcus Aurelius, foi chorada ao longo dos tempos. Como a da nossa novas pérdidas de esta semana, o brilhnate, calmo, sábio e sereno Claude Lévi -Strauss que conhecemos de esta maneira , sendo antes um sedutor homem sábio que namorava enquanto explorava a selva amazónica, de esta maneiraOs dois sábios, retiram dos nossos sentimentos ese do aborrecimento e nos faz fixar os sentimentos de aussência no jovem da escultura, um Luís Miguel que tinha toda a sua vida em frente e que podia ser comparado com a vida mais do que feita do nosso também desparecido sábio. Luís Miguel e Claude Lévi-Strauss partilharam, sem se nunca conhecer, estes sentimentos: de amor, de alegria, de procura do saber e da criação de novas ideias para o mundo progredir. Há a frase que diz: quebrou com uma visão etnocêntrica da história e humanidade […] Em um tempo em que tentamos dar sentido a idéia de globalização, construir um mundo mais justo e humano, eu gostaria que o eco universal de Claude Lévi-Strauss ressonasse mais forte". Como soa mais forte a do Luís Miguel. Os dois nos fazem sofrer esta semana, mas a obra feita de Luís Miguel, nos seus 32 anos é, em devidas proporções,  como a que durante 101 anos fez Claude Lévi -Strauss. Este, aos seus 32, namorava e trabalhava; o outro, também. Um teve imensa sorte, o outro, a moda

dos tempos o levara antes de cumprir a sua obra completa. Os dois nos retiram do aborrecimento da vida. Muito obrigado, Senhores. 

 

Comments


  1. Bela homenagem, prof.


  2. Só o meu Caro Luís era capaz deste comentário. Vejo bem que entendeu essa substituição do sobrinho falecido , por uma esfinge do 133 da nossa era Obrigado [Error: Irreparable invalid markup (‘<p […] <a>’) in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]<br />Só o meu Caro Luís era capaz deste comentário. Vejo bem que entendeu essa substituição do sobrinho falecido , por uma esfinge do 133 da nossa era Obrigado <P class=incorrect name="incorrect" <a>Raúl</A> </P>