Dos sindicatos dos professores vêm maus prenúncios…

Há uma guerra dura que se vem travando nos últimos anos entre os Sindicatos dos professores e o Ministério da Educação. Às vezes é necessário partir muita pedra e haver baixas de ambos os lados para que o bom senso volte.

 

Parece ser o caso. Hoje há vitórias da Educação ( não do ministério) formidáveis e que terão um importante impacto na qualidade do ensino. Atrevo-me a lembrar os concursos de colocação de professores por quatro anos, terminando com o circo anual, de queixas e queixinhas, de professores com as malas às costas e de alunos a conhecerem novo professor.

 

A avaliação que já ninguem contesta, com um modelo discutido e aceite por todos, mas com consequências na carreira, o que quer dizer que a progressão na carreira deixará de ser automática. O estatuto do professor que vai ser discutido e melhorado, já contando com as recentes contribuições.

 

Mas quando se ouve falar os representantes dos Sindicatos a sensação que fica é que nem tudo foi, ainda, devidamente, digerido. Se pensarem que as vitórias foram da Escola, a digestão será mais fácil. 

 

Acabar com a divisão entre professores titulares e não titulares parece consensual.  Não estou tão certo quanto a uma avaliação, por objectivos, mensuráveis, com consequências na carreira e no vencimento ; numa gestão da escola autónoma com pontes de coordenação com as forças autarquicas  e com os movimentos dos pais ; alargar e aprofundar a autonomia das escolas a partir dos Rankings existentes há vários anos;  considerar que os professores avaliados pelo modelo actual não possam ser prejudicados;

 

Enfim, que as reticências aqui e ali afloradas, não sejam mais que um  teste, inculcando as ideias no universo de professores, como uma vacina que vai alastrando…