Solidariedade Territorial

Ontem o primeiro-ministro referiu que uma das linhas orientadoras do plano para combater o défice foi distribuir o esforço por todos de uma forma equitativa referindo que não queriam por em causa a saúde, a educação e as pensões nem por só os funcionários públicos a pagar a crise.

Parece-me mais ou  menos bem… só mais ou menos porque não sei até que ponto assumir que não se pode mexer sobre 67% da despesa é um luxo que podemos correr,  mas até concedo isso.

O que já não percebo é a insistência na falta de solidariedade territorial que se tem verificado e não, não estou a falar das SCUT.
Estou mesmo a referir às noticias de hoje que mostram mais uma vez que uns são filhos e outros enteados

Para um investimento que vai beneficiar principalmente a região mais rica do país  (pib = 120% media europeia) temos “260 milhões de euros para linha temporária do TGV” para a região mais pobre do pais, sim atrás dos Açores, Alentejo e Centro e também de todas as outras regiões europeias excepto Guiana Francesa e uma outra da Grécia, (pib = 80% da média europeia) “Governo vai reavaliar verbas para a segunda fase do metro do Porto

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.