A decência


O general Ramalho Eanes, foi ontem instado por alguns repórteres, a pronunciar-se a respeito de “investimentos” em instituições financeiras. O assunto candente era o “caso BPN-BPP” e embora seja membro de honra da comissão – mandatário? – de apoio ao Sr. Cavaco Silva, não hesitou em responder como devia:

“Eu não sou um homem que tenha um grande aforro, mas tenho sido contactado ao longo da minha vida pelos bancos e quando eu digo ‘bom, eu não tenho dinheiro para aforrar” eles dizem “não, não, mas nós gostaríamos muito que você fosse nosso cliente, porque isso dá uma certa imagem ao banco (…) nunca fui contactado pelo BPN, mas tenho sido contactado por alguns bancos para ser cliente, e tenho dito sistematicamente que não”.

A única conclusão a tirar, consiste na certeza que essas instituições têm, acerca de quem vai, ou não, aceitar as generosidades prodigalizadas.

Melhor faria o Senhor General em não participar neste tipo de “comissões de honra”, remetendo-se para aquilo que ao Expresso declarou, quando do septuagésimo aniversário do rei de Espanha.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.