Carlos Castro teve a morte que merecia


Ouvi no supermercado um homem dizer que Carlos Castro teve a morte que merecia, sendo que, na conversa com o amigo, nunca o tratou pelo nome mas antes pela «bicha louca».
Embora por razões diferentes, sou obrigado a concordar com aquela frase. Carlos Castro foi uma pessoa diferente das outras, não foi uma pessoa dita «normal», por isso não podia ter tido uma morte «normal», na cama de um hospital ou na passadeira de uma rua.
Num país mesquinho, cheio de preconceitos e invejas, Carlos Castro viveu como quis e como lhe apeteceu. Aproveitou bem a vida e, até ao fim, fez-se rodear do prazer. A ironia de ter sido precisamente esse prazer a conduzi-lo à morte não passa disso mesmo, de uma ironia.
A morte num quarto de hotel de luxo da cidade amada, Nova Iorque, às mãos do seu último amor – uma relação de «faca na liga» que foi notícia em Portugal, em Espanha, nos Estados Unidos, no Brasil. Um mito. Quantos não dariam a vida para ter uma morte assim?

Comments

  1. xico says:

    Tão disparatado o que se disse no supermercado como o que aqui foi escrito neste post.
    Está tudo doido…
    No fim de tanta doideira, está um rapaz de vinte anos, que tinha um futuro promissor, que agora enfrenta uma pena pesada. A minha solidariedade vai para a família e amigos de ambas as vítimas, o morto e o assassino.


  2. Xico, o post do Ricardo ganha enquadramento curioso com a leitura do romance “O teu Rosto Amanhã”, é em parte essa reflexão que aqui está latente “Quantos não dariam a vida para ter uma morte assim?” … Pensa nisso. Deste post fazer sentido.
    Sim. Tb estou preocupada com o destino do jovem de 20, especialmente no tratamento que terá na Justiça Americana. Y lembrar que psicologicamente o Carlos castro não era qualquer um. Neste caso específico de enquadramento de personalidade da Vítima, os 20 anos do autor do acto macabro ganham uma dimensão de consternação. Duvido que o enquadramento de “perversão” possa encaixar-se neste caso de Castração (assim, associado/pensado a olho).
    Este rapaz que fica Vivo precisa de apoio para além da família. Y nada em sentido de depreciar o Carlos Castro ( n é isso que está em causa).


    Gostei, Ricardo … colocaste em foco um dos nervos da questão. Lê o Javier Marías … ele explora exemplarmente isso q alivinhas no post …#O Teu Rosto Amanhã# ( Tb é sobre o wikileaks … antes do W. ser notícia … )

  3. aoliveira says:

    Um panasca a menos. Lixo não faz falta.
    Bravo rapaz, limpaste o teu canto do mundo! És e serás um mártir. Portugal deve estar solidário contigo!

    • sandra silva says:

      repugnante este ultimo comentario, não deve ter filhos ou netos senão não diria isso.

    • maria says:

      quem fala deste modo está nos antípodas da Humanidade!

    • Maria Mafalda says:

      aOliveira, eu não conhecia o Sr.Carlos Castro pessoalmente, apenas através da televisão e revistas.Defendo e defenderei sempre um ser humano que, tivesse sido assassinado sem ou com requintes de malvadez.Lembre-se que pela “boca morre o peixe”.As suas palavras são típicas de um perfeito CANALHA.E se assassinassem um membro da sua familia, incluindo todos os contornos do crime que foi cometido, você também apoiaria o assassino? cuidado! tome muito cuidado com o que diz, seu IMBECIL.Deus queira que um dia, familiares seus ou você próprio não passem pelo sofrimento horrendo que o Sr.Carlos Castro passou.TENHO VERGONHA DE SER PORTUGUESA.Infelizmente sou obrigada, mesmo obrigada a viver e conviver com pessoas com cultura e princípios e outras sem cultura nenhuma como você.Vá pastar …


      • Apoiado! O comentário é na verdade repugnante e só revela um ser mesquinho, inculto e de tremenda insensibilidade.

      • Zeca says:

        Concordo plenamente… acho que as pessoas decentes estão em vias de extinção basta ver os comentarios que se encontram ai pela net… até metem pena.

    • Renato Stock says:

      Espero que não tenhas em tua casa nenhum panasca camuflado e lhe possa acontecer o mesmo!

    • Brinbas says:

      na realidade este “antónio oliveira (salazar)” é apenas mais um nazi/fascista que odeia pessoas diferentes, mas só o exprime a comentar aqui anónimo, não é?

  4. joao almeida says:

    mas esta tudo louco!

    estamos a falar de um ser humano!
    esse ultimo comentario, dessa bicha resabiada que diz que o outro sera um martir, só pode estar a brincar!
    um martir! ele vai é ser morto na cadeia em N.Y
    cambada de hipocritas! o seabra nao era homossexual????
    nao! so vivia as custas da bicha, comia as custas da bicha e viajava as custas da bicha!
    paneleiros do caralho, cambada de hipocritas, comia mais naquele cu, que eu!
    ele e muitos outros “heteros”!
    o castro podia ser uma bicha louca, mas era um homem, era uma pessoa, um ser humano.

    • Amatullo says:

      Escusavas de vir a terreiro dizer que levavas no cú porque toda a gente que lesse o teu post ficaria a saber; mas a paneleiragem é assim mesmo; quando se trata de levar na peida os complexos desaparecem! Há que haver sempre respeito pelo ser humano; ainda que uns mereçam mais e outros menos respeito; mas Carlos Castro idealizou a sua morte e ela foi-lhe fiel! Só tenho pena do miúdo; se realmente é o homicida, algo muito grave se passou para o levar a isto. Oportunistas e “jornalistas” como o defundo não me deixam pena alguma; desprezo estes “predadores” de carne fresca, estes parasitas!

      • maria says:

        os que são predadores de carne fresca feminina já são homens, machões e nada parasitas, que cabecinha doente!

        • silva says:

          Láa se foi mais uma bichona. O rapaz para fazer uma coisa destas devia estar louco. Aquele bicha deve ter-lhe dado cabo do miolo


      • Desculpe, mas um rapaz de 21 anos já é adulto. Se aceitou entrar num mundo que não era o dele, foi para subir à custa do Castro. Como li noutro comentário, foi aceitando viver às custas do outro. E pior, além de matar torturou, quiz sentir grande sofrimento no outro. Mesmo que tenha acontecido algo muito grave, isso não justifica o crime nem a tortura. E se estava mal, porque não se veio embora? Pediu ajuda à mãe, porque voltou ao hotel? N.Y. é uma cidade enorme, podia ter-se afastado. Tenho pena do assassinado, tenho pena da família de ambos.

        Será que os valores andam assim tão alterados?


  5. Não entendo as coisas postas nestes termos. A morte é a morte e não há nela nada de belo. Se eu pudesse escolher a minha seria discreta e sem sofrimento. Anónima.

    (Sobre a homossexualidade não digo nada, porque não tenho nada para dizer.)


  6. Um grande parte destes comentários parecem Forjados. Com que intenção? … Não sei.!!
    Imitações de maus imaginários alheios, tb elas más imaginações Y mas imitações.

  7. Maria Mafalda says:

    Por natureza as mulheres são condescendentes, mas eu, como mulher que sou, não serei condescendente perante um assassinato sem ou contornos de malvadez.A PENA DE MORTE NUNCA DEVERIA TER SIDO ABOLIDA, APENAS PARA SITUAÇÕES em que HOUVESSE “CERTEZAS ABSOLUTAS” de CRIMES deste género e pelos vistos, já confessado pelo ASSASSINO,conforme é noticiado, a Besta, o Predador, NUNCA deveria ter feito o q fêz, ainda bem que não o fez em Portugal, pque cumpriria poucos anos de prisão e seria libertado muito antes do prazo previsto.Todos/as aqueles/as que apoiam o ASSASSINO, são iguais ou pior que ele.
    Com que então, o assassino confesso, é conhecido como rapaz sossegado, tímido etc.etc.., mas qual timidez, qual sossegado, qual bom rapaz… então c esses atributos todos, aprendeu rapidamente a ser CRUEL, MAQUIAVÉLICO etc. etc.”Cuidado com os calados, “cão q ladra não morde, cão que não ladra, morde e até MATA”.Palavras da família do assassino confesso:”Ele telefonou a dizer que o queriam comprar com aquela luxúria toda,que estava c dores de cabeça, porque a comida no hotel estava muito esquisita”,dando a entender q tinham posto “algo” na refeição… .Nunca se sabe se ele já estaria a premeditar o q iria executar, para justificar o seu acto depois de consumado aos familiares e nem só(sabendo ele que eles (familiares) iriam passar essas palavras p os órgãos de c.social,quando confrontados), como se essas mesmas palavras proferidas antecipadamente pudessem justificar o CRIME TERRÍVEL q ele cometeu.Ele foi MAU, FRIO, CRUEL e CALCULISTA.Esse BESTA não tem classificação possível.PRISÃO PERPÉTUA PARA O ASSASSINO ,JÁ QUE FOI ABOLIDA A PENA DE MORTE.

  8. Maria Mafalda says:

    Por natureza as mulheres são condescendentes, mas eu, como mulher que sou, não serei condescendente perante um assassinato sem ou com contornos de malvadez.A PENA DE MORTE NUNCA DEVERIA TER SIDO ABOLIDA, APENAS PARA SITUAÇÕES em que HOUVESSE “CERTEZAS ABSOLUTAS” de CRIMES deste género e pelos vistos, já confessado pelo ASSASSINO,conforme é noticiado, a Besta, o Predador, NUNCA deveria ter feito o q fêz, ainda bem que não o fez em Portugal, pque cumpriria poucos anos de prisão e seria libertado muito antes do prazo previsto.Todos/as aqueles/as que apoiam o ASSASSINO, são iguais ou pior que ele.
    Com que então, o assassino confesso, é conhecido como rapaz sossegado, tímido etc.etc.., mas qual timidez, qual sossegado, qual bom rapaz… então c esses atributos todos, aprendeu rapidamente a ser CRUEL, MAQUIAVÉLICO etc. etc.”Cuidado com os calados, “cão q ladra não morde, cão que não ladra, morde e até MATA”.Palavras da família do assassino confesso:”Ele telefonou a dizer que o queriam comprar com aquela luxúria toda,que estava c dores de cabeça, porque a comida no hotel estava muito esquisita”,dando a entender q tinham posto “algo” na refeição… .Nunca se sabe se ele já estaria a premeditar o q iria executar, para justificar o seu acto depois de consumado aos familiares e nem só(sabendo ele que eles (familiares) iriam passar essas palavras p os órgãos de c.social,quando confrontados), como se essas mesmas palavras proferidas antecipadamente pudessem justificar o CRIME TERRÍVEL q ele cometeu.Ele foi MAU, FRIO, CRUEL e CALCULISTA.Esse BESTA não tem classificação possível.PRISÃO PERPÉTUA PARA O ASSASSINO ,JÁ QUE FOI ABOLIDA A PENA DE MORTE.

  9. silva says:

    É so bichas. Abaixo essa raça

  10. Pedro Sousa says:

    Sinceramente tenho alguma dificuldade em desculpabilizar alguém que comete um crime tão hediondo. É certo que não gostava nem um bocadinho do Carlos Castro (diria até que me metia nojo), mas independentemente de tudo ninguém merece fim tão trágico e o puto que cometeu crime tão horrendo tem de pagar por tal acto de loucura. Já li aqui que o homem era um predador sexual, se calhar conhecem-no melhor que eu. Como só o conheço das revistas e da televisão não posso dizer isso. O que sei é era uma pessoa com alguma idade, por isso não me acredito que um jovem de 21 anos não conseguisse livrar-se dele quando quisesse. Se não se livrou foi pq se quis servir dele como trampolim para a fama. Todos ouvimos dizer de como é promiscuo o mundo da moda. Das drogas, prostituição e afins que por lá existem por isso não defendam um criminoso por favor.

    • Maria Mafalda says:

      Óptimo comentário Sr. Pedro Sousa.Sem sombra de dúvida, o rapaz tem que pagar pelo bárbaro crime que cometeu.

  11. MANUEL sAMPAIO says:

    Anda tudo louco. O humano não merece morrer assim é verdade, Mas tambem temos que pensar muito sobre o que aconteceu, para que isto fosse cometido. Lamento muito que os amigos do CC que o defendem, nunca lhe dissesem para não se apaixonar por crianças, este Renato podia ser neto dele?

    • Ricardo Santos Pinto says:

      Manuel Sampaio, nem todas as «crianças» são assassinas. E qualquer velho de 60 é livre de se apaixonar por uma «criança» de 20 – não é crime e a «criança» é livre, se assim o entender, de recusar.

      • Rita says:

        ca pra mim daqui a pouco tambem ta a defender o bibi

        • Ricardo Santos Pinto says:

          Rita, agradeço que não insulte outros leitores. Se quiser, insulte-me a mim. Prometo que não apagarei os comentários, como fiz em relação aos insultuosos para os ouros leitores.

          • Diana Ferreira says:

            Concordo consigo Ricardo!
            Não estamos a falar de pedofilia, mas sim de um jovem de 21 anos que por sua vez tinha consciência do que estava a fazer assim como o acto que cometeu!

  12. Carla Simões says:

    Uma história de paneleiros de faca e alguidar. Nem lamento um nem outro. Quem procura a decência leva uma vida decente, mas quem vive na merda, é como dizem os americanos: shit hapens!

  13. cristina lemos says:

    Para todos os que denegriram aqui neste post a imagem do carlos castro, apesar de eu não simpatizar muito com a pessoa, mas foi alguém vitima de um fulano que se aproveitou do dinheiro dele.Não gosto do mundo côr de rosa porque os acho todos falsos e hipócritas, mas aos que falaram mal dos homossexuais, estes gajos são uns frustrados e estes sim, deveriam ser aniquilados na face da terra, vi aqui alguns comentários contra a vítima de forma mesmo homofobica, para mim esses mesmo deveriam levar um grande castigo na vida, agora virem para aqui deixar conselhos descabidos, são sinónimo de gente que não presta na face da terra.
    A todos estes que estavam contra os homossexuais o meu desejo que tenham algo nas suas vidas de grande sofrimento para aprenderem a lidar com pessoas humanas, e ainda mais outra advertencia, estes fulanos deste post que escreveram tudo isto, esses mesmos devem andar a engatar e a responder a anuncios das chamadas bichas loucas em determinados sites de anuncios, basta pesquisar alguns e vão tirar a conclusão…lamento pertencer a esta escória de fulanos que escrevem desta forma nestes posts contra a homossexualidade

  14. Carla Simões says:

    Lamentável é este seu comentário choramingas, cara Cristina Lemos. É você, e outros como você, que vem agora em comício agitar bandeiras de defesa da homossexualidade. Do que se trata não é nem de homofobia nem de hinos à homossexualidade, mas sim de mais um caso típico em que dois seres humanos com fortes dívidas à humanidade: um porque não passava de um dirty old man, e outro porque não passa de um oportunistazito capaz de tudo para ter sucesso (que talvez nem mereça – é bom no quê?), nos contemplaram com mais um episódio triste de desgraça humana, crime e miséria sexual. Se tudo aquilo é amor… as putas de pinhal são musas!

  15. Lilou says:

    Há pessoas que se esquecem que estão a falar da morte de uma pessoa homo ou não ! A morte em si já seria bastante grave mas a mutilação não lhe da nenhuma desculpa!

  16. Beatriz Costa says:

    Penso que ninguém deveria fazer especulações! Apenas Carlos Castro e Ricardo Seabra sabem o que se passou naquele quarto de hotel! As pessoas são livres de se apaixonarem por quem for, seja que idade for, o “amor não tem idade”, porém o que não deve ser feito é os meios não justificarem os fins! A homossexualiade não é doença, não julguem as pessoas por uma part da sua personalidade

    • Carla Simões says:

      “amor não tem idade”, mas qual amor?? Tudo aquilo não passa de abuso, não deixa de ser abuso porque o Renato é maior de idade, do mesmo modo que não deixa de ser abuso o assédio de uma mulher adulta no local de trabalho. Carlos Castro é apenas mais um triste exemplo desta sociedadezinha em que quem tem dinheiro, fama ou poder se serve dele para coagir jovens incautos a servirem os seus vícios e prazeres em troco de promessas de sucesso.

      • Zeca says:

        Ele tem 21 anos vais me dizer que foi obrigado a fazer o que fez… Pf ele é adulto. ALem disse ninguem sabe o q aconteceu verdadeiramente… pra q cupabilizar o CC ou RS -.-

  17. Rodrigo Costa says:

    Caros amigos,

    Se não se importam, vou entrar na discussão: e vou começar por dizer que a homossexualidade é uma deficiência com base na disfunção hormonal —desiquilíbrio na produção de testosterona ou de estrogénio—. Falamos, portanto, de uma anormalidade. Mas —refiro, porque tem importância—, faço referência à homossexualidade verdadeira, e não à de fetiche; à que é cultivada porque um ou outro iluminado achou que a orientação sexual é da responsabilidade de cada um, inserindo-se, inclusive, numa certa forma de contemporaneidade. Pois! Por que não experimentam comer de cabeça para baixo?…

    A sexualidade não é uma questão de moda, mas de natureza. Por isso o homossexual é um ser em permanente conflito existencial ou de identidade, se preferirem, porque ninguém agiuenta a contradição entre um cérebro que pede o que o corpo não pode dar. Muito simples.

    Será isto razão para que se descrimine e segregue um verdadeiro homossexual. Não me parece, porque ninguém se faz como desejaria. Dos outros, nem me ocupo; são os pais que, desde cedo, devem procurar saber, nas crianças, o porquê de alguns tiques. Podem ter razão ou podem ser fetiche; resposta de adesão a movimentos sem sexo nem cabeça.
    Logo, não está, aqui, em causa, a homossexualidade, mas, por um lado, o comportamento de um homem que conheci e que tresandava a perversão por todos os lados; e que se servia da sua posição para vender o mundo aos que procuravam o caminho mais curto —que eu saiba, nunca tentou iludir um “velho”. Para mim, desde já, o morto também deveria ser preso.

    Quanto ao Renato… bem!, todas as viagens curtas têm as suas desvantagens, e ele não pode ser inimputável, porque conviveu tempo suficiente com alguém que teve a possibilidade de o fazer perceber tudo… Se demorou, andou distraído, porque no mundo do espectáculo e das artes, essencialmente— ninguém chega aos lugares cimeiros sem se deitar algumas vezes. Algum problema?… Desde que não dê nisto.

    Interessa-me, principalmente, conhecer o mote de tanta violência no comportamento pós-morte, digamos assim.

    Se não há, no cadastro do Renato, algo que fizesse pressentir este ou outro acto menos contundente, a pergunta é: o que o terá possuído?… O que terá levado a que odiasse tanto, tornando a expressão de repulsa tão violenta e tão demoradamente violenta?… É importante, até para estudo do comportamento humano.

    Quanto à punição, o “porquê” que refiro é chave importante, porque é necessário saber-se de onde veio e até onde pode ir tanta anormalidade, mesmo sabendo que, em cada um de nós, há um animal que, inesperadamente, se pode revelar.

    A prisão perpétua é responder com crime a outro crime, porque, entre um indivíduo de 21 anos e outro de 65… é a este que se impõe o dever de moderação. Era este senhor que, independentemente do grau de perversidade do Renato, deveria ficar no seu sítio e perceber haver sonhos que, sendo legítimos, pouco a pouco, com a idade, se vão tornando menos do que exequíveis. Se há aqui proxenetismo, foi Carlos Castro quem o favoreceu, porque, que se saiba, não foi o Renato quem o procurou e o obrigou a ir a Madrid ou a Londres… nem a Nova Yorque.

    Não consigo encontrar atenuantes para o Carlos Castro. A idader, a posição, a vontade de comprar, desfavorecendo, possivelmente, em concursos, pessoas com mais talento, mas que não o induziam aos prazeres… Vítima da sua culpa, com o Renato por instrumento.

    Como Juiz, far-me-ia acompanhar de um ou outro especialista na área da Psiquiatria, e quereria ouvir, do próprio, as razões do seu acto. Antes disso, não me pronunciaria. Depois, seguramente que lhe dava um correctivo e o puniria, tendo em conta o cadastro, a idade e o contexto; fá-lo-ia entender que a vida, sendo uma auto-estarda, apresenta-nos, de quando em vez, vielas; e que os caminhos curtos raramente são sérios. E teria em conta o comportamento da gentalha política, a quem se deve, principalmente, toda a atmosfera de desnorte. Claro que, não havendo grande anormalidade que ameaçasse a repetição de façanhas, o reabilitaria. Perderia alguns anos… ou recuperá-los-ia, porque, em actividades pedagógicas,lhe eram dados para crescimento.

    Por fim, resta-me dizer que não é um caso fácil, por ser mais do foro emocional do que do técnico.

    Fiquem bem


    • Chamaste-lhe “desequilíbrio” e “anormalidade” porque quiseste. A esse balanço de estrogénio e testosterona tb podias ter dito “é o que é” numa e noutra orientação. Dizem-no que é anormal estás perante a necessidade de descrever e defender o que consideres o fiel da balança…

      • Rodrigo Costa says:

        … Percebo que, no período que atravessamos, algumas —muitas— pessoas tenham dificuldade em distinguir os efeitos dos defeitos; a normalidade da anormalidade —em arte, há uma cambada de inábeis que beneficiam da necessidade que os papalvos têm do “diferente”, com o suporte de uns quantos analfabetos formados em história de arte, críticos e curadores, por exemplo, que não conhecem o fenómeno por dentro; não conhecendo, portanto, a etimologia do gesto. E que por isso —também por isso—, Rotko —para falar só deste— aparece como figura de proa de um cortejo que não sabe de onde vem nem para onde vai; e que passa, com indesejável frequência, pelas paragens e pelos apeadeiros do suicídio.

        Alguma coisa contra?… O que haveria eu de ter?! Cada um decide de si e da sua vida. Só não venham dizer-me —a mim— que alguém se suicidou porque atingiu o cume do conhecimento, da competência, da realização e, logo, por inerência, da felicidade.

        Claro que poderás perguntar-me ou entender, até, “que terei, agora, que descrever e defender o que considero ser o fiel da balança”. Achas, mesmo, que tenho essa necessidade? Achas que, entre o suicida e o que se agarra à vida, o que existe e os liga é o mesmo ponto de equilíbrio?…

        Felizmente, as traves são comuns e podemos falar, neste caso, da homossexualidade e dos desiquilíbrios consequentes:

        Como já referi em algum post, eu diferencio a homossexualidade da pseudo, da de fetiche; porque esta é integrada de pessoas que, tendo, física e psicologicamente, o sexo definido, não têm cabeça; porque fazem a gestão do seu destino de fora para dentro, ao contrário e ao sabor do que é ou não é “fashion”, sem se ouvirem e sem se obedecerem, sem obedecerem à sua natureza, gerando, em si, crises existencais que não fazem sentido, porque não são consequência de realidades genéticas, mas de artifícios. Não há —neste tipo de anormalidade— nenhum fenómeno bioquímico que aconteça à revelia da vontade. Primeiro ponto.

        Antes de falar da homossexualidade, começo por dizer que a morfologia serve o desempenho —no campo lexical do design há uma palavra que define bem isso, o conceito: ergonomia. O que quer dizer estar a forma pensada e concretizada de acordo com a função. Quer isto dizer, ainda, que, se, ao fim de curto tempo de te sentares, fores forçado a a levantar-te de uma cadeira ou de um sofá, porque começas a sentir cansaços ou incómodos, podes ter a certeza que a cadeira ou o sofá foram mal concebidos ou que, então, não teve em conta a tua morfologia; sentáste-te na cadeira errada —se é que a cadeira não é, em si mesma e ergonomicamente, um erro pegado.

        Pois, meu caro, um homossexual é, interiormente e à revelia da sua vontade, um ser —cérebro— sentado numa cadeira —corpo— errada: que lhe causa incómodos, a que não se ajusta; que lhe provoca dores, cansaços; que lhe influencia os humores; que lhe impõe um vida plena de contradições, porque não pode ser senão contraditório… um apátrida, no sentido sexual do termo; um ser que, neste contexto, vive na terra de ninguém.

        Como consequência, vivem o ciúme a dobrar. Porque temem, em regra, a concorrência dos do mesmo sexo e do sexo oposto.

        Não sei se fui explícito —suficientemente explícito— para que possas ver o fiel da balança.

        Quanto ao “balanço da testosterona e do estrogénio ser o que é”… de facto, é. A testosterona e estrogénio são o que são; sendo que, cada qual, é o que é, sem qualquer confusão.

        Quero, apenas, e para terminar, deixar claro que fiz uma constatação, e não a apologia do que quer que seja. E deixo claro, também, que sou contra a institucionalização da anormalidade.

        E para que não fiquem dúvidas de que a anormalidade não se restringe às dissonâncias sexuais, eu englobo o facto de o mundo, a Humanidade, estar a ser gerido ou governado por anormais, independentemente da orientação sexual. Por alguma razão o mundo, a Humanidade, se encontra no estado em que está.

        • Teresa says:

          Já tem conhecimento do poder mágico associado aos testicúlos de Carlos Castro? Mito ou Ficção?

  18. Filipe Reis says:

    Trata-se de um crime cometido com contornos homofóbicos (ódio aos homossexuais). Além dos homicídios serem punidos, a homofobia também é punida por lei.
    Só falta reabilitar o assassino, melhor dizendo, o chulo (há que chamar as coisas pelos próprios nomes).
    Agora querem dizer que o rapaz era perturbado psicol+ogicamente, e desculpá-lo por isso. Mas essa justificação também poderá servir para o Carlos Castro, e nesse caso também o desculpar. Porque razão só desculpa a um deles ?
    Há repudiar crime tão violento, e manifestar solidariedade para com a família e os amigos de Carlos Castro, e repudiar não só a homofobia como crimes deste género !
    Dizem que Carlos Castro conheceu o Renato no Face book. Isso quer dizer que o Renato já lá andava, que ele também lá estava (na secção onde homens procuram homens). Isso significa alguma coisa…

  19. Rodrigo Costa says:

    Caro Filipe,
    Pela parte que me toca, não desculpei o Renato. Disse, e repito, que, entre um indivíduo de 21 anos e outro de 65… é a este último que se impõe a moderação. Por várias razões que, se não enumerei anteriormente, faço-o agora: pela idade, pela posição e, fundamentalmente, pela “bagagem”.

    Se me disserem que o Renato o forçou a um relacionamento; que o obrigou, sob ameaça, a sustentá-lo… aí, o crime teria, necessariamente, outros contornos. Se o Carlos Castro o sustentou porque quis, limitou-se ao pagamento pelo que quis comprar. Não será assim?

    Quanto à reabilitação, não me parece que houvesse muito espaço, quanto ao Carlos. Teve anos e anos —vinte anos, pelo menos, desde que o conheci— para alterar comportamentos, sem sequer falar na questão da homossexualidade. Porém, a partir de certa altura —idade, entenda-se—, a árvore fica tão torta, tão torta que não tem remédio. Reabilitar o quê?

    Quanto ao Renato, disse, também, que deveriam ser analisados os seus antecedentes; e que deveria tentar saber-se se há indícios de predisposição para este tipo de excessos. Se não há; se nunca cometeu qualquer falta que seja, é evidente que deve ser punido, mas de forma a que possa ser reabilitado —como eu disse, é necessário saber, exactamente, o que se passou. Sem isso, não pode haver sentença.

    Quando o Filipe diz que o crime tem contornos de homofobia, está, por outro lado, a dizer que o Renato não era homossexual —é o que depreendo. De qualquer forma, ser ou não ser homossexual não é relevante. Relevante é chegar a saber qual o motivo do crime e dos moldes em que foi cometido.

  20. Alisando says:

    Li tudo atentamente e cheguei a uma conclusão :Panascas defendem a classe

    • Ricardo Santos Pinto says:

      Alisando, é o mesmo que dizer que assassinos defendem a classe. Ou prostitutos defendem a classe. Tenha juizo, homem.


  21. Afinal, quem matou quem? Afinal, qual é a verdade? Depois de ouvir as primeiras noticias, que davam conta de tão horrendo crime, e da recuperação do choque causado,ao ver do que o ser humano é capaz, algo me dizia que havia qualquer coisa que não batia certo.Um jovem e promissor modelo , ou pelo menos assim o fizeram crer, assassinava, o homem que supostamente lhe daria boleia para o tão almejado estrelato.Para uma possível boa vida financeira, quem sabe, status e relevância, mesmo que aparente, num mundo de aparências, e que alguns apelidam de…(Leia mais em: http://pageeasy.com/carloscastro/)

  22. carlos castro says:

    Eu ca é que sei o que me aconteceu. O rapaz fartou se de ter de me comer a rabaqueca e como era interesseiro queria mais e mais dinheiro e prendas para o fazer.

    Chateou-se, descolhonou-me e agora ta f*dido para a vida. E eu no quentinho do inferno a fazer-me aos filhos de sata que parecem iguaiszinhos ao Manuel Luz do Lux: Carecas de roupa colada ao corpo e com coleiras no pescoco. J´aime!

  23. Jessica says:

    Olha bebé, para já não há “normal”, pelo menos em relação às escolhas sexuais. Cada um é como é e não te aches um Deus que provavelmente és muito inferior a muitos homossexuais. Algumas pessoas dizem que ninguém é mais que os outros. Ahahah, com este post como podes ser igual a pessoas que não têm preconceitos, que se comportam minimamente bem… às pessoas ditas normais? Olha, interna-te que ainda acabas como o renato (com letra pequena!), a acabar com os espíritos da homosexualidade!!! Uuuuuuu! Ou ainda ficas gay, a sério, quanto mais se foge pior é! E se os odeias assim tanto por alguma coisa será… Medo da tentação né? *.*

Trackbacks


  1. […] Um garoto minúsculo de seu nome Renato Seabra e com 1,90m de altura, decide defender-se de Carlos Castro, um ancião musculadíssimo e bastamente capaz de aparar todos os golpes, do alto do seu metro e […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.