A mobilidade não sabe nadar, yô

Maria da Conceição Sargaço, mulher das limpezas no Ministério da Agricultura em Aljustrel, foi em 2010 parar ao quadro de mobilidade e colocada como salva vidas nas piscinas de Castro Verde. Aos 65 anos invocou a distância entre os dois concelhos, e provavelmente salvaram-se vidas nas piscinas.

Maria da Conceição, nos 5 anos que lhe restavam até à reforma, só pedia para voltar à sua vassoura, agora o estado tinha contratado “duas empresas de limpeza para fazerem o seu trabalho. “Assim estão a pagar mais do que me pagavam a mim. É por isso que gostava de voltar ao meu antigo serviço”, justificava.

Maria da Conceição, uma piegas que queria regressar à sua zona de conforto, ao adquirido direito de ser funcionária pública toda a vida, felizmente bloqueado porque algures um génio decidiu privatizar a limpeza das instalações do Ministério da Agricultura de Aljustrel, apoiando sabe-se lá que empreendedorismos. A mobilidade na função pública no seu melhor. Com a nova lei não podia invocar a distância e ia mesmo nadar para a piscina municipal de Castro Verde. Vem aí uma grande reforma na administração  pública, vai ser uma desbunda. Para quem saiba nadar, yé.

Comments

  1. lurdes valenciano says:

    triste…..as reformas feitas pelos mesmos que nos pedem sacrificios…….estamos bem governados..


  2. Faltou dizer que a sra. não sabia nadar. Não sei se isso constitui inadaptação à função laboral, talvez com direito a despedimento por justa causa.


  3. Não saber nadar assegurava-lhe salvaguardar a sua própria vida. Olhando para o retrato e idade da senhora, se soubesse nadar corria o risco de tentar salvar alguém.

Trackbacks


  1. […] aqui uma história comovente de uma trabalhadora do estado que foi obrigada a mudar as suas funções, […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.