Castigar os filhos pelas culpas dos pais

O caso da criança punida com um almoço de sandes e leite porque os respectivos pais não pagaram uma dívida de 30 euros passou para a secção ideologia.

Como a noção de serviço público não existe na cabecinha de quem odeia o estado, esse ogre, passámos às acusações aos pais, tentando defender o que qualquer dirigente escolar com um mínimo de profissionalismo condena, mas um organismo do Ministério da Educação se apressa em defender.

Calma, recomenda-se. Há uma fronteira que em política e opinião geral separa quem pensa os problemas dos seus semelhantes do lado das vítimas ou ergue sempre um dedo acusador contra os outros. A mesma que separa quem se preocupa com os credores de juros usurários, dos que se preocupam com os portugueses, e em primeiro lugar com os mais frágeis.

Nestas cabecinhas, que hoje andam aos pulinhos nas caixas de comentários, o facto de uma criança ter sido punida pelo que até pode ser um desmazelo materno, e eles existem e não são poucos, é perfeitamente natural. Vale tudo para cobrar uma dívida. O caso da directora do Agrupamento de Escolas Laura Ayres é agora uma perfeita parábola de um país e daquilo que o divide quanto à vida e quanto à crise.

Comments

  1. Miguel says:

    Eu sou assumidamente anti-estado-gordo. Mas isso não me faz um monstro. Essa directora agiu mal, foi pelo caminho fácil. E não lhe correu bem.

    Se puxasse pela cabeça iria de certeza arranjar outra forma de chamar a atenção dos pais, sem mexer na inocência de alguém.

    Infelizmente, quantas crianças serão negligências pelas atitudes dos pais…

  2. António Duarte says:

    Não estando com muita vontade de me embrenhar nos pormenores do caso do dia, constato no entanto o seguinte: todos os dias há muitas crianças que ficam sem almoço na escola. Basta esquecerem-se de comprar a senha.
    Na minha escola, quando as refeições escolares eram da responsabilidade directa da escola, nenhum aluno ficava sem comer por se ter esquecido do dinheiro ou da senha. Mas com a contratação de empresas para fornecerem o serviço de refeições as regras passaram a ser outras, e os cadernos de encargos, elaborados pela DREC, prevêem expressamente a recusa de refeições a alunos em determinadas situações. As cantinas escolares tornaram-se um negócio, e alguém tem de o pagar.
    Não paga, não arranja quem pague, não almoça. Querem lá saber se é criança ou adulto, se não paga porque não pode ou porque não quer. O lucro tem de estar garantido e as contas têm de bater certo, senão não cumprimos a meta do défice…


    • Tenho a sorte de apenas este ano ter uma empresa na minha escola, e em condições muito especiais (e pelo que me explicaram é quase impossível as escolas não optarem por este esquema, porque é insuportável comprar alimentos via central de compras).
      Mas acredito na tua experiência, e o problema de fundo é esse: privatiza-se, acaba o serviço público.


  3. Este caso é apenas mais um, entre milhares ou milhões, que demonstra que a Sociedade em que actualmente EXISTIMOS, está completamente desprovida de VALORES e foi totalmente açambarcada por INTERESSES…
    E os INTERESSES FINANCEIROS e ECONÓMICOS estão no topo das prioridades… Se algo for contra ou prejudicar estes INTERESSES é varrido da cena… Seja a NATUREZA, os ecossistemas, os animais não humanos, e claro os animais humanos…
    Deixo uma sugestão aos “senhores” dos Grupos Parlamentares: Da próxima vez que pensarem trocar BMW’s por AUDI’s, troquem por uns CLIO’s e façam uma doação do dinheiro que pouparam a estes Agrupamentos Escolares para que não tenham tanta dificuldade em fornecer Alimentação às Crianças…
    Sei que é completamente idiota esta minha sugestão!
    Abr 😉

  4. edgar says:

    O exemplo de total insensibilidade social dado pelo governo e por muitos comentadores, transformados em autênticas máquinas de calcular, tem efeitos de arrastamento a vários níveis da sociedade.

  5. Konigvs says:

    Nós vivemos tempos de governantes que odeiam o Estado, mas odeiam é o dinheiro que o Estado dá aos outros, aos funcionários públicos, aos desempregados, aos doentes crónicos entre muitos outros, a toda essa cambada que devia toda morrer duma vez porque só dão prejuízo ao país, mas o dinheiro que eles mesmos podem roubar ao mesmo Estado esse já é dinheiro muito bem gasto, é mais ou menos como aqueles gays que que quando confrontados com a homossexualidade dos outros, acham que esses paneleiros de merda deviam todos morrer.

    Depois este caso da criança que ficou sem almoço é outro exemplo da ideologia da senhora Leite & amigos do PSD que confrontada com a pergunta se não acha abominável que se questione se alguém com 70 anos tenha direito à hemodiálise? responde de imediato e sem gaguejar: “tem sempre direito se pagar”.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.