Passos e Relvas, uma história de amor

PPCMR

Não há maiores BFF’s na cena política portuguesa. A história de amor que une Pedro Passos Coelho e Miguel Relvas remonta aos tempos da JSD, com o segundo a suceder ao primeiro no cargo de secretário-geral, altura em que Passos assumiu a vice-presidência das camadas jovens do PSD. Desde então, nunca mais largaram as mãos.

Quando Relvas chegou a Secretário de Estado da Administração Local em 2002, já Passos Coelho espalhava charme nos corredores da Tecnoforma. Amigo do seu amigo, Miguel lá conseguiu que a esmagadora maioria dos fundos previstos pelo programa Foral fossem parar às acções de formação do Pedro, algumas das quais destinadas a funções que tão pouco existiam.

Anos mais tarde, quando chegou a vez de Passos Coelho governar, o amigo Relvas não ficou esquecido e foi o escolhido para a pasta dos Assuntos Parlamentares. Porém, dois polémicos anos volvidos, e apesar dos esforços do então primeiro-ministro para manter o seu amigo no executivo, Relvas lá acabou por abandonar o governo a meio do mandato, em 2013.

Mas as notícias do seu afastamento foram manifestamente exageradas. Depois de um curto período a empreender, Miguel Relvas ressurge em Fevereiro de 2014 para liderar a lista de Pedro Passos Coelho ao Conselho Nacional do PSD, conseguindo a proeza do obter o pior resultado da era passista, ficando a escassos 4 mandatos da segunda classificada, a lista da JSD. A lealdade de Passos Coelho a Miguel Relvas teve, assim, um saldo muito embaraçoso para o líder.

No fim da linha, e antes que o poder absoluto lhe ficasse vedado, o governo de Pedro Passos Coelho fez o último grande frete ao seu amigo Miguel, quando recapitalizou, com 90 milhões de euros, o Banco Efisa, vendendo-o de seguida à Pivot SGPS, sociedade de capitais portugueses e angolanos da qual Miguel Relvas faz parte, por apenas 38 milhões. Quase como se lhes pagássemos 52 milhões de euros para ficarem com o banco.

Não admira, portanto, que Relvas tenha ontem surgido a declarar o seu amor incondicional por Pedro Passos Coelho. Apesar de estar da saída dos órgãos do partido, o BFF de Passos Coelho apoia a recandidatura do ainda líder do PSD, considerando-o “o melhor”, aquele que operou um “milagre”. Juntos até ao fim, até que o Organismo Europeu de Luta Antifraude os separe. Que bonita história de amor!

Comments

  1. tancredo says:

    (O) Laranja Mecânica

    As duas partículas estarão entrelaçadas?
    Será uma transmissão por acção fantasmagórica à distância?
    .
    Existe um universo invisível que governa tudo o que vemos. É só abrir os olhos.

Deixar uma resposta