O maior erro !

Há trinta e tal anos começou a construção de habitação nos suburbios das cidades.
O maior erro, na opinião do Bastonário da Ordem dos Engenheiros. Esse investimento devia ter sido canalizado para os centros históricos urbanos, fixando aí as pessoas, poupando-as ao trânsito, ao tempo perdido na entrada das cidades.
Hoje ninguem tem dúvidas que a sustentabilidade dos países passa pela dinâmica das cidades, tornando-as atractivas para a habitação, arrastando as actividades económicas.
Há mais de 800 000 fogos para reabilitar o que dá trabalho às empresas para cerca de 10 anos. E é emprego imediato, em empresas nacionais, activando as PMEs que contribuem com cerca de 70% do emprego.
Há já bons exemplos de sucesso, como Évora, que tem vindo a desenvolver um trabalho meritório neste campo. A qualidade de vida em Évora é já reconhecida, cerca de 80% das pessoas inquiridas se mudassem de terra para viver, escolheriam esta cidade.
Este trabalho teria um impacto imediato na saída da crise . Mas este governo e o seu chefe, preferem a aventura dos grandes projectos que, a fazerem-se, irão lançar o pais na pobreza.
Temos o dever de fazer ouvir a nossa voz contra a megalomania deste governo, a pressa que não se percebe mas que se adivinha.
Já hoje ninguem tem dúvidas que seremos o país que mais dificilmente sairá da crise e em pior estado, com uma dívida externa colossal, uma economia estagnada.
É tempo de dizer basta ! As últimas eleições já foram um grito de alerta, espera-se a bem de Portugal e dos Portugueses que esse grito se faça ouvir com mais força nas próximas eleições legislativas e nas autarquicas!

Comments


  1. “Há trinta e tal anos começou a construção de habitação nos suburbios das cidades. O maior erro, na opinião do Bastonário da Ordem dos Engenheiros.”Hoje, 30 anos depois é fácil falar. O problema é que há 30 anos os centros não estavam assim tão desabitados. Eram residentes neles muitas pessoas mais ou menos idosas, que entretanto faleceram ou mudaram. Os filhos já não moravam por ali, mas sim nos subúrbios. Não regressaram porque ficou caro alugar e recuperar. E as autarquias não souberam prever o que se iria passar.

  2. maria monteiro says:

    Évora vive de estudantes e de turistas. Com Câmara PS chegou muito dinheiro para rotundas e recuperações. O que é certo é que as gentes de Évora estão cada vez mais descontentes …

  3. dalby says:

    Onde o Luisinho do Areeiro vive este problema não se coloca obviosuly!!!

Deixar uma resposta