Ruy – Ainda a propósito da crise e do G 8*

Esta crise é a primeira e mais profunda crise do imperialismo, do capitalismo na sua fase superior, dos oligopólios, das oligarquias financeiras mundiais, da globalização, do neoliberalismo.
São de uma natureza diferente e nova, as causas da actual crise económica e financeira. Nunca como agora exorbitantes somas de capital são retiradas do reinvestimento para ingressarem na especulação financeira – as trocas especulativas diárias são da ordem de 1,5 triliões de dólares por dia, enquanto as trocas de bens e serviços realmente existentes mal atingem os 25 biliões, algo como 60 vezes menos. Este, um dado novo, que condiciona o desenvolvimento económico capitalista como nunca antes se tinha presenciado. Ao desviar-se o capital do investimento para a especulação, decresce o investimento produtivo e com ele aumenta o desemprego e decresce o crescimento económico. Foi a especulação financeira global a responsável pela actual crise. E não é crível que passados os tempos desta fase critica, com a “retoma”, a especulação financeira tenda a regredir. Pelo contrário, ela ressurgirá e seguramente com mais pujança ainda, arrastando os países para um menor e mais acelerado crescimento económico, maiores taxas de desemprego e maiores desigualdades sociais.
É em torno da Bolsa e dos operadores financeiros, internacionalizados como se encontram, que reside a grande especulação financeira mundial. Todos parecem sentir alívio com a subida dos índices bolsistas a que assistimos nestes últimos dias. Todos pretendem regressar e depressa a um mundo financeiro em tudo igual ao que precedeu a crise. Não compreendem ou não querem compreender que desse modo estão a cavar os alicerces de uma inevitável, mais rápida e profunda crise futura.

* Ruy é leitor do Aventar e autor do blogue Classe Política

Comments

  1. Luis Moreira says:

    Uma das lições que se podem tirar desta crise é que nada pode ser igual. A especulação ( a que alguns chamavam o “óleo” do sistema) não pode tirar o lugar à economia real, à produção de bens e serviços.Mas, para já, há que parar a sangria .