A retrete de Santana Lopes

Casa de Banho pública na Figueira da Foz – Aluguer custa cerca de 300 mil euros

wc-figueira-da-foz

Autarquia paga 19 euros por cada pessoa que utiliza o equipamento

Munícipes já pagaram perto de 200 mil euros por um serviço que é utilizado por menos de quatro pessoas por dia.

“É um contrato desastroso para a autarquia”, qualifica o vereador José Elísio, em declarações ao DIÁRIO AS BEIRAS. O sanitário instalado na Praça 8 de Maio (também conhecida como “Praça dos Táxis”) está a ser utilizado, em média, por 3,6 pessoa por dia. Assim, cada vez que alguém o utiliza, os munícipes pagam cerca de 19 euros. Por seu turno, os utilizadores desembolsam 20 cêntimos.
O equipamento foi ali colocado em regime de aluguer no mandato de Santana Lopes. Decorridos 10 anos, a câmara já pagou cerca de 200 mil euros. Mas o contrato só termina em 2013, o que representa uma despesa de 110 mil euros. “Teria ficado muito mais barato construir lavabos públicos na Praça da Europa, como venho defendendo desde antes de ser vereador”, advoga José Elísio.
Aquele membro do executivo municipal adianta que está a equacionar uma eventual rescisão unilateral do contrato. “Poderemos vir a optar por denunciar o contrato, já que foi um péssimo negócio para a câmara”. Além da “verba elevada” que os figueirenses pagam pelo aluguer, “o equipamento é pouco procurado”, destaca José Elísio. Até ao início da semana passada, o sanitário tinha sido utilizado 1.132 pessoas.

Exemplo “ruinoso”

Se o vereador do Ambiente avançar para a rescisão do contrato, a edilidade tem de pagar uma indemnização de 20 mil euros. Contudo, como os referidos números indicam, a câmara sai a ganhar, ao poupar 90 mil euros. A inauguração teve honras de uma cerimónia, com a presença de autarcas do executivo municipal da altura. O contrato inclui limpeza e manutenção.
António Tavares, vereador da oposição, foi mais longe nas críticas à solução encontrada pela equipa liderada pelo antigo primeiro-ministro. “À devida escala e na devida dimensão, este é o exemplo do que foi a gestão financeiramente ruinosa do dr. Santana Lopes”, acusa. O sanitário, preconiza, “faz mais sentido no “Parque das Gaivotas”, pela procura, dado tratar-se de uma zona de paragem de excursões”. E remata: “com todos esses gastos, também não percebo como é que a actual gestão camarária não fez nada para resolver esta situação”. Aquela que deverá ser a “casa de banho” pública mais cara da cidade foi instalada num zona de passagem, na Baixa figueirense.

Diário As Beiras, 6 de Julho 2009

Imagem roubada na Outra Margem

Comments

  1. Luis Moreira says:

    “Os apertos de barriga” são maus conselheiros…


  2. A Fundação Amélia das Marmitas, ao menos, é de graça :-)http://ameliadasmarmitas.blogspot.com

  3. Luis Moreira says:

    a Amélia dos olhos doces anda por aí?

  4. maria monteiro says:

    lavabos públicos é coisa de gente pobre, é para freguesia rural …

Deixar uma resposta