Poemas com História: Luto em Outubro

Este poema foi escrito em 11 de Outubro de 1967, quando se confirmou a morte do Comandante, pois passáramos os dois último dias na dúvida se o que constava sobre a sua execução era verdade ou manobra de intoxicação. No dia11 os jornais traziam a fotografia de Guevara morto, estendido sobre uma padiola em Valle Grande, de olhos abertos. Num grupo de amigos, reunidos em torno das notícias, havia quem duvidasse, mesmo assim, que fosse verdade. Foi um dia negro. Guevara que saíra de Cuba, todos o sabíamos, por não suportar ver a Revolução submeter-se a um imperialismo para fugir a outro, constituía para os que amavam a liberdade a esperança numa «terra sem amos». A nossa tristeza era indizível. Vim para casa e escrevi este texto que, mais tarde, publiquei em «A Poesia Deve Ser Feita Por Todos».

Luto em Outubro

Onze de Outubro – há um rosto
que ensanguenta o jornal
e anoitece o dia –
Guevara caiu sob o céu da Bolívia,
morto na sua guerra pela paz.
Flor que nasce negra na tarde
triste e fria,
a sua fotografia é um cartaz
desfraldado ao vento da história.
É um rosto
que ensanguenta a página
e anoitece o dia.
Uma lâmpada apagou-se na treva
debruçada sobre a terra americana
– silêncio no teu fuzil de esperança,
Comandante,
tombado no teu posto de combate.

As palavras nos teus lábios
não eram só palavras,
mas acção.
Espingardas e punhais
dentro da tua voz havia.
Hoje há um rosto, sim um rosto,
que ensanguenta o jornal
e anoitece o dia.

Guevara caiu no seu posto,
cremado o seu corpo, as cinzas
sobem no ar da América,
saúdam as estrelas,
beijam os pássaros,
caem
como chuva justiceira,
pranto dos humildes
de todo um continente
que de escuridão se cobre.
Milhares de mãos se estendem
para empunhar as tuas armas órfãs.
Sim, há um rosto em Outubro
que ensanguenta o jornal.
Há um rosto vitorioso
que anoitece o dia.

Comments

  1. Rosarinho says:

    Luto (de sofrimento e pesar) e luto (do verbo lutar).Há “Lutos” que fazem redobrar energias e ir à luta… Neste caso, El Che continua vivo!Atenção aos seguintes versos:”Wild and free was Che Guevara[…]Like a farmer, walks Che GuevaraBearing songs to sow the world with light[…]A guiding hand is Che Guevara[…]Brave men show the way and brave men followThe Earth births heroes when a hero diesA hero’s hero is Che GuevaraMeeting death with morning in his eyes.”A LUZ de El CHE continua a iluminar o nosso caminho. De cada vez que matam um herói, nascem fertilmente mais heróis.Aqui deixo o poema completo.Che Guevara(Peggy Seeger)The hunt is over, the hounds are wearyThe hunter’s home and laid him downWild and free was Che GuevaraTill torn and spent, they brought him to the ground.The stars are lost in the fields of darknessHunters’ moon stalks the empty nightLike a farmer, walks Che GuevaraBearing songs to sow the world with lightThe way is dark and beset with dangerThe road may end in a prison cellA guiding hand is Che GuevaraTo lead us passsed the place at which he fell.Brave men show the way and brave men followThe Earth births heroes when a hero diesA hero’s hero is Che GuevaraMeeting death with morning in his eyes.In jungle earth, the hunters laid himNo stone to mark the lonely graveThen farewell, comrade Che GuevaraWe will clear the trail that you have blazed


  2. Não conhecia este poema de Peggy Seeger (Ewan Mac Coll). Muito obrigado.

Deixar uma resposta