Entrevista a António Barreto

Mais do que as palavras foi o tom. Profundamente desiludido, de alguem que já não vê saídas, de quem teve esperanças e as viu morrer uma a uma. António Barreto, admite que possa acontecer nos anos mais próximos uma emergência nacional.

 

A Justiça é um aglomerado de interesses, de conluios, de cumplicidades, de magistrados e Juízes que se passeiam entre os tribunais e a política, o que explica o dormir de processos nas gavetas durante anos e anos, as fugas de informação nos momentos que interessam e que nunca são investigadas.

 

O medo dos políticos perante os magistrados o que os leva a nomeá-los para cargos e honrarias.O poder oculto que toma as decisões quanto ao que é de levar até ao fim e o que é de ficar pelos arquivos, o mesmo que alimenta a comunicação social, deixando na sombra o que não interessa revelar.

 

A fuga de cérebros e quadros que tomam como alternativa viver e trabalhar lá fora, já que cá dentro não há lugar para os mais novos e para os mais velhos. Um país que não consegue segurar os seus quadros não tem futuro.

 

Anos e anos perdidos por não se dar a devida atenção à criação de riqueza para exportação, as importações que consumimos à custa de endividamento externo, as empresas com resultados milionários sem risco no mercado interno. A inovação que não temos, a produtividade que não conseguimos, a tecnologia que não inventamos.

 

Um país definitivamente adiado?

Comments


  1. É verdade. Mas eu acho que, ainda que o cenário fosse brilhante, ele teria sempre aquele ar deprimido de quem vê tudo cinzento. Para alguma da nossa intelectualidade a tristeza e o pessimismo são uma manifestação de lucidez e a alegria é dos tontos. 


  2. Bem visto, Carla. O pessimismo dá um ar de seriedade.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.