António Barreto e os aspectos

Segundo Barreto, aspetos novos. Efectivamente, os aspetos são novos, exclusivosdesnecessários — além de maus e preocupantes.

António Barreto e o ódio primário anti-comunista

Barrete

Disse o douto académico, dono de um vasto e brilhante currículo, em entrevista à RTP:

Em 100 anos, nunca vi um partido comunista no poder que governasse com eleições livres, com partidos políticos, com liberdade de expressão, sem exilados, sem presos políticos.

Não admira que tantos à direita elogiem hoje António Barreto, homem que em tempos aparentava ser de esquerda. Que ele não se reveja ou sequer concorde com a ideologia comunista é algo perfeitamente normal. Apesar do ciclone fascista que ontem atingiu o nosso país, creio ainda viver num país democrático onde cada um (ainda) tem direito à sua opinião. Mas choca-me que alguém tão erudito, alguém que se dedica ao estudo sociológico, alinhe neste tipo de discurso sectário, quando o mais certo é serem do seu conhecimento a esmagadora maioria dos exemplos referidos pelo jornalista Paulo Pena no Público, exemplos esses que invalidam por completo a generalização simplista contida na citação transcrita, a soar a sound bite de direita. Será ódio primário anti-comunista? Se não é parece.

Foto@I

Não precisamos de uma nova Constituição, coisíssima nenhuma

jornal i fds 26102013

Ao contrário daquilo que nos diz António Barreto – e atendo-me à primeira página do jornal i –, não precisamos de uma nova Constituição, coisíssima nenhuma (lembrando, de novo, um dos clássicos do nosso tempo).

A Constituição que temos serve-nos perfeitamente. É suficientemente assustador imaginar-se uma Constituição (sim, da República Portuguesa) com grafias estranhas em português europeu, como ‘projeto’ [sic] ou ‘respetiva’ [sic]:

Se a Assembleia da República rejeitar o projeto [?] ou lhe introduzir alterações, remetê-lo-á à respetiva [??] Assembleia Legislativa para apreciação e emissão de parecer (CRP, art. 226.º, n.º 2).

Agora, imagine-se uma CRP com algo de semelhante a

  • “qualquer outro *fato que o incapacite para o exercício da função presidencial” (CRP, art. 124.º, n.º 3)
  • “indispensável *contato com os cidadãos eleitores” (CRP, art. 155.º, n.º 1);
  • “decisões contraditórias das *seções” (art. 224.º, n.º 3).

Como as coisas andam, é altamente provável que disparates destes aconteçam. O Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990 já fez estragos suficientes. É escusado dar-se também cabo da Constituição da República Portuguesa.

Blast from the past [expropriações Reforma Agrária]

lei_barreto

António Barreto, então Ministro da Agricultura e das Pescas [I Governo Constitucional, 1976-1978], autor da famosa Lei Barreto que pôs fim à ocupação das propriedades. Em fundo, o então Primeiro-ministro Mário Soares

O Tribunal Europeu dos Direitos do Homem condenou o Estado português a pagar cerca de 1,5 milhões de euros de indemnização às famílias que viram as suas herdades expropriadas em 1975. A factura pública atingirá mais de 240 milhões de euros, segundo o Público. Pelo andar da carruagem europeia dos Direitos do Homem, lá para 2050 as vítimas das políticas do Governo Passos-Portas poderão esperar ser ressarcidas.

Freira em limpeza de convento

Antonio Barreto_Freira em limpeza de convento_Madrid
António Barreto, Madrid, 2012.

Que têm em comum António Barreto, Dias Loureiro, António Borges e Artur Santos Silva?

Serem, ou terem sido, trabalhadores de um grupo exemplar.

Miséria de discursos em discursos da miséria

O sr. Silva, presidente de alguns portugueses, apelou à frugalidade e ao sacrifício. Para dar o exemplo e a partir de agora em Belém só se come sopa e uma sardinha será dividida pelos comensais. Com a sua peculiar memória queixou-se do abandono dos campos e da agricultura. Não se recorda de ter negociado com a na altura CEE esse mesmo abandono, ou daquela fantástica profusão de veículos todo o terreno ter brotado do nada no seu reinado de governante.

Às tropas Cavaco Silva deu o conforto de avisar que mesmo em tempo de vacas muito magras não se pode poupar na segurança. Reparem: segurança, e não defesa. Ficamos pois a saber que para os lados do poder se teme que as polícias não cheguem para conter as ruas.

O político António Barreto disse mal dos políticos. Rotina, portanto. E quer uma revisão constitucional que nos dê governos estáveis, como o proclamam todos os políticos de direita desde 1976. Ou seja: maiorias artificiais, e desprezo pelo voto dos portugueses. Há alturas em que nem sei se o passado de democrata de António Barreto pode ser considerado no presente.

Exposição de António Barreto


Um longo percurso, quase como uma reedição do Grand Tour de outros tempos. O Portugal urbano e rural, o Magrebe e o antigo reinos dos faraós, completam à perfeição, a procura das imagens de uma bem conhecida Europa e de uns tantos novos monumentos que marcarão o nosso tempo, ou dada a fraca perenidade do cimento, talvez não. Vidas indiferentes ao curioso que as capta, as grandezas e misérias que fazem o todo, eis uma bela exposição fotográfica a visitar.
“Ler a fotografia de António Barreto vai ser possível na Galeria Corrente d’Arte a partir de 11 de Novembro e até 30 de Dezembro de 2010. Na inauguração da exposição será lançado o livro de António Barreto em coautoria com Ângela Camila Castelo–Branco, “António Barreto: Fotografias, 1967 – 2010”, editado pela Relógio d’Água Editores.”
[Read more…]

Entrevista a António Barreto

Mais do que as palavras foi o tom. Profundamente desiludido, de alguem que já não vê saídas, de quem teve esperanças e as viu morrer uma a uma. António Barreto, admite que possa acontecer nos anos mais próximos uma emergência nacional.

 

A Justiça é um aglomerado de interesses, de conluios, de cumplicidades, de magistrados e Juízes que se passeiam entre os tribunais e a política, o que explica o dormir de processos nas gavetas durante anos e anos, as fugas de informação nos momentos que interessam e que nunca são investigadas.

 

O medo dos políticos perante os magistrados o que os leva a nomeá-los para cargos e honrarias.O poder oculto que toma as decisões quanto ao que é de levar até ao fim e o que é de ficar pelos arquivos, o mesmo que alimenta a comunicação social, deixando na sombra o que não interessa revelar.

 

A fuga de cérebros e quadros que tomam como alternativa viver e trabalhar lá fora, já que cá dentro não há lugar para os mais novos e para os mais velhos. Um país que não consegue segurar os seus quadros não tem futuro.

 

Anos e anos perdidos por não se dar a devida atenção à criação de riqueza para exportação, as importações que consumimos à custa de endividamento externo, as empresas com resultados milionários sem risco no mercado interno. A inovação que não temos, a produtividade que não conseguimos, a tecnologia que não inventamos.

 

Um país definitivamente adiado?