Dos cães

 O escritor Mário Cláudio publica hoje, na sua “Agenda”, um elucidativo retrato de um canil de uma cidade não identificada. O título sintetiza o tom geral do texto: “Descida ao Inferno”.

 

Não me conto entre os activistas da causa animal. E isto deve-se fundamentalmente ao facto de considerar que os direitos dos humanos ainda estão longe de cumprir-se, questão que me parece mais prioritária. Também não me inclino, como alguns, a considerar que o conhecimento dos humanos nos aproxima mais dos animais, porque não estendo a toda a humanidade os defeitos de uns poucos.

Mas considero que é dever de todos repudiar qualquer tratamento cruel que seja infligido a um ser vivo, admitindo, porém, que essa minha convicção está tingida pela contradição de eu não ser vegetariana.

 

Há uns anos, quando cá em casa foi decidido que era hora de adoptar um(a) companheiro(a) para a rafeira Changana, fomos a um canil. Nas suas celas de cimento frio, ainda esperançados pela possibilidade de serem escolhidos, ou já resignados à morte certa, sucediam-se os encarcerados. Quem os guardava desprezava-os, era evidente. A cada novo corredor, o percurso ia-se fazendo mais angustiante.

A escolha era impossível, e o ambiente era propício a que os visitantes fossem carregando aos ombros, a cada passo, o peso da crueldade da sociedade humana, como se dela fôssemos os desapiedados responsáveis.

 

Acabámos por escolher um rafeiro velhote, que fora abandonado nas ruas quando perdera os encantos da juventude. O veterinário iria diagnosticar-lhe uma doença cardíaca que o poderia fulminar a qualquer instante, e passámos os primeiros dias à espera de vê-lo tombar ao mínimo esforço. Ele resistiu e ao fim de uns meses era o pai orgulhoso de uma ninhada de sete. 

 

Foi justamente com essa ninhada de encantadores cachorrinhos que descobri que a relação com os animais é, na verdade, um delicioso potenciador das relações entre pessoas. Conseguir uma família para cada um dos seis que decidimos oferecer ocupou-nos várias semanas.

Um foi para uma família que lhe chamou Jardel, o goleador da época, outro foi parar a Mortágua, de onde era a amiga que o adoptou. Eu começara a conduzir pouco antes e quase nos espetava contra uma parede quando os fui levar á estação de comboios, mas acabámos por sobreviver. Outros dois foram para famílias da vizinhança.

 

Um dos cachorros, talvez o mais bonito, foi adoptado por uma família dona de uma rede de sapatarias, e transformou-se, em poucos meses, de filho de rafeiros em herdeiro de um império. Nas primeiras fotos que nos chegaram, ali estava ele, muito penteado, instalado em cima de um sofá aparentemente caríssimo, com uma coleira de brilhantes e ar de quem se instalara na vida.

Restava-nos um problema, uma cachorra difícil, a única que não brincava com os irmãos e resistia a carícias, e que ninguém escolhera. Pensámos em ficar com ela, juntamente com outra, a mais gorda e pesadona, que também não era muito cobiçada e que já tínhamos decidido deixar cá em casa.

Acontece que um dia em que regressávamos a casa com a difícil, talvez do veterinário, já não me lembro, uma das senhoras que trabalham na rua junto a umas pensões ao pé da nossa casa de então, a viu e ficou, claramente, apaixonada. Ganhou coragem para meter conversa, elogiando o bicho, e nós, interesseiros, vimos uma oportunidade. As vizinhas metediças passavam com ar horrorizado, calculando que acertaríamos as condições de algum "ménage à trois", enquanto nós ficávamos a saber que a senhora vivia sozinha com uma filha de oito anos, e que a menina tinha muitas dificuldades em estabelecer relações com outras crianças, permanentemente encerrada sobre si mesmo, receosa do mundo e dos outros, os mesmos que já a tinham magoado.

Uma semana depois éramos recebidos na casa delas para levar-lhes a cadelinha. O encontro entre o animal e a criança foi dos episódios mais comoventes a que assisti. Pareciam ter reconhecido de imediato uma na outra o aconchego que buscavam sem saber onde. Tornaram-se inseparáveis, soubemos depois, e a amizade da cadela viria ser fundamental no percurso daquela criança.

E a nossa cadela gorda sofreu um transformismo digno de uma borboleta. Em poucos meses, transformou-se num bicho esguio, capaz de saltar a alturas improváveis, e que, durante a sua turbulenta adolescência, foi uma delinquente que saltava o muro para ir matar, numa orgia de sangue e penas esvoaçantes, as galinhas da vizinha.

Também podia falar-vos dos gatos, em particular do intrépido Pancho, que adoptou como lema de vida a divisa "vive depressa, morre jovem", mas por hoje não vos maço mais.  

 

Comments


  1. “Nada beneficiará mais a saúde da humanidade e aumentará as chances de sobrevivência da vida na Terra quanto a dieta vegetariana.” – Albert Einstein (Nobel – 1921)   http://www.apasfa.org/futuro/frases.shtml (http://www.apasfa.org/futuro/frases.shtml)


  2. E aquilo que se gasta em ração para o gado, nos países desenvolvidos, era suficiente para acabar com a fome no mundo (Peter Singer). No meu caso, que já fui mais vegetariano do que sou hoje em dia, o que me preocupa mesmo é a forma como os animais são tratados ao longo da sua vida, mais do que a morte propriamente dita.


  3. É pá, eu sempre comi pouca carne, mas agora já não a suporto.. Vocês são mesmo muito eficazes, benza-os Deus!


  4. também concordo.


  5. BEIJOS DALBY


  6. MISS ROMUALDA, nao sei o que aconteceu carlita mas nao consegui emitir o post aqui volto: se quiseres dou te boleia para o almoço do aventar em coimbra..nao tenho dito nada pois ando aflititio com o meu pos doc o meu orientador não facilita tanto como o teixeira lopes e obriga me a dar o duro a ler e muuito..olha tens d eir..eu nao posso prescindir sem as mulheres poucas do aventar..se os machos do aventar me apanham a jeito deixam-me marcas para o resto da vida  carlita..tendes d eme defender..o que seria eu sem as mulheres na minha vida’??? NADA ABSOLUTLY NOTHING! E mais sou a favor do casório gay..vai se la perceber as incongruência da vida!! Bem vou para o h club refortalecer o corpinho dalby iturra moreira de sá e santos pinto romualdo