Os professores avaliados não podem ser prejudicados

Arranjem uma solução transitória até entrada em vigor do novo modelo de avaliação mas os professores avaliados não podem ser prejudicados. Cumpriram com o que as escolas lhes indicou.

 

Muito menos os professores com notas de excelente e de bom. Ainda compreendo que quem está pouco satisfeito com a nota que obteve ou que não foi avaliado, não veja a nota ter consequências na sua carreira, mas os que trabalharam para a avaliação não podem ser prejudicados.

 

Felizmente que hoje já se fala em novo modelo não se colocando em causa a avaliação, mas espero que o novo modelo não seja o do PCP que quer "avaliar as escolas, não os professores" o que quer dizer que os professores continuam a ser avaliados todos como excelentes e subirem todos ao topo da carreira.

 

O PCP o que propõe é uma avaliação sem consequências, o igualitarismo, todos iguais, "para função igual, salário igual" quando o que se pretende "é trabalho igual, salário igual" o que é bem diferente, leva em conta a produtividade do professor.

 

Claro, que o Mário "alucinado" já anda aí a fazer ameaças, ou é como os sindicatos querem ou vamos para a luta.

Comments

  1. maria monteiro says:

    PCP “PROPÕE um modelo centrado na escola, focando a perspectiva formativa em detrimento dos efeitos da nota, EXIGE suspensão do actual modelo e fim da divisão entre professores e titulares”

  2. maria monteiro says:

    BE “QUER avaliação integrada da escola e do professor, mas em ano de transição de escalão. Quer abolir as quotas. EXIGE suspensão do modelo e o fim da divisão entre professores e titulares.


  3. Pois, Maria, o PCP não quer que a avaliação tenha consequências na carreira dos professores.

  4. Fernando says:

    E os que perderam tudo e mais alguma coisa com esta palhaçada e que foram avaliados e não progrediram por causa do congelamento da carreira. Haja respeito. Só agora é que houve avaliação? Há que falar deste assunto, sabendo todos os pormenores do jogo, porque é tudo uma questão de pormenor. Ideias feitas e poluição sonoro-ideológica só revelam falta de seriedade.

  5. maria monteiro says:

    gosto principalmente da falta de seriedade das escolas que fazem selecção no ingresso dos alunos… a avaliação das escolas também passa por aí … e que os professores não se fiquem mudos e calados quanto a essas situações…


  6. Oh Maria, este homem (o toninho do areeiro) ainda me vai desgraçar!!UM DESTE DIAS DESCONTROLO-ME E ENTRO DE CAÇADEIRA NA MEXICANA E FAÇO UM DISPARO MAS NAO GERAL, DISTINTIVO..E DE CASTIGO DISPARO-LHE PARA O MEIO DAS PERNAS..AI ELE VAI VER SE O MARIO TINHA RAZAO OU NAO!! DALBY


  7. Não,Fernando, não há falta de seriedade. Falta de seriedade seria beneficiar quem não cumpriu.


  8. E se ler com calma o meu poste, vê que eu admito que ninguem seja prejudicado, incluindo os que ficaram fora ou foram prejudicados no decorrer do processo. mas prejudicar quem cumpriu,nunca!

  9. Pedro Rocha says:

    A avaliação dos professores é uma realidade que deve ter em conta o resultado do seu trabalho ou seja, o conhecimento que os alunos adquiriram.Não venham com falsas questões de factores externos à sala de aula porque nas empresas os profissionais também trabalham e são obrigados a ter resultados mesmo quando a empresa exporta ou não, tem lucro ou não, tem concorrência ou não.Existe uma lei que deve ser cumprida e nunca poderá uma minoria querer prejudicar quem cumpre e se esforça por cumprir e melhorar essa lei.Em vez de se falar tanto no estatuto de carreira era melhor que todos aqueles que tanto defendem os coitadinhos olhassem para o dicionário e percebessem de uma vez por todas que só aí, o sucesso vem antes do trabalho.


  10. É isso, Pedro, todos nós que trabalhamos na privada somos avaliados, e ainda não desistimos…