afinal, os terroristas quem são?

Assembleia da República, sítio de griteria e acusações: todos responsáveis pelo desgoverno. Ai se Afonso Henriques fosse vivo!

Estes dias que vivemos, parecem-me estarem cheios de tristezas, injustiças e lágrimas, bem como de solidariedades, declarações, debate, uso da razão, uso das emoções. É um falar constante dos acontecimentos que sobre nós caem. Corpos mortos, corpos feridos, fuga do perigo, vida de terror. A resposta à pergunta do título podia ser simples: os que matam sem motivo ou sem motivo aparente provocam depressão a outros seres humanos. Se quisermos uma lista do terror sobre os seres humanos, basta-nos ler o jornal e ver que desde 2002 em Bali, até ao dia 7 de Julho deste ano, ocorreram oito actos denominados terroristas e, consequentemente, tivemos mortos, feridos, seres triste… um mundo dividido.

A pergunta tem outra resposta. Não é para entrar na História da Humanidade, aquando Eva seduz Adão para ser divino, Caim mata Abel, Noé constrói um imenso

barco para fugir das águas dos mil dias, as guerras. Ou, definir a luta de classes. Não apenas à Marx de 1864, ou Durkheim de 1888 e também Mauss de 1923: toda a nossa legislação de segurança social, este socialismo de Estado, se inspira no princípio seguinte: o trabalhador deu a sua vida e o seu trabalho à colectividade por um lado, aos seus patrões por outro, os que beneficiaram dos seus serviços não estão quites com ele através do pagamento do salário. Devem-se lhe oferecer , uma certa segurança na vida, contra o desemprego, contra a doença, contra a velhice e a morte, como escreve detalhadamente o nosso sábio Marcel Mauss,  na página 187 da versão portuguesa de 1988 do seu livro Ensaio sobre a Dádiva, Edições 70, 2001, tradução do seu texto de 1924 Essai sur le don. Formes et raison de l’echange dans les sociétés archaïques. Publicado no L´Année Sociologique, Félix Alkan, Paris. Parágrafo fundamental para entender a questão que abre o texto, para ajudar a explicar os factos que nos aterrorizam e nos enchem de raiva, tristeza e incompreensão.

O terrorismo não aparece de entidades desconhecidas. Ele surge do lucro que os grupos mais ricos são capazes de organizar nesta vida, apesar de pretender na vida pública serem do povo, eleitos pelo e para o povo. Não é em vão que um dos atentados, o mais recente, acontece na abertura da cimeira dos G 8, o dia que começam os trabalhos dos oitos grupos sociais mais ricos do mundo para pensar como acumular processos de mais-valia entre o operariado e assim desenvolver tecnologia, ganhar três recentes e violentas guerras, retirar riqueza da força de trabalho universal, serem capazes de juntar água e azeite em Gaza, etc. Os Presidentes Socialistas não são derrubados: todos são socialistas hoje em dia e, quando houve um primeiro nos anos 70 do Século XX, foi assassinado. De comunistas, nem falar: o muro de Berlim caiu nos anos 80 do Século XX e o Papado conseguiu deter invasões dentro da Europa nos anos 90: Karol Wojtila, como hoje sabemos, telefonou para um número do Kremlin e a Polónia ficou livre…

A luta de classes, também defendida por Émile Durkheim em 1882 e 1903, consiste em desfazer a força de trabalho, retirar os seus meios de transporte, impingir medo numa população que procura companhia, reciprocidade, colaboração, poupança, trabalho, desenvolvimento, carinho, reprodução, família. Descanso nos dias devidos e obras-primas nos de trabalho. Essa é a população atingida para ferir o lucro dos mais ricos, destruir a tecnologia e tornar a construir o que antigamente apenas as guerras desfaziam: a materialidade da vida. Vi a 7 de Julho um Londres de milhares de habitantes, voltar a pé na denominada hora de ponta. Sem uma queixa, sem um pranto, sem revolta. Diferente de Atocha, que derrubou a gestão de um dos 8, ou de Nova Iorque, que até ao dia de hoje semeia o pânico na população, enquanto mantém uma guerra que é aceite e participada, pelo denominado G8, terrorismo. Conceito calmamente não exibido nos media, nos dias seguintes, os de volta ao trabalho.

Terrorismo pago pelo próprio povo que caminha em novos impostos, em mortos, em feridos a cuidar. Ideias e factos para comentar desde muito cedo com os mais novos, retirar-lhes o medo, explicar as diferenças de comportamento entre islâmicos e cristãos e o respeito que estas ideias causam. Esta deveria ser a primeira aula de toda a pequenada em qualquer língua. Na medida em que o trabalho retira mais-valia ao autor da obra, acumula lucro a grupos governados pelo G8, que a seguir, reconstrói a tramóia operária na base do conceito Pátria e Nação, paga das poupanças dos que, no dizer de Mauss, não estão quites com o seu Estado.

A dor é grande ao reparar quem é o terrorista e o uso que se faz do conceito para virar de avesso a guerra entre classes, culturas e religiões. Mais uma vez, ficamos de luto…

Ficamos de luto porque não há dia em que não se publique uma lei para anunciar mais um imposto, mais um aumento de preços, mais indústrias que fecham e trabalhadores desempregados, desacordos entre os partidos políticos que nos governam e o cumprimento de apoio para o orçamento do Estado que nos deve governar em 2011. De luto também, pela redução dos vencimentos, e a aplicação de uma taxa moderadora para os que ganhem mais do que 50.000€ por ano, a par de reduções de medicamentos antes comparticipados, hoje mais caros que ontem.

É anunciado que todas estas alças devem apenas começar em Janeiro de 2001, mas os transportes públicos custa mais 5% desde ontem, 27 de Julho de este ano de Graça do nosso Senhor de 2010. E os comestíveis, quem tem anunciado a subida do IVA em cada produto? Apenas sei que estou a comer menos.

Este governo é uma fantochada que congela as pensões, reduz as consideradas mais altas, por outras palavras as de mais de 400€ por mês e os ataques à riqueza exibida nas monstras começam, tal como acontece com as casas, vandalizadas sistematicamente. É o reinado do terror termidoriano, com as pessoas a acusarem-se umas às outras do agravamento da vida quotidiana.

Apenas sei que não posso curar a doença que me mata, por ter aumentado ao triplo o remédio que me salva, e que o dinheiro que dou para a casa, cada vez compra menos.

De quem o terror, se não dos senhores de fraque que não nos sabem governar e investem em projectos impossíveis de pagar, para honrar a palavra dada.

Não sou homem de fé, mas haja uma divindade que puna os malfeitores que nos governam e à sua oposição. Mudar de governo para quê? São neoliberais, até os socialistas e as bancadas denominadas de esquerda… Uma grande greve aproxima-se. Mudanças não haverá. O país está falido pela má condução de todos os governos dos últimos vinte anos.

Estes dias que vivemos, parecem-me estarem cheios de tristezas, injustiças e lágrimas, bem como de solidariedades, declarações, debate, uso da razão, uso das emoções. É um falar constante dos acontecimentos que sobre nós caem. Corpos mortos, corpos feridos, fuga do perigo, vida de terror. A resposta à pergunta do título podia ser simples: os que matam sem motivo ou sem motivo aparente provocam depressão a outros seres humanos. Se quisermos uma lista do terror sobre os seres humanos, basta-nos ler o jornal e ver que desde 2002 em Bali, até ao dia 7 de Julho deste ano, ocorreram oito actos denominados terroristas e, consequentemente, tivemos mortos, feridos, seres triste… um mundo dividido.

A pergunta tem outra resposta. Não é para entrar na História da Humanidade, aquando Eva seduz Adão para ser divino, Caim mata Abel, Noé constrói um imenso

barco para fugir das águas dos mil dias, as guerras. Ou, definir a luta de classes. Não apenas à Marx de 1864, ou Durkheim de 1888 e também Mauss de 1923: toda a nossa legislação de segurança social, este socialismo de Estado, se inspira no princípio seguinte: o trabalhador deu a sua vida e o seu trabalho à colectividade por um lado, aos seus patrões por outro, os que beneficiaram dos seus serviços não estão quites com ele através do pagamento do salário. Devem-se lhe oferecer , uma certa segurança na vida, contra o desemprego, contra a doença, contra a velhice e a morte, como escreve detalhadamente o nosso sábio Marcel Mauss,  na página 187 da versão portuguesa de 1988 do seu livro Ensaio sobre a Dádiva, Edições 70, 2001, tradução do seu texto de 1924 Essai sur le don. Formes et raison de l’echange dans les sociétés archaïques. Publicado no L´Année Sociologique, Félix Alkan, Paris. Parágrafo fundamental para entender a questão que abre o texto, para ajudar a explicar os factos que nos aterrorizam e nos enchem de raiva, tristeza e incompreensão.

O terrorismo não aparece de entidades desconhecidas. Ele surge do lucro que os grupos mais ricos são capazes de organizar nesta vida, apesar de pretender na vida pública serem do povo, eleitos pelo e para o povo. Não é em vão que um dos atentados, o mais recente, acontece na abertura da cimeira dos G 8, o dia que começam os trabalhos dos oitos grupos sociais mais ricos do mundo para pensar como acumular processos de mais-valia entre o operariado e assim desenvolver tecnologia, ganhar três recentes e violentas guerras, retirar riqueza da força de trabalho universal, serem capazes de juntar água e azeite em Gaza, etc. Os Presidentes Socialistas não são derrubados: todos são socialistas hoje em dia e, quando houve um primeiro nos anos 70 do Século XX, foi assassinado. De comunistas, nem falar: o muro de Berlim caiu nos anos 80 do Século XX e o Papado conseguiu deter invasões dentro da Europa nos anos 90: Karol Wojtila, como hoje sabemos, telefonou para um número do Kremlin e a Polónia ficou livre…

A luta de classes, também defendida por Émile Durkheim em 1882 e 1903, consiste em desfazer a força de trabalho, retirar os seus meios de transporte, impingir medo numa população que procura companhia, reciprocidade, colaboração, poupança, trabalho, desenvolvimento, carinho, reprodução, família. Descanso nos dias devidos e obras-primas nos de trabalho. Essa é a população atingida para ferir o lucro dos mais ricos, destruir a tecnologia e tornar a construir o que antigamente apenas as guerras desfaziam: a materialidade da vida. Vi a 7 de Julho um Londres de milhares de habitantes, voltar a pé na denominada hora de ponta. Sem uma queixa, sem um pranto, sem revolta. Diferente de Atocha, que derrubou a gestão de um dos 8, ou de Nova Iorque, que até ao dia de hoje semeia o pânico na população, enquanto mantém uma guerra que é aceite e participada, pelo denominado G8, terrorismo. Conceito calmamente não exibido nos media, nos dias seguintes, os de volta ao trabalho.

Terrorismo pago pelo próprio povo que caminha em novos impostos, em mortos, em feridos a cuidar. Ideias e factos para comentar desde muito cedo com os mais novos, retirar-lhes o medo, explicar as diferenças de comportamento entre islâmicos e cristãos e o respeito que estas ideias causam. Esta deveria ser a primeira aula de toda a pequenada em qualquer língua. Na medida em que o trabalho retira mais-valia ao autor da obra, acumula lucro a grupos governados pelo G8, que a seguir, reconstrói a tramóia operária na base do conceito Pátria e Nação, paga das poupanças dos que, no dizer de Mauss, não estão quites com o seu Estado.

A dor é grande ao reparar quem é o terrorista e o uso que se faz do conceito para virar de avesso a guerra entre classes, culturas e religiões. Mais uma vez, ficamos de luto…

Ficamos de luto porque não há dia em que não se publique uma lei para anunciar mais um imposto, mais um aumento de preços, mais indústrias que fecham e trabalhadores desempregados, desacordos entre os partidos políticos que nos governam e o cumprimento de apoio para o orçamento do Estado que nos deve governar em 2011. De luto também, pela redução dos vencimentos, e a aplicação de uma taxa moderadora para os que ganhem mais do que 50.000€ por ano, a par de reduções de medicamentos antes comparticipados, hoje mais caros que ontem.

É anunciado que todas estas alças devem apenas começar em Janeiro de 2001, mas os transportes públicos custa mais 5% desde ontem, 27 de Julho de este ano de Graça do nosso Senhor de 2010. E os comestíveis, quem tem anunciado a subida do IVA em cada produto? Apenas sei que estou a comer menos.

Este governo é uma fantochada que congela as pensões, reduz as consideradas mais altas, por outras palavras as de mais de 400€ por mês e os ataques à riqueza exibida nas monstras começam, tal como acontece com as casas, vandalizadas sistematicamente. É o reinado do terror termidoriano, com as pessoas a acusarem-se umas às outras do agravamento da vida quotidiana.

Apenas sei que não posso curar a doença que me mata, por ter aumentado ao triplo o remédio que me salva, e que o dinheiro que dou para a casa, cada vez compra menos.

De quem o terror, se não dos senhores de fraque que não nos sabem governar e investem em projectos impossíveis de pagar, para honrar a palavra dada.

Não sou homem de fé, mas haja uma divindade que puna os malfeitores que nos governam e à sua oposição. Mudar de governo para quê? São neoliberais, até os socialistas e as bancadas denominadas de esquerda… Uma grande greve aproxima-se. Mudanças não haverá. O país está falido pela má condução de todos os governos dos últimos vinte anos.

Deixar uma resposta