Eis que descubro que Cavaco Silva andou à pancada e acha que é agricultor

Estou deslumbrado. E tudo em pouco mais de 24 horas.

Até ontem a pré-campanha eleitoral estava a ser uma perfeita chatice, feita de frases e ideias banais, em redor de questíunculas bancárias do BPN e do BPI, em jeito de rodriguinhos de jogadores da bola pouco habilidosos mas muito convencidos. Estava a ver que nada de novo iria surgir do sexteto, com excepção do assertivo Coelho, da Madeira.

cavaco_silva_1001

De repende, fez-se luz. Tudo mudou. Comecei a aprender. E sempre graças ao mesmo candidato. Num dia descubro que Cavaco Silva "era tão normal, que até andava à pancada com os outros miúdos". Numa penada, duas descobertas. Primeiro que é preciso andar ao estouro com outros putos para se ser normal. Depois que o pequeno Cavaco era rapaz para esfregar os nós dos dedos na cara de outros petizes. Vá lá, também deve ter despachado um ou outro pontapé.

Poucas horas depois, novo momento extraordinário.

O presidente e recandidato reconhece a sua veia de agricultor. Garante que é o “agricultor da família” mas nada de actividades lucrativas. Deus o livre. Nada disso, ganhar dinheiro com a agricultura deve ser pecado. Portanto, oferece tudo aquilo que os seus terrenos fazem crescer. Às instituições sociais e aos amigos, jura.

Depois destes momentos, quem disser que a campanha não traz nada de novo só pode andar distraído.

Comments

  1. António Fernando Nabais says:

    Quando alguém faz um grande esforço para demonstrar que é normal, dá este resultado. São muito engraçados.

  2. Nuno Castelo-Branco says:

    Também fui agricultor. Quando trabalhava na Baixa, existia mesmo à frente do nosso escritório, uma companhia aérea, onde todos os dias ia à 1 da tarde, esperando amigos para o almoço. De vez em quando, levava uns feijões e quase rebentando de riso, semeava-os nos canteiros da sala de recepção. Os ditos canteiros ram grandes, tinham algumas espécies exóticas e passadas umas boas semanas, a selva avolumou-se com rebentos de feijão por todo o lado. Passaram meses (!) até que alguém reparasse.

    *Bolas, não recebi nenhum fundo comunitário pelo abandono do sector primário e ainda por cima, estava-se em pleno período cavaquista. Lá para 1987…

Trackbacks


  1. […] que, em cerca de 24 horas, a campanha eleitoral para as eleições presidenciais me ensina coisas novas. Sim, sim, duas coisas novas em menos de […]

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.