Privatização da RTP, uma dúvida:

Em toda esta novela da privatização da RTP existe uma coisa que ainda não compreendi.

 

Eu tenho uma empresa que se dedica a um determinado negócio. O meu vizinho lançou uma empresa no mesmo ramo de negócio. O mercado passou a ser dividido por dois. Entretanto, outro vizinho decidiu dedicar-se ao mesmo negócio e criou uma empresa. E assim sucessivamente. Hoje, como ontem, no meu ramo de negócio existem inúmeras empresas e o mercado não cresceu, infelizmente, na mesma proporção.

 

Nunca me passou pela cabeça pressionar este, ou qualquer outro Governo a criar leis de limitação do meu mercado. Por acaso era bestial! Sempre tinha o mercado na mão e podia dedicar-me, sei lá, ao golfe.

 

Por isso, alguém me sabe responder de que se queixa o Dr. Balsemão? Do mercado livre? Da concorrência?

 

Principlamente, o Dr. Balsemão. Reparem, a Impresa é uma excelente empresa de comunicação social. No mercado dos semanários é imbatível. Porquê? Por ter o semanário largamente preferido dos portugueses. Existe concorrência? Existe. O mercado é livre? É. Então, o que aconteceu? Simples, o Expresso é o preferido e, por isso mesmo, já viu morrer o Semanário, o Independente, o Liberal, entre outros e até o Sol não conseguiu nem consegue fazer grande mossa ao Expresso. A SIC Notícias é quase imbatível. Motivos? Os mesmos. Já a Visão continua a liderar mesmo com a concorrência forte da Sábado (a Focus não faz grande mossa). Existem mais exemplos.

 

Sinceramente, não consigo compreender o medo do Dr. Balsemão. Será que não acredita na sua SIC e nos seus profissionais? Ou será que é, apenas e tão só, uma questão pessoal. Tão pessoal que até está a cegar aquele que é, de longe, a grande figura empresarial da Comunicação Social portuguesa dos últimos 40 anos?

Comments

  1. Carlos Fonseca says:

    Contradições. O mercado, essa imprecisa abstracção, mais não é do que um espaço de interesses. Quando toca aos mais abastadados, caso do Balsemão, também é muito ingrato. O pior é que a esses afecta poucas vezes.

  2. J.Pinto says:

    O mais caricato é que a SIC foi a primeira televisão privada portuguesa em sinal aberto. Por causa da abertura a novos concorrentes é que a SIC existe. Há, no entanto, quem ainda diga que estamos na era do liberalismo…
    Do ponto de vista do consumidor, o melhor que lhe pode acontecer é existir muita concorrência. Do ponto de vista do fornecedor, a concorrência aguça o engenho e faz com as empresas procurem novos caminhos, caminhos mais vantajosos.

  3. Konigvs says:

    Eu quando ouvi o Balsemão falar em “perigo para a democracia” pronto lembrei-me da maldita esperança média devida.
    Eu pensei que o perigo fosse haver só um canal, uma visão, uma forma de contar as histórias. Ou então vários canais todos do mesmo grupo económico.
    O Balsemão devia era preocupar-se com as sondagens da Sic generalista, e devia preocupar-se em fazer melhor, porque a SIC é uma miséria. A SIC caiu em ruína desde o dia em que ele não quis o pacote “Big Brother” da Endemol. Quis a TVI e partir desse dia ficou a tinir.
    A programação da TVI também é uma valente merda, mas não é a tentar reproduzi-la na SIC que vai fazer melhor que eles. É nisso que eles são bons, logo Balsemão deveria era preocupar-se em fazer diferente e melhor e não a fazer discursos completamente idiotas e ainda por cima a mostrar que está cheio de medo da concorrência.
    Quem tem medo compra um cão… ou então um Ediberto Lima!!


  4. esta é mesmo NO COMMENT

Trackbacks


  1. […] – mais um embuste na Educação Posted on 31/10/2011 por António Fernando Nabais Este texto do Fernando Moreira de Sá é elucidativo do modo de pensar de alguns (muitos?) empresários portugueses: o Estado deve estar […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.