Viva a crise

Parece que a mama se está a esgotar para a Microsoft: o governo decidiu poupar no software, optando por sistemas baseados em Linux nas escolas. Foi preciso uma crise económica internacional para o bom senso prevalecer.

Falamos do que se poupa em sistemas operativos, suites de escritório e antivirus, e depois se ganha em estabilidade e facilidade de instalação e actualização.

Nunca entendi como é possível uma escola utilizar produtos comerciais que pode trocar por sistemas abertos, gratuitos, e onde a cooperação entre os utilizadores é a regra.

Claro que isto vai ser o bom e o bonito. Em primeiro lugar porque, mal habituados, os professores temem o Linux. Depois porque as empresas de software (e hardware) educativo se vão queixar, não falando nas pequenas empresas que têm prestado serviços inúteis às escolas. Tudo treta: faz-se exactamente o mesmo num pc com software livre. Habituem-se, vão ver que não dói nada.

Comments

  1. jorge fliscorno says:

    E os investimentos feitos em tecnologias MS? Quadros electrónicos, plataformas colaborativas, formação, Promethium e afins.

    Estava na cara que quando faltasse o dinheiro, as licenças não seriam renovadas. Valeu a pena mandar dinheiro para o lixo? Vale sempre a pena quando o dinheiro não é de quem o gasta.


    • Dual boot para os pc´s ligados à porcaria dos quadros interactivos, e vão com sorte. Uso-os como projectores, péssimos por sinal, de resto são uma inutilidade de novo rico. As plataformas, mesmo o fraquinho moodle, não depende do SO.
      Único problema real: o software de administração escolar. Pois como há mercado, apareça malta a fazê-lo em linux. De qualquer forma desconfio que corre através do Wine…


    • Claro que tens razão.

      Os investimentos em tecnologias MS são por natureza coisas pouco sólidas. A própria MS vai matando as tecnologias que cria mais ou menos como lhe dá na telha (silverlight, winforms, etc, etc, etc).

      O facto é que mesmo do ponto de vista dos utilizadores finais não há continuidade no tempo se apostarem nas tecnologias da MS. Isto é de esperar dado que a economia da MS é baseada no “upgrade treadmill”, não necessariamente no que é melhor para os clientes.


  2. WTF….. Sempre que vejo um comentário deste tipo não difere muito das decisões que o governo toma, ou seja atitudes despóticas de como aquilo que eu quero é que é bom e é o que todos terão que ter e usar. Profissionalmente tenho que usar o MS, razão/motivo? As aplicações criadas não são compatíveis com outro Sistema operativo, Em vez de existir esta picardia Linux Vs Microsoft de qual é o melhor, não se vai a lado nenhum, se os utilizadores fossem informados, educados em relação à informática, o que não acontece, a maioria compra um PC e só sabe aceder ao Facebook, HI5 e pouco mais, quanto ao uso do SO Ms nas escolas certamente rege-se por questões comercias, interesses e parcerias entre governo e MS, que certamente a Ms não deve ficar a perder, mas é apenas a minha opinião, e como tal cada um deve ter a sua opinião e utilizar o SO que bem entende.


    • Despotismo é impor um SO fechado como o da MS. Profissionalmente tenho sido obrigado ao mesmo. Mas repito: existe o Wine, donde mesmo programas específicos não têm forçosamente de se deitar fora…


      • Não digo que não tenha razão porque tenho conhecimento do que está a falar, mas no meu contexto laboral seria impossível.

        Seria impossível porque os programas são criados para trabalhar especificamente com o Win, na minha opinião, a mentalidade é que deverá ser mudada/alargada, não podemos pensar que só existe Win, Abraço.

        • José Ninguém says:

          Wine é um programa que permite correr executáveis de Windows num sistema *NIX ( Mac OS X, Linux, etc).


  3. Um dos motivos da Crise, e falo com a minha ignorância em relação à politica mas falo em nome do bom senso, honestidade e seriedade.

    Há um ponto que ainda não vi ninguém interrogar o governo porque os cortes nos vencimentos e subsídios não começam pelo próprio governo, já se fez cortes? de Quanto? qual o motivo de um deputado ganhara cerca de 8 mil euros? Produz? o quê? decide quanto mais pode espremer aquele trabalhador que para eles é apenas um numero.

    Outra questão, isto é apenas de um email que recebi, segundo o próprio é do tribunal de Contas ao que passo a citar o conteúdo do email:

    “1. ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ALENTEJO, I. P.
    Aquisição de 1 armário persiana; 2 mesas de computador; 3 cadeiras c/rodízios, braços e costas altas: 97.560,00€

    Eu não sei a quanto está o metro cúbico de material de escritório mas ou estes armários/mesas/cadeiras são de ouro sólido ou então não estou a ver onde é que 6 peças de mobiliário de escritório custam quase 100 000€.
    Alguém me elucida sobre esta questão?

    2. MATOSINHOS HABIT – MH
    Reparação de porta de entrada do edifício: 142.320,00 €

    Alguém sabe de que é feita esta porta que custa mais do que uma casa?

    3. UNIVERSIDADE DO ALGARVE – ESC. SUP. TECNOLOGIA – PROJECTO TEMPUS
    Viagem aérea Faro/Zagreb e regresso a Faro, para 1 pessoa no período de 3 a 6 de Dezembro de 2008: 33.745,00 €
    Segundo o site da TAP a viagem mais cara que se encontra entre Faro-Zagreb-Faro em classe executiva é de cerca de 1700€. Dá uma pequena diferença de 32 000 €. Como é que é possível???

    4. MUNICÍPIO DE LAGOA
    6 Kit de mala Piaggio Fly para as motorizadas do sector de águas: 106.596,00 €

    Pelo vistos fazer um “Pimp My Ride” nas motorizadas do Município de Lagoa fica carote!!!

    5. MUNICÍPIO DE ÍLHAVO
    Fornecimento de 3 Computadores, 1 impressora de talões, 9 fones, 2 leitores ópticos: 380.666,00 €

    Estes computadores devem ser mesmo especiais para terem custado cerca de 100 000€ cada….Já para não falar nos restantes acessórios.

    6. MUNICÍPIO DE LAGOA
    Aquisição de fardamento para a fiscalização municipal: 391.970,00€

    Eu não sei o que a Polícia Municipal de Lagoa veste, mas pelos vistos deve ser Haute-Couture.

    7. CÂMARA MUNICIPAL DE LOURES
    VINHO TINTO E BRANCO: 652.300,00 €

    Alguém me explica porque é que a Câmara Municipal de Loures precisa de mais de meio milhão de Euros em Vinho Tinto e Branco????

    8. MUNICIPIO DE VALE DE CAMBRA
    AQUISIÇÃO DE VIATURA LIGEIRO DE MERCADORIAS: 1.236.000,00 €
    Neste contrato ficamos a saber que uma viatura ligeira de mercadorias da Renault custa cerca de 1 milhão de Euros. Impressionante…

    9. CÂMARA MUNICIPAL DE SINES
    Aluguer de tenda para inauguração do Museu do Castelo de Sines: 1.236.500,00 €

    É interessante perceber que uma tenda custa mais ou menos o mesmo que um ligeiro de mercadorias da Renault e muito mais que uma boa casa… E eu que estava a ser tão injusto com o município de Vale de Cambra…

    10. MUNICIPIO DE VALE DE CAMBRA
    AQUISIÇÃO DE VIATURA DE 16 LUGARES PARA TRANSPORTE DE CRIANÇAS: 2.922.000,00 €
    E mais uma pérola do Município de Vale de Cambra: uma viatura de 16 lugares para transportar crianças custa cerca de 3 milhões de Euros. Upsss, outra vez o município de Vale de Cambra…

    11. MUNICÍPIO DE BEJA
    Fornecimento de 1 fotocopiadora, “Multifuncional do tipo IRC3080I”, para a Divisão de Obras Municipais: 6.572.983,00 €
    Este contrato público é um dos mais vergonhosos que se encontra neste site. Uma fotocopiadora deste tipo custa normalmente 7,698.42€ foi comprada por mais de 6,5 milhões de Euros. E ninguém vai preso por porcarias como esta?”

    Eu Sublinho: E ninguém vai preso por porcarias como esta?

    Enquanto nós, cidadãos contribuintes ou não, continuarmos a Dormir perante estes ROUBOS iremos pagar bem e caro, mas quanto a isso já nós estamos habituados não é?


    • Pelo menos a fotocopiadora de Beja é erro de quem colocou os dados na plataforma. Outras serão igualmente erros, e como é óbvio, na maioria tem razão.

      • Paulo Franzini says:

        Sobre as viaturas de Vale de Cambra posso assegurar que também foram erros de alguém que no Tribunal de Contas lançou mal os dados, os valores são em milhares e não milhões. Mesmo sendo um opositor á gestão do municipio onde muita coisa acontece, mas mais disfarçado.


    • Penso que é já sabido que a plataforma apresenta dois dígitos a mais; não deixa de ser sintomático.


  4. Esta deixa-me uma sensação de dejà-vu, ou melhor, de dejá-entendu. Espere até ver o contra-ataque da Ms.
    Quando, num dos primeiros anos deste século defendi isto mesmo (de dentro de uma das escolas que já na altura tinha mais autonomia administrativa) olharam-me com ar paternalista e sorrizinho gozão.
    Foram anos e esforços (projecto Caixa Mágica, p. ex.) completamente perdidos. Na Alemanha predomina o Linux como SO, não só nas escolas, como um pouco por todo o lado. Em Espanha também.
    Não será por acaso que os únicos países da UE onde predominava o SO da Ms há uma dezena de anos atrás (digo assim, porque já não tenho dados actualizados) eram Portugal, a Irlanda e a Grécia. QED?


    • Contra-ataque? uma apostinha em como vão oferecer a renovação destas licenças

    • jorge fliscorno says:

      Na Alemanha predomina o Linux como SO, não só nas escolas, como um pouco por todo o lado. Em Espanha também.

      E a França adoptou uma variante de Linux como o SO a usar na sua administração pública.


  5. Belíssima ideia. Pagar por aquilo que se pode ter de graça (ou quase) é sempre a melhor opção.

Trackbacks


  1. […] ficado com uma leve esperança de que a crise metesse juízo na cabeça de quem não a tem mas afinal é só o Ministério da Educação que se está nas tintas para os computadores das escolas (já desconfiava), em vésperas do […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.